INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NAS UNIDADES PRISIONAIS: BRASIL X ESTADOS UNIDOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.4815

Palavras-chave:

estudo de caso, inovação, justiça

Resumo

A utilização de recursos tecnológicos em penitenciárias com objetivo de aumento de segurança e melhor operacionalização tem sido processos recorrentes nos sistemas prisionais de todo mundo. Ações como estas são de fundamental importância para resolução de problemas como superlotação, segurança e diminuição de custos. Detectar os recursos tecnológicos da unidade prisional de Catalão (GO) e comparar à unidade prisional de Graterford, nos Estados Unidos, diz respeito à busca principal deste estudo. Para realizar a presente pesquisa, adotou-se por meio de entrevistas com servidores públicos uma abordagem qualitativa, exploratório-descritivo. Ficou comprovada a existência de equipamentos inovadores; entretanto se os dados coletados forem comparados com a Penitenciaria de Graterford, ainda apresentam enorme déficit, tanto em números quanto em tecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

André Carlos Silva, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Engenharia de Minas (2000), mestrado em Engenharia Mineral (2003), doutorado em Engenharia de Materiais (2010) pela Universidade Federal de Ouro Preto e Pós-doutorado (2015) na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bolsista de Pós-Doutorado da CAPES na Technische Universität Clausthal - 88881.119296/2016-01. Bolsista de Produtividade Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora do CNPq - Nível 2. Professor Adjunto IV da UAE de Engenharia da Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão. Possui experiência em Engenharia de Minas e de Materiais, com ênfase em Tratamento de Minérios, atuando nas seguintes áreas: simulação computacional, automação industrial e equipamentos de tratamento de minérios. É editor associado da Revista Tecnologia em Metalurgia, Materiais e Mineração (ABM) na área de Mineração e revisor das revistas: African Journal of Business Management, American Association for Science and Technology, Anais da Academia Brasileira de Ciências, Espaço em Revista, Exacta, Holos, Revista de Ciência e Tecnologia do Vale do Jequitinhonha, REM Revista Escola de Minas e Tecnologia em Metalurgia, Materiais e Mineração.

Referências

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado em 5 de junho, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Corrêa Junior, A. (2012). Monitoramento eletrônico de penas e alternativas penais (Tese de doutorado). Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em 5 de junho, 2016, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2136/tde-20062013-132709/pt-br.php

Da Silva, A. A. G., & Sanchez, P. L. P. (2008). Bloqueio de celulares em penitenciárias: um paralelo entre Brasil e EUA. Revista da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo, 14, 45-61. Recuperado em 8 de março, 2018, de https://revistas.direitosbc.br/index.php/fdsbc/article/view/188/13 Decreto n. 1.093 de 23 de março de 1994. Regulamenta a Lei Complementar nº 79, de 7 de janeiro de 1994, que cria o Fundo Penitenciário Nacional (FUNPEN), e dá outras providências. Recuperado em 5 de junho, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D1093.htm Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Recuperado em 31 de maio, 2016, de http://www.justice.gov

Duarte Junior, A. P., & Menezes, M. (2015). Monitoramento eletrônico: uma alternativa para crise vivida pelo Sistema Penitenciário Brasileiro. Revista FSA, 12(04), 68-86. Recuperado em 5 de junho, 2016, de http://dx.doi.org/10.12819/2015.12.4.5

Fabris, L. R. (2010). Monitoramento eletrônico de presos. Revista Jus Navigandi, 15(2594). Recuperado em 5 de junho, 2016, de https://jus.com.br/artigos/17136/monitoramento-eletronico-de-presos/3

Goldenberg, M. (1997). A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record.

Instituto Nacional de Justiça. Recuperado em 25 de maio, 2016, de http://www.nij.gov/Pages/welcome.aspx

Ministério da Justiça. Sistema Prisional Execução Penal » Sistema Prisional » Informações InfoPen. Recuperado em 5 de junho, 2016, de http://portal.mj.gov.br/data/Pages/MJD574E9CEITEMID364AC56ADE924046B46C6B9CC447B586PTBRIE.htm

Neto, J. A. S. de P. (2014). Ações de Inclusão Digital nas Instituições Penitenciárias do Brasil e da Espanha: um estudo comparado. Revista Informação e Sociedade, 24(03), 65-80. Recuperado em 5 de junho, 2016, de http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/18237

Santana, E. J. M. (2015). A utilização de tecnologias no sistema carcerário brasileiro como forma de fiscalização auxiliar no efetivo cumprimento da pena. Jurisway. Recuperado em 5 de junho, 2016, de http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=14462

Saunders, M., Lewis, P., & Thornhill, A. (2000). Research methods for business students (2nd ed.). Essex: Pearson Education Ltd.

Severino, A. J. (1993). Metodologia do trabalho científico. São Paulo, SP: Cortez.

Souza, I. C. B. de, Cisse Ba, S. A., Castro, P. A. de, Andrade, M. S., Fritsche, T. R. L., & Freitas Silva, P. de. (2015, agosto). O perfil sociodemográfico, acadêmico e laboral do agente de segurança prisional de Catalão (GO). Anais do Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa, Aracajú, SE, Brasil, 4. Recuperado em 5 de junho, 2016, de https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2015/article/view/140/136

Downloads

Publicado

11/06/2018

Como Citar

Castro, J. H. D., Neves, F. T., Camargo, V. H., Silva, A. C., & Barros, M. R. (2018). INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NAS UNIDADES PRISIONAIS: BRASIL X ESTADOS UNIDOS. HOLOS, 2, 161–169. https://doi.org/10.15628/holos.2018.4815

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>