OS SENTIDOS DA INTEGRAÇÃO NO PROEJA-FIC/FUNDAMENTAL: LIMITES E ALCANCES DE UM CURSO DESENVOLVIDO EM ESPAÇO PRISIONAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.3196

Palavras-chave:

PROEJA, EJA, Educação em Prisões, Integração, Formação Humana

Resumo

Este artigo é um recorte temático da nossa Dissertação de Mestrado em Educação. Tem como objetivo analisar os sentidos da integração de um curso FIC vinculado ao PROEJA FIC/FUNDAMENTAL, ofertado pelo IFRN campus Mossoró em espaço prisional, considerando a abrangência desse Programa, seus limites e alcances. As técnicas de pesquisa desenvolvidas foram a análise documental, a aplicação de questionário, a realização de grupo focal e a observação in loco, adotando-se por dimensões de análises a integração curricular, elevação de escolaridade e formação humana integral. Apesar de o PROEJA abranger a integração da educação profissional à educação básica, neste estudo, a análise concentra-se na integração entre cursos FIC e EJA nos anos finais do ensino fundamental. O artigo evidencia aspectos relevantes acerca dos pressupostos imbricados nas possibilidades de integração entre EJA, Cursos FIC ou Qualificação Profissional e educação em prisões e na efetivação do PROEJA FIC/FUNDAMENTAL como parte de uma política social de inclusão emancipatória, conforme declaração oficial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Lúcia Pascoal Diniz, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE

Mestre em Educação pela UFRN, Licenciada em Pedagogia pela UFRN e em Letras pela FFM - Patos Pb, com Especialização em Psicopedagogia. Atualmente é Pedagoga técnica no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN e também atua como professora da educação básica na modalidade EJA, na Rede Municipal de Ensino do município de Natal RN. Tem experiência na educação nas redes pública e/ou privada, com atuação docente na educação básica há cerca de vinte anos (nos ensinos fundamental e médio); no ensino superior e na educação profissional, como coordenadora pedagógica e na gestão. Considerável participação em eventos científicos que teve início com as atividades realizadas como bolsista de iniciação científica, credenciada pela CAPES, com algumas publicações acadêmico-científicas relevantes.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARAÚJO, R. M. de L. A reforma da educação profissional sob a ótica da noção de competências. Trabalho apresentado na 25ª Reunião Anual da ANPED- 2002. Disponível em: <http://www.senac.br/BTS/283/boltec283a.htm >. Acesso em: 30 nov. 2013.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 4-2010. Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Relator: Adeum Hilários Sauer. Aprovado em 9 de março de 2010.

______. Decreto nº 5.478, de 24 de junho de 2005. Institui, no âmbito das instituições federais de educação tecnológica, o Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA. Brasília: 2005.

______. Decreto nº 7.626, de 24 de novembro de 2011. Institui o Plano Estratégico da Educação no âmbito do Sistema Prisional. Brasília: 2011b.

______. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/L9394.htm>. Acesso em: 05 mai. 2012.

______. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 19 de maio de 2010. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Brasília: MEC, 2010.

______. Ministério da Educação. Portaria MEC nº 376, de 02 de fevereiro de 2005. Publicada no DOU em 03/02/2005. Disponível em: < http://www.fnde.gov.br/fnde/legislacao/portarias/item/3533-portaria-mec-n%C2%BA-376-de-02-de-fevereiro-de-2005-publicada-no-dou-em-03-02-2005> Acesso em 10 jul. de 2012

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Profissional e Tecnológica. Decreto nº. 5.840, de julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA. Brasília, DF, 2006.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Profissional e Tecnológica. Programa Nacional de Integração da Educação Profissional coma Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos/Ensino Médio. Documento Base. MEC/SETEC: Brasília, 2007a.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Profissional e Tecnológica. Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - Formação Inicial e continuada/ Ensino Fundamental - PROEJA FIC/FUNDAMENTAL. Documento Base. MEC/SETEC: Brasília, 2007b.

______. SETEC/MEC. Ofício Circular nº 115/2010 – DPEPT/SETEC/MEC. Documento Orientador para PROEJAFIC em Prisões Federais. Brasília, 24 de agosto de 2010.

______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD 2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

______. Ministério Da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Formulário Categoria e Indicadores Preenchidos Todas UF's . Sistema Integrado de Informações Penitenciárias – InfoPen: Referência: 12 de 2010. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/main.asp?View=%7 B887A 0EF2-F514-4852-8FA9-D728D1CFC6A1%7D&Team=&params=itemID=%7BC 7442D55-9BC0-490C-8102-6522E6DD5EFC%7D;&UIPartUID=%7B2868BA3C-1C72-4347-BE11-A26F70F4CB26%7D. Acesso em 14 nov. 2013.

BUENO, J. G. S. Apresentação. In: ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. (Org.). Educação escolar entre as grades. São Carlos: EDUFSCar, 2007.

CIAVATTA, M. O trabalho como princípio educativo: uma investigação teórico-metodológica (1930-1960). Rio de Janeiro: PUC-RJ, (Tese de Doutorado em Educação), 1990.

______. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Org.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Org.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

DEMO, P. Desafios modernos da Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

______. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1999.

______. Pedagogia do Oprimido.17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de R. Ramalhete. 29. Ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M.C. Escolarização de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n.14, p. 108-130, maio/ago. 2000. p. 108-130.

JULIÃO, E. F. Educação e trabalho como programas de “reinserção social”. In: LOURENÇO, A. da S.; ONOFRE, E. M. C. (Orgs.). O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. São Carlos: EDUFSCar, 2011.

MACHADO, M. M.; OLIVEIRA, J. F. de. A formação integrada do trabalhador: desafios de um campo em construção. São Paulo: Xamã, 2010.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. Lisboa: Edições 70. 1982.

MINAYO, M. C. de S. (Org). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12 ed. São Pulo: Editora Hucitec, 2010.

OLIVEIRA, R. de. Empregabilidade. In: PEREIRA, I. B.; LIMA, J. C. F. Dicionário da educação profissional em saúde. 2.ed. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008.

ONOFRE, E. M. C. Escola da prisão: espaço de construção da identidade do homem aprisionado? In: ______. (Org.). Educação escolar entre as grades. São Carlos: EDUFSCar, 2007.

______. Educação escolar na prisão: controvérsias e caminhos de enfrentamento e superação da cilada. In: LOURENÇO, A. da S.; ONOFRE, E. M. C. (Orgs.). O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. São Carlos: EDUFSCar, 2011.

RAMOS, M. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz; UFRJ, 2010.

______. Concepção de ensino médio integrado. Texto publicado em Seminário. Secretaria de Educação do Estado do Pará, 2007. Disponível em: <http://www.iiep.org.br/curriculo_integrado.pdf>. Acesso em 10 jan. 2012.

ROCHA, J.M. Formação inicial de trabalhadores e elevação de escolaridade: políticas públicas de qualificação profissional em discussão (1963-2011). 2011. 276 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PENNA, M. G. de O. Relações sociais e espaço escolar na prisão: limites e possibilidades da ação educativa no interior de uma penitenciária In: LOURENÇO, A. da S.; ONOFRE, E. M. C. (Orgs.). O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. São Carlos: EDUFSCar, 2011.

SCARFÓ, F.; BREGLIA, F.; FREJTMAN, Valéria. Sociedade Civil e educação pública nos presídios: questões para reflexão. In: LOURENÇO, A. da S.; ONOFRE, E. M. C. (Orgs.). O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. São Carlos: EDUFSCar, 2011.

TIRIBA, L.; CIAVATTA, M. (org.). Trabalho e educação de jovens e adultos. Brasília: Liber Livro e Editora UFF, 2011.

ZITKOSKI, J. J. O diálogo em Freire: caminho para a humanização. Revista Eletrônica Fórum Paulo Freire. Unisinos: 2005, ano 1, nº 1, Julho.

Downloads

Publicado

2015-08-03

Como Citar

Diniz, A. L. P., & Moura, D. H. (2015). OS SENTIDOS DA INTEGRAÇÃO NO PROEJA-FIC/FUNDAMENTAL: LIMITES E ALCANCES DE UM CURSO DESENVOLVIDO EM ESPAÇO PRISIONAL. HOLOS, 4, 130–150. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3196

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>