DESISTÊNCIA E PERMANÊNCIA DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO DO PROEJA

Débora S. A. Faria, Dante Henrique Moura

Resumo


Este artigo trata do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, desenvolvido pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte – IFRN – Campus Caicó. Analisa as causas da desistência e os motivos da permanência de estudantes do referido programa no âmbito da trajetória de estudos. Utilizamos a pesquisa bibliográfica, a análise documental, a entrevista semiestruturada, o grupo focal e analisamos as falas de alguns sujeitos. Concluímos que condições institucionais, socioeconômicas e pessoais, repercutiram em uma nova interrupção da trajetória escolar de parcela significativa desses sujeitos. Mediante a pesquisa, concluímos que a permanência de estudantes também é motivada por condições institucionais no que concerne à qualidade do ensino, (infraestrutura e qualificação da equipe técnica e dos professores), como também pelas condições socioeconômicas e pessoais, como o apoio dos colegas e da família. Concluímos, então, que as causas da desistência e os motivos da permanência têm sua origem nas interrelações entre aspectos institucionais, socioeconômicas e pessoais. 


Palavras-chave


PROEJA; Evasão escolar; Permanência

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ARROYO, M. G. Educação de Jovens-Adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, L.; GIOVANETTI, M.A.G.C.; GOMES, N.L.(Orgs.).Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

ARROYO, M. G. Fracasso-sucesso: o peso da cultura escolar e do ordenamento da educação básica. Em Aberto, Brasília, ano 11, n.53, jan./mar. 1992

ARROYO. M. G. Formar educadoras e educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica/ SECAD-MEC/UNESCO, 2007.

BRASIL. Decreto nº 5.478, de 24 de junho de 2005. Institui, no âmbito das instituições federais de educação tecnológica, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, e dá outras providências, Brasília, DF: junho de 2005.

BRASIL. Parecer CNE/CEB – 11/2000 – Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=13252:parecer-ceb-2000.

Acesso em: 20 de janeiro de 2013.

BRASIL. Decreto n. 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, e dá outras providências. Brasília, DF, 2006.

CARDOSO, J. F., M. J. de R. Inclusão e exclusão: O retorno e a permanência dos alunos na EJA. Debates em Educação Científica e Tecnológica, ISSN 2179- 6955, v. 02, nº. 2, p. 61 a 76, 2012.

CHAMORRO, C. C. W. Alegria na escola noturna: um sonho possível. 2002. 118 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2002.

CHARLOT, B. O saber, a exclusão escolar e a pesquisa em educação. Educação em Debate, UFC, Fortaleza, p. 115-119, 2002.

CORREA, L. M., SOUZA, M. C. R. F. e BICALHO, M. G. P. Os significados que jovens e adultos atribuem à experiência escolar. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 26., 2003, Caxambu. Anais da 26ª Reunião Anual da ANPED, Caxambu, 2003. 18 p.

DANTAS, M. B. da S., PAIVA, M. de O, BARBOSA JÚNIOR, W. P. O PROEJA no estado do Rio Grande do Norte: possibilidades e limites. Natal: Editora do CEFET, RN, 2007.

FARIA. D. S. A. O PROEJA ENSINO MÉDIO NO IFRN – Campus Caicó: causas da desistência e motivos da permanência. Natal, 2014. 134 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGED, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

FONSECA, M. da C. F. R. Educação Matemática de Jovens e Adultos- Especificidades, desafios e contribuições. Belo Horizonte:Autêntica, 2002.

FERRARO, A. R. Diagnóstico da escolaridade no Brasil. In: Revista Brasileira de Educação, n.12, ANPED, set. a dez./1999, p. 22-47.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Paz e Terra; 1987.

HADDAD, S. Educação de jovens e adultos: uma dívida a ser resgatada. 2000. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

KUENZER, A. Z. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 28, n.2, p. 03-11, 2002.

MOURA, D. H.; S., M. dos S. A evasão no curso de licenciatura em Geografia oferecido pelo CEFET - RN. Holos (Online), v. 3, p. 26-42, 2007.

OLIVEIRA, P. C. S. de. Alfabetizandos/as na EJA: As razões da permanência nos estudos. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2011.

PAIVA, J. Tramando concepções e sentidos para redizer o direito à educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n.33, p. 519-539, 2006.

PARENTI, M. G. F. Trabalhadores da Construção civil e a experiência escolar: significados construídos. In: Anais da 23ª Reunião Anual da ANPED, Caxambu, 2000.

SANTOS, M. A. M. T. A produção do sucesso na educação de jovens e adultos: o caso de uma escola pública em Brazilândia. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

SIMÕES, C. A. Educação Técnica e escolarização de jovens trabalhadores. In: MOLL, J. e colaboradores. Educação Profissional e Tecnológica no Brasil Contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010, p. 96-119.

SOLÉ, I. Disponibilidade para a aprendizagem e sentido da aprendizagem. In: COLL, César et all. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 2006.

SOARES, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 17. ed. São Paulo: Ática, 1986.

TAPIA, J. A., FITA, E. C. A motivação em sala de aula: o que é como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.3195



 

HOLOS IN THE WORLD