ESTABILIDADE OU INSTABILIDADE: O QUE DIZEM OS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS SOBRE MOTIVAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.11973

Palavras-chave:

sociedade, acomodação, estratégia, gestão

Resumo

Este estudo tomou como premissa que a estabilidade do servidor público apresenta significados contraditórios, assumindo contornos de fatores motivadores e de acomodação. O objetivo foi comparar os níveis de motivação dos servidores municipais estáveis e não estáveis. Foram coletados dados de 188 servidores, 82 efetivos, 21 comissionados e 89 contratados. O questionário composto por 46 questões, divididas em três seções: perfil socioeconômico; nível de motivação; e em relação a estabilidade e sua influência (para servidores efetivos). A análise dos dados foi dividida em dois grupos: efetivos e comissionados; e contratados. Foi calculada frequência, média, desvio padrão e coeficiente de Alfa de Crombach. Os resultados mostram altos índices de motivação nos dois grupos e a percepção de si próprio, apresenta-se de forma positiva. Os resultados sugerem que a estabilidade não é um fator definidor da motivação e, servidores efetivos não indicaram a estabilidade como principal fator de escolha do setor público

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcos Douglas Espindola Machado, UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados.

UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados

Graduação em Administração.

Servidor Público Municipal.

Erlaine Binotto, UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados.

possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria, Especialização em Fundamentos Teórico Metodológicos de Ensino pela Universidade de Cruz Alta, mestrado e doutorado em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado sanduiche The University of Queensland. Líder do grupo de pesquisa (CNPq): Organizações, Pessoas e Ambiente. É avaliadora de artigos em periódicos e eventos nacionais e internacionais. Coordena projetos aprovados no CNPq sobre ações coletivas, inovação e sucessão em propriedades rurais no Brasil e Tailândia. Atualmente é professora Associada III na Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, coordenou o Programa de Pós-Graduação em Agronegócios (12/2010-01/2015) e vice-coordenadora do PROFIAP (2014-2019). Professora no PPGAgronegócios, PROFIAP e doutorado em Administração da UFMS. Vice-Presidente da SOBER gestão 2015-2017; 2017-2019 e 2019-2021. Tem experiência na área de Administração e Agronegócio, com ênfase no aspecto humano, atuando principalmente nos seguintes temas: Governança e Gestão (Sucessão rural, gestão do conhecimento -aprendizagem, capacidade absortiva, comunidades de prática, ações coletivas) e Perfil Profissional para o Agronegócio. Na área de Gestão Pública temas relacionados a Gestão de Pessoas. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2 - AE - Administração, Contabilidade e Economia

Elisabete Stradiotto Siqueira, UFERSA - Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Possui graduação em Bacharel Em Administração pela Universidade Metodista de Piracicaba (1986), mestrado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1993) e doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999). Atualmente é pesquisador convidado da Universidade Federal da Grande Dourados e professor adjunto da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Cultura Organizacional e Subjetividade, atuando principalmente nos seguintes temas: responsabilidade social, cultura organizacional, liderança, administração e ensino de administração.

Eduardo Luis Casarotto, UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados

Graduado em Administração pela Universidade de Passo Fundo (2001), Especialização em Gestão de Marketing em Serviços e Varejo (2006), Aperfeiçoamento em Formação Continuada para o Magistério Superior (2009), Mestre em Agronegócios (2013), pela Universidade Federal da Grande Dourados e Doutor em Administração - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. Professor Adjunto, Classe C, Nível I na Faculdade de Administração, Ciência Contábeis e Economia FACE da Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD. Dourados, Mato Grosso do Sul. Possui experiência empresarial e docente na área de Administração: Logística, Finanças, Estoque, Marketing (pós-venda), Processos Gerenciais e Produtivos.

Referências

Almeida, I. C. S., & Tacconi, M. F. F. S. (2015). Satisfação e motivação dos funcionários no IFRN-Campus Natal Central. HOLOS, 5, 367-378.

Bergamini, C. W.(2018). Motivação nas organizações, 7. ed. São Paulo. Editora Atlas.

Bergue, S. T. (2014). Gestão estratégica de pessoas no setor público. São Paulo. Editora Atlas.

Bolfarini, A. B. & Alves, G. A. (2018). A ameaça à garantia da estabilidade no serviço público: aplicação do princípio da eficiência ou violação à preceito constitucional? Revista Jurídica Unopar – 1(1). 9-23.

Brasil. Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998. (1998). Modifica o regime e dispõe sobre princípios e normas da Administração Pública, servidores e agentes políticos, controle de despesas e finanças públicas e custeio de atividades a cargo do Distrito Federal, e dá outras providências. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil.

Brasil. Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. (1990). Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil.

Carvalho Filho, J. dos S. (2017). Manual de direito administrativo, 31. ed. São Paulo: Editora Atlas.

Chanlat, J-F. (2002). O gerencialismo e a ética do bem comum: a questão da motivação para o trabalho nos serviços públicos. In: Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. Anais... 8-11.

Cherchiglia, M. L., & Dallari, S. G. (1999). A reforma do Estado e o setor público de saúde: governança e eficiência. Brazilian Journal of Public Administration, 33(5), 65-84.

da Silva, L. R. F., Mousquer, L. D., Schadeck, M., & Rodrigues, L. A. (2016). A influência da motivação na produtividade do trabalho na representação comercial. Revista de Administração IMED, 5(3), 241-249.

Diniz, T. D. G. S., Cruz, E. P., da Silva, F. D. N. S., & Fontanillas, C. N. (2012). Estabilidade no emprego e o comportamento do servidor público de municipal. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, 9, 1-16.

Garnier, G. C. (2005). Motivação: comparando ambientes com e sem estabilidade. 2005. 117 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Administração) – IBEMEC. Rio de Janeiro.

Guimarães Filho, J. R. (2004). A estabilidade do servidor público concorre para a manutenção do interesse público e eficiência na administração pública. 2004. 50 f. Monografia (Especialização) - Centro de Ensino Unificado do Distrito Federal, Brasília, DF.

Morais, R. de. (2015). Motivação no serviço público: estudo de caso com os agentes públicos municipais da prefeitura de Monte Azul Paulista. 2015. 83 f. Monografia (Bacharelado em Administração Pública) Universidade de Brasília, Brasília.

Nakamura, L. M., & Vaz, D. V. (2020). Quão heterogêneo é o setor público no Brasil? Uma análise das diferenças salariais entre os poderes executivo, legislativo e judiciário. Administração Pública & Gestão Social, 12(4).

Oliveira, J. C. D., Barbosa, K. L., & Hegedus, C. E. N. (2017). Um estudo de caso dos fatores motivacionais na Universidade Federal do Espírito Santo–Campus de Alegre. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 15(2). 59-85.

Oliveira, T. L., & Silva, L. C. J. (2012). Motivação dos servidores públicos: um caso na saúde pública na Amazônia. Revista de Administração de Roraima-RARR, 2(1), 178-195.

Perry, J. L., & Wise, L. R. (1990). The motivational bases of public service. Public administration review, 367-373.

Ribeiro, C. V. D. S., & Mancebo, D. (2013). O servidor público no mundo do trabalho do século XXI. Psicologia: ciência e profissão, 33(1), 192-207.

Robbins, S. P., Decenzo, D. A., & Wolter, R. M. (2014). A nova administração. São Paulo. Editora Saraiva.

Robbins, S. P. (2005). Comportamento organizacional. 11ª edição. São Paulo: Pearson Precentice Hall.

Silva, P. P. C., & Stefanini, C. J. (2013). Clima organizacional–um estudo sobre aspectos motivacionais em uma repartição pública. Contribuciones a la Economía, 3(1), 1-13.

Souza, I. M., & Bachtold, C. (2020). A cultura organizacional e sua influência no desempenho e motivação no trabalho do servidor público: estudo de caso na prefeitura de Colombo-PR. Revista Mundi Engenharia, Tecnologia e Gestão, 5(4), 1-26.

Souza, T. C. P. de. (2002). Mérito, estabilidade e desempenho: influência sobre o comportamento do servidor público. 2002. 123 f. Dissertação (Mestrado Executivo) – Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Vergara, S. C. (2016). Gestão de pessoas. 16. ed. São Paulo: Editora Atlas.

Vieira, C. B., Vilas Boas A. A., Andrade R. O. B. de, & Oliviera E. R. de. (2011). Motivação na administração pública: considerações teóricas sobre a aplicabilidade dos pressupostos das teorias motivacionais na esfera pública. Revista ADMpg Gestão Estratégica, 4(1), 1-18.

Downloads

Publicado

30/09/2021

Como Citar

Machado, M. D. E., Binotto, E., Siqueira, E. S., & Casarotto, E. L. (2021). ESTABILIDADE OU INSTABILIDADE: O QUE DIZEM OS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS SOBRE MOTIVAÇÃO. HOLOS, 6, 1–17. https://doi.org/10.15628/holos.2021.11973

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)