CONSIDERAÇÕES SOBRE A ENFERMAGEM NA SAÚDE ESCOLAR E SUAS PRÁTICAS EDUCATIVAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.3644

Palavras-chave:

Enfermagem, saúde escolar, educação em saúde

Resumo

A escola é um espaço favorável para educação em saúde, nela podem ser trabalhados diversos assuntos relativos à promoção de saúde, como: construção de hábitos saudáveis e identificação de agravos. A prática da enfermagem na saúde do escolar é contextualizada em uma política atual em desenvolvimento. Este trabalho tem o objetivo de Identificar através da pesquisa integrativa as contribuições para a compreensão da prática da enfermagem que atua na saúde do escolar e contribuir para o fortalecimento de uma política em plena implantação para atuação da enfermagem na saúde do escolar.  Trata-se de uma revisão integrativa da literatura de caráter exploratório descritivo e comparativo, com abordagem qualitativa, cuja pesquisa foi realizada nas Bases de dados da Biblioteca Virtual de Saúde (BVS): LILACS, MEDLINE, SciELO e BDENF. Foram selecionados 18 artigos que indicam a participação do enfermeiro nas escolas. Os programas de saúde escolar são concepções novas, fundamentadas em um novo meio de promover saúde. O resultado do estudo permite refletir a participação do enfermeiro no contexto escolar, indica que o enfermeiro acrescenta em sua formação uma responsabilidade social, e deve utilizar de suas habilidades para promover saúde, independente do espaço físico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Élida Ferreira Torga Rosa, IF Sudeste MG

Bacharel em Enfermagem, especialização em Formação pedagógica para Enfermeiros.

Isabella Cristina Moraes Campos, IF Sudeste MG

Bacharel em Enfermagem, mestrado em Psicologia

Ernani Coimbra Oliveira, IF Sudeste MG

Bacharel em Enfermagem, mestrado em Enfermagem e Doutorado em Estudos da Linguagem (em curso)

Isabel Cristina Adão, IF Sudeste MG

Bacharel em Enfermagem, mestrado em Enfermagem e Doutorado em Estudos da Linguagem ( em curso)

Referências

Brasil (2007). Decreto n.º 6.286, de 05 de dezembro de 2007. Institui o Programa de Saúde na Escola – PSE, e dá outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

Brasil (1996). Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília. 1996. Disponível em: <:http://www.mec.gov.br/sef/pcn.shtm>. Acesso em 15 outubro 2015.

Brasil (1999). Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais/ Ensino Fundamental: Orientação sexual. Brasília.

Brasil (2001). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação. Resolução CNE/ CES Nº 3, de 7 de novembro de 2001. [online]. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/sesu/diretriz.htm> Acesso em 15 outubro 2015.

Brasil (2007). Ministério da Saúde. Escolas promotoras de saúde: experiências no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, v. 6.

Brasil (2002). Ministério da Saúde. As cartas da Promoção da Saúde. Brasília: MS, 2002. Recuperado em 15 de outubro de 2015, de http://www.saude.gov.br/con_tratados.html

Brasil (2008). Ministério da Saúde. Portaria nº 1.927/GM, de 17 de setembro de 2008, publicada no Diário Oficial da União nº 181, de 18 de setembro de 2008, Seção 1, p. 59.

Brasil (2011). Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 3.696, de 25 de novembro de 2012, publicado no Diário Oficial da União nº 152, de 08 de agosto de 2011, Seção 1, p. 49.

Brasil (2011). Ministério da Saúde. Portaria nº 104, de 25 de janeiro de 2011. Dispões publicado no Diário Oficial da União nº 18, de 26 de janeiro de 2011, Seção 1, p. 37.

Portugal (2006). Ministério da Saúde. Despacho n.º 12.045/2006, de 7 de Junho de 2006. Institui o Programa Nacional de Saúde do Escolar. Recuperado em 24 de agosto de 2015, de http://observatorio-lisboa.eapn.pt/ficheiro/Programa-Nacional-de-Sa%C3%BAde-Escolar-2015.pdf

Organização Panamericana de Saúde (1986). Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde–1986. Carta de Ottawa. Recuperado em 23 de agosto de 2015, de http://www.opas.org.br/promocao/upladArq/ottawa

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2008 (2008). Rio de Janeiro: IBGE, v. 29. Recuperado em 12 de agosto de 2015, de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/brasilpnad2008.pdf

Projeto de Lei n.º 1616/11, de junho de 2011. Dispõe sobre a obrigatoriedade de manutenção de um profissional da área de enfermagem, enfermeiro ou técnico de enfermagem, nas unidades da rede pública de creches e escolas de educação infantil, e dá outras providências. Recuperado em 04 de setembro de 2015, de http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=889783

Rasche, A. S. (2008). A atuação do enfermeiro escolar em projetos de promoção da saúde no Ensino Fundamental: O caso da 3ª Coordenadoria Regional de Educação no Rio Grande do Sul. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Downloads

Publicado

2017-11-14

Como Citar

Rosa, Élida F. T., Moraes Campos, I. C., Oliveira, E. C., & Adão, I. C. (2017). CONSIDERAÇÕES SOBRE A ENFERMAGEM NA SAÚDE ESCOLAR E SUAS PRÁTICAS EDUCATIVAS. HOLOS, 5, 360–369. https://doi.org/10.15628/holos.2017.3644

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)