EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA NO ENSINO PROFISSIONAL: DESAFIOS E EXPERIÊNCIAS NUMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO

Danilo Cortez Gomes, Luciano Alexandre de Farias Silva

Resumo


A educação empreendedora é uma ferramenta importante a ser disseminada entre as instituições de ensino, especialmente aquelas que atuam na educação profissional. Assim, o objetivo desse estudo foi diagnosticar e analisar a percepção dos alunos em relação às suas experiências nesta instituição, dentre estas, com a disciplina Gestão Organizacional. O empreendedorismo jovem no sentido amplo, em que exemplos práticos e ferramentas úteis são apresentados e utilizados pelos alunos, apresenta-se como forma de inclusão de jovens no mercado de trabalho e em contrapartida é fator preponderante para promoção do desenvolvimento socioeconômico brasileiro (LIMA-FILHO, SPROESSER e MARTINS, 2009; BULGACOV, 2010). Nesse sentido, esta pesquisa de natureza exploratória e descritiva utilizou um questionário com perguntas abertas e fechadas para a coleta de dados, seguido por uma análise quantitativa e qualitativa. Os questionários foram aplicados junto aos alunos dos cursos técnico integrado em alimentos e informática (nível médio – turmas concluintes do 4º ano) nos anos de 2012, 2013 e 2014 do IFRN – Campus Currais Novos, que cursaram a disciplina Gestão Organizacional, totalizando 215 alunos que compuseram o universo pesquisado. Os resultados indicaram que a experiência na instituição, bem como com a didática utilizada na disciplina, foram positivas.


Palavras-chave


Empreendedorismo; educação empreendedora; ensino profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa, F. H., Filho & Pessoa, S. (2006). Retorno da educação no Brasil. São Paulo: Instituto Futuro Brasil.

Barreto, L. P. (1998). Educação para o empreendedorismo. Salvador: Escola de Administração de Empresas da Universidade Católica de Salvador.

Benson, G. L. (1993). Thoughts of an entrepreneurship chairholder model entrepreneurship curriculum. Journal of Applied Business Research, 9(1).

Boava, D. L. T., & Macedo, F. M. F. (2006). Estudo sobre a essência do empreendedorismo. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, 30.

Brasil, Ministério da Educação. (2016) Expansão da Rede Federal. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: . Acesso em: 18 Abr. 2016.

Britto, F., & Wever, L. (2004). Empreendedores brasileiros: a experiência e as lições de quem faz acontecer. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bulgacov, Y. L. M., et al. (2010). Jovem empreendedor no Brasil: a busca do espaço da realização ou a fuga da exclusão? Revista de Administração Pública, 45(3).

Degen, R. J. (1989). O empreendedor: fundamentos da iniciativa empresarial. São Paulo: McGraw-Hill.

Dolabela, F. (1999). O Ensino de Empreendedorismo no Brasil: Uma Metodologia Revolucionária. São Paulo: Fundação Vanzolino.

_________. (1999). Oficina do Empreendedor: A metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura Editores Associados.

Dolabela, F., & Filion, L. J. (2013). Fazendo revolução no Brasil: a introdução da pedagogia empreendedora nos estágios iniciais da educação. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 3(2).

Drucker, P. F. (1986). Inovação e Espírito Empreendedor: Prática e Princípios. São Paulo: Cengage Learning.

Filion, L. J. (1991). O planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: Identifique uma visão e avalia o seu sistema de relações. Revista de Administração de Empresas, FGV, São Paulo, jul./set.

______. (1993). Visão e relações: elementos para um metamodelo empreendedor. Revista de Administração de Empresas, 33(6).

______. (1999). Diferenças entre sistemas gerenciais de empreendedores e operadores de pequenos negócios. Revista de Administração de Empresas, 39(4).

______. (2003). Um roteiro para desenvolver o empreendedorismo. Recife: IEL.

______. (2004). Operators and visionaries: differences in the entrepreneurial and managerial systems of two types of entrepreneurs. International Journal of Entrepreneurship and Small Business, 1(1), pp. 35–55.

Global Entrepreneurship Monitor. (2005). Empreendedorismo no Brasil 2004: Sumário Executivo. Curitiba: SEBRAE.

Gomes, et al. (2014). Empreendedorismo Jovem: da escola para o mercado de trabalho. Revista Holos, 5(30).

Hengemüle, A. (2014). Desafios educacionais na formação de empreendedores. Porto Alegre: Penso.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2005). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Brasília.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2011). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Brasília.

Instituto da Cidadania. (2004). Projeto Juventude – versão inicial para discussão, complementação e ajustes. São Paulo.

Junior, J. B. C., et. al. (2006). Empreendedorismo e educação empreendedora: confrontação entre a teoria e prática. Ciências da Administração, 8(15).

Lima-Filho, D. O., Sproesser, R. L., & Martins, E. L. C. Empreendedorismo e Jovens Empreendedores. (2009). Revista de Ciências da Administração, 11(24).

Lopes, R. M. A. (2010). Educação empreendedora: conceitos, modelos e práticas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Mendes, J., & Filho, I. Z. (2012). Empreendedorismo para Jovens: ferramentas, exemplos reais e exercícios para alinhar a sua vocação com o seu projeto de vida. São Paulo: Atlas.

Rocha, S. (2008). A Inserção dos Jovens no Mercado de Trabalho. Caderno CRH, 21(54).

SEBRAE. (2004). Fatores condicionantes de taxa de mortalidade de empresas no Brasil. Relatório de Pesquisa. Brasília: SEBRAE.

Silva, M. A. B. (2011). Jovens Adolescente e a Inserção ao Mundo de Trabalho: Influências e Percepções. Anais do Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais, Salvador, BA, Brasil, 11.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5264



 

HOLOS IN THE WORLD