PRODUÇÃO DE CONCENTRADO DE MAGNETITA POR JIGAGEM A PARTIR DO REJEITO DE ROCHA FOSFÁTICA

Autores

  • Raphael Silva Tomáz Instituto Federal Goiano
  • André Carlos Silva Universidade Federal de Goiás
  • Elenice Maria Schons Silva Universidade Federal de Goiás
  • Débora Nascimento Sousa Instituto Federal Goiano

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.3715

Palavras-chave:

areia, jigagem, magnetita, rocha fosfática.

Resumo

A magnetita (Fe3O4) é um óxido magnético de ferro natural formado por íons Fe+2 e Fe+3. É o mais comum mineral fortemente magnético, estando presente em pequenas quantidades em quase todas as rochas e também nos meteoritos. A nanotecnologia está largamente presente em todo nosso dia a dia. É possível encontrar diferentes aplicações nas mais diversas áreas da indústria: Eletroeletrônicos, metalurgia, cerâmicos, tintas, tecidos, indústria de polímeros, medicina entre outras. Atualmente a Anglo American Fosfatos do Brasil não produz magnetita, mas possui uma produção de rejeito de 2 Mt (milhões toneladas) com teores de magnetita por volta de 40%, na granulometria de 2 mm, sendo esse material enviado integralmente para a barragem de rejeito. O aproveitamento desse material, dada uma recuperação de 60%, traria um crescimento de 78,5 milhões de dólares no PIB do estado. A maior parte da produção de ferro do Brasil é feita por flotação, sendo que tal tipo de produção prejudica a utilização da magnetita, especificamente, para a produção de ferrofluidos nanomagnéticos, devido a enorme quantidade de produtos químicos, principalmente surfactantes, envolvidos na etapa de flotação. Contudo o objetivo desse trabalho é obter um concentrado de magnetita proveniente do rejeito da produção de rocha fosfática por jigagem, para que a mesma possa ser usada na produção de ferrofluidos. Os resultados da utilização do jigue como separador dos minerais são satisfatórios na produção de magnetita para ferrofluidos como coproduto da produção de concentrado de rocha fosfática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

André Carlos Silva, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Engenharia de Minas (2000), mestrado em Engenharia Mineral (2003) e doutorado em Engenharia de Materiais (2010) pela Universidade Federal de Ouro Preto e Pós-doutorado (2012) em andamento no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica, Materiais e de Minas (PPGEM) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é professor Adjunto II do Departamento de Engenharia de Minas da Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão e Coordenador do Curso de Especialização em Tratamento de Minérios. Tem experiência na área de Engenharia de Minas, com ênfase em Tratamento de Minérios, atuando nas seguintes áreas: simulação computacional, automação industrial e equipamentos de tratamento de minérios. É editor associado da Revista Tecnologia em Metalurgia, Materiais e Mineração (ABM) e revisor das revistas: Espaço em Revista, Exacta, Revista Escola de Minas (REM) e Revista de Ciência e Tecnologia do Vale do Jequitinhonha.

Referências

BRASIL. Departamento Nacional de Produção Mineral. Anuário Mineral Brasileiro. Brasília: DNPM, 2014.

BURT, R.O. Gravity Concentration Technology. Amsterdam: Elsevier,1984.

COSTA, T.C.C. Síntese de nanopartículas de magnetita via decomposição térmica em meio não-aquoso. UFRN, 2013.

LINS, F.A.F. Concentração gravítica. In: DA LUZ, A.B; SAMPAIO, J.A; FRANÇA, S.C.A. Tratamento de Minérios. Rio de janeiro: CETEM/MCT, 2010. 5ª Ed. Cap. 8. P. 329-366.

SAMPAIO, C.H; TAVARES, L.M.M. Beneficiamento Gravimétrico. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.

WILLS, B.; NAPPIER T. M. Mineral Processing Technology. 2006.

Downloads

Publicado

24/12/2015

Como Citar

Tomáz, R. S., Silva, A. C., Silva, E. M. S., & Sousa, D. N. (2015). PRODUÇÃO DE CONCENTRADO DE MAGNETITA POR JIGAGEM A PARTIR DO REJEITO DE ROCHA FOSFÁTICA. HOLOS, 7, 72–79. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3715

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)