EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA OS JOVENS NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS DA 1ª DÉCADA DO SÉCULO XXI

Erika Silva Lima, Francisca Natália da Silva, Lenina Lopes Soares Silva

Resumo


No Brasil são considerados jovens os cidadãos e cidadãs com idade compreendida entre os 15 e os 29 anos. São sujeitos de direitos e deveres e devem ter sua autonomia e identidade respeitadas. Na sociedade brasileira a maioria dos jovens das classes menos favorecidas economicamente já assume responsabilidades ligadas à provisão do próprio domicílio. Assim sendo, são vários os jovens que não concluem a Educação Básica, ou tem negada a possibilidade de ingressar no Ensino Superior. Para esses jovens poderiam ser oferecidas condições e oportunidades de acesso à Educação Profissional articulada à Educação Básica. É nesse sentido que se discute, neste artigo, a Educação Profissional para os jovens no Brasil, com ênfase nas políticas educacionais, articuladas à Educação Básica desenvolvidas na 1ª década do século XXI. Para tanto, foi realizada uma pesquisa documental nos principais documentos orientadores das políticas e dos programas voltados para Educação Profissional e também, uma pesquisa bibliografia, embasada principalmente em: Oliveira (2012) Moura (2012), Venturi e Abramo (2000) e Frigotto, Ciavatta e Ramos (2005). Fez-se ainda, um levantamento sobre matrículas de jovens na Educação Profissional, nos Censos Escolares de 2000 a 2010, disponibilizados no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Os programas de Educação Profissional articulados à Educação Básica encontrados no período em estudo são políticas públicas de educação, trabalho e qualificação para os jovens brasileiros, especificamente, para aqueles que estão em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Palavras-chave


Políticas Educacionais; Educação Profissional; Jovens Brasileiros

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Luseni Maria C. de. Introdução. A juventude como foco das políticas públicas. In: CASTRO, Jorge Abrahão de. et al (Org.). Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: IPEA, 2009 p. 23-39.

ARAÚJO, Ronaldo Marcos de Lima. ALVES, João Paulo da Conceição.Juventude, Trabalho e Educação: questões de diversidade e classe das juventudes na Amazônia. Disponível em: http://www.anpae.org.br/simposio26/1comunicacoes/RonaldoMarcosdeLimaAraujo-ComunicacaoOral-int.pdf. Acesso em: agosto de 2014.

AZEVEDO, Janete Lins de. Programas federais para a gestão da educação básica: continuidades e mudanças. RBPAE, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p.211-232, maio/ ag. 2009.

BATISTTOTI, Édna Corrêa; JUNIOR, Geraldo Grossi; GARCIA, Sandra Regina de Oliveira. As redes estaduais de ensino e a construção de uma política nacional de educação profissional. IN: Moll, Jaqueline (Org.). Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Armed, 2010.

BRASIL, Programa Brasil profissionalizado. Manual de orientação de preenchimento da situação escolar. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=13790&Itemid=993.Acesso em junho de 2014.

_______. Programa de Educação profissional Integrada à Educação Básica na Modalidade de Jovens e Adultos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br.Acesso em fevereiro de 2014.

_______. Programa Ensino Médio Inovador Documento Orientador (2014). Disponível em: www.mec.gov.br. Acesso em fevereiro de 2014.

______. Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: 23 de julho de 2004.

_____. Decreto nº. 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os artigos 39 a 42 da Lei federal nº. 9.394/96. Brasília, DF: 17 de abril de 1997.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise (Org.). Ensino médio integrado: concepções e contradições. São Paulo Cortez, 2005.

GRABOWSKI, Gabriel; RIBEIRO, Jorge Alberto Rosa. Reforma, legislação e financiamento da educação profissional no Brasil. In: MOLL, Jaqueline (Org.). Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: Desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010, 312p.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO Teixeira. Censo da Educação Profissional 2010. Brasília. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/censo/2010/divulgacao_censo2010_201210.pdf

KUENZER, Acácia Zeneida (Org.). Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Básica, 2009. Brasília, DF, 2009. Disponível em: . Acesso em: 6 nov. 2014.

MOURA, Dante Henrique. Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Anais. 30ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu: ANPED, 2007.

OLIVEIRA, Ramon de. (Org.) Jovens, ensino médio e educação profissional: políticas públicas em debate. Campinas: 2012.

RAMOS, Marise. Educação tecnológica como política de Estado. In: OLIVEIRA, Ramon de. (Org.) Jovens, ensino médio e educação profissional: políticas públicas em debate. Campinas: 2012.

SANTOS, Pablo Silva Machado Bispo. Guia prático da política educacional no Brasil: ações, planos, programas e impactos. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

VENTURI, Gustavo; ABRAMO Helena. Juventude, política e cultura. Publicado em Teoria e Debate, revista da Fundação Perseu Abramo, nº 45, jul/ago/set. São Paulo, 2000.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.3185



 

HOLOS IN THE WORLD