Análise de riscos de acidentes de trabalho em uma indústria de bolachas

Autores

  • Róger Gorski Cadó Programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia e Segurança do Trabalho Universidade Franciscana (UFN). Conjunto III; Rua Silva Jardim, 1175. Santa Maria (RS) https://orcid.org/0000-0003-1563-3575
  • Rafael Pivotto Bortolotto Prof. Titular Prog. de Pós-Grad. Stricto Sensu: Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural (MPDR) - Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ) Cruz Alta - RS https://orcid.org/0000-0003-2102-2471
  • Ludmila Noskoski Salazar Prof. Adjunto Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária. Universidade de Passo Fundo (UPF) Passo Fundo - RS https://orcid.org/0000-0002-2981-4898
  • João Fernando Zamberlan Prof. Titular Prog. de Pós-Grad. Stricto Sensu: Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural (MPDR) - Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ). Cruz Alta - RS http://orcid.org/0000-0003-1707-2580
  • Rodrigo Fernando dos Santos Salazar Prof. Titular I Depto de Engenharia Ambiental e Sanitária. Centro de Ciências da Saúde e Agrárias (CCSA) - Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ). Cruz Alta - RS http://orcid.org/0000-0001-5808-4321

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.7081

Palavras-chave:

Análise de Risco Ambiental, Indústria de Alimentos, Risco ocupacional, Segurança do Trabalho

Resumo

Este trabalho objetivou em analisar, identificar e avaliar os riscos ambientais e ocupacionais de uma empresa de bolachas em Santiago, Rio Grande do Sul, bem como, sugerir medidas de mitigação dos riscos identificados. O levantamento de dados foi feito de forma quantitativa e qualitativa, conforme as Normas Regulamentadoras (NRs) do Ministério do Trabalho. Realizaram-se medições dos índices de exposição ao ruído (batedeira e amassadeira industrial) e ao calor (forno elétrico industrial). O níveis de ruído da batedeira e da amassadeira foram de 76,3 dB (A) e 78,7 dB (A), respectivamente. E as medições de temperatura foram de 26,2 ºC, quando a porta do forno está aberta e 25,8 ºC a temperatura do setor. Todas as medições estão dentro dos limites de tolerância estabelecidos pelas NRs, dispensando medidas de controle. Também foram identificados riscos de esmagamento (batedeira planetária) e queimadura (forno elétrico). A partir da análise dos riscos foi sugeridas melhorias para mitigação, cabendo ao empregador implantá-las.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Róger Gorski Cadó, Programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia e Segurança do Trabalho Universidade Franciscana (UFN). Conjunto III; Rua Silva Jardim, 1175. Santa Maria (RS)

Bacharel em Engenharia Ambiental e Sanitária pela Universidade Franciscana (UFN, 2014). Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho pela UFN (2015-2017). Consultor em Produção Mais Limpa na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI (2015-2016).

Rafael Pivotto Bortolotto, Prof. Titular Prog. de Pós-Grad. Stricto Sensu: Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural (MPDR) - Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ) Cruz Alta - RS

Possui graduação em Agronomia (UFSM, 2004), Mestrado em Agronomia (UFSM, 2007) e Doutorado em Ciências: Fitotecnia (ESALQ/USP, 2011). É revisor dos periódicos Engenharia na Agricultura, Revista Ceres, Revista Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão e Ciência & Tecnologia. Professor adjunto da Universidade de Cruz Alta, atua no curso de graduação de Agronomia e no Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural. Na pesquisa científica, atua na área de fisiologia de sementes, manejo do solo e culturas agrícolas. Interage com pesquisadores dos grupos: Produção Agrícola Sustentável (UNICRUZ), Manejo do Solo (UFSM) e Aplicações da Energia Nuclear em Física do Solo (USP).

Ludmila Noskoski Salazar, Prof. Adjunto Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária. Universidade de Passo Fundo (UPF) Passo Fundo - RS

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de Passo Fundo (2003), mestrado em Zootecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006) e doutorado em Engenharia de Alimentos pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2016). Atualmente é Professora Adjunta I da Universidade de Cruz Alta. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Inspeção de Produtos de Origem Animal, atuando principalmente nos seguintes temas: análise de perigos e pontos críticos de controle (APPCC); boas práticas de fabricação (BPF); controle de qualidade (CQ).

João Fernando Zamberlan, Prof. Titular Prog. de Pós-Grad. Stricto Sensu: Mestrado Profissional em Desenvolvimento Rural (MPDR) - Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ). Cruz Alta - RS

Possui graduação em Engenharia Agronômica (2000) e Licenciatura Plena pelo Pespecial de Formação de Professores para Educação Profissional (2013) pela Universidade Federal de Santa Maria. Possui Mestrado (2007) e Doutorado (2011) em Engenharia Agrícola área de concentração Engenharia de Água e Solo pela Universidade Federal de Santa Maria. Pós doutor em Administração de empresas pela UFSM (2013). Professor Titular I da Universidade de Cruz Alta e Pesquisador nos Grupos de Pesquisa e Estudos em Estratégias, Inovação e Sustentabilidade e de Recursos Hídricos na Agricultura da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) bem como do Grupo de Estudos em Agronegócios e Desenvolvimento junto a Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS). Professor do Mestrado em Desenvolvimento Rural onde ministra as disciplinas de Gestão do Agronegócio e Qualidade e Certificação da Cadeia Produtiva. Atua principalmente nos seguintes temas: qualidade da água, irrigação, agronegócios, inovação, sustentabilidade e educação.

Rodrigo Fernando dos Santos Salazar, Prof. Titular I Depto de Engenharia Ambiental e Sanitária. Centro de Ciências da Saúde e Agrárias (CCSA) - Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ). Cruz Alta - RS

Possui graduação em Engenharia Bioquímica pela Universidade de São Paulo (2006), mestrado em Engenharia Química pela Universidade de São Paulo (2009) e doutorado em Química pela Universidade Federal de São Carlos (2013). Atualmente é Professor Titular I da Universidade de Cruz Alta. Pesquisador visitante da Universidade de São Paulo. Conselheiro - Prefeitura Municipal de Cruz Alta. Professor Visitante da Universidade Franciscana, Professor Colaborador da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Engenharia Sanitária, com ênfase em Técnicas Avançadas de Tratamento de Águas, atuando principalmente nos seguintes temas: engenharia química, efluente, fotocatálise, processos oxidativos avançados e engenharia ambiental & sanitária

Referências

ABIP. Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria. Indicadores do setor. (2015). recuperado de: http://www.abip.org.br/site/sobre-o-setor-2015/

Almeida, I. M.; Gonçalves Filho, A. P. (2009). Análise de acidentes do trabalho, gestão de segurança do trabalho e gestão de produção. InterfacEHS-Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade, 4(1). Recuperado de: http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/wp-content/uploads/2013/07/art-1-2009-1.pdf.

Araújo, G. R., de. (2008). Consequências sociais do acidente de trabalho: Experiências, narrativas e reestruturação da vida cotidiana de trabalhadores que sofreram acidentes ocupacionais graves em Salvador – Bahia – Brasil. 174p. Dissertação (Mestrado de Saúde Coletiva) – Curso de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Intituto Federal da Bahia, Bahia. Recuperado de: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/15225

Brasil, Ministério do Trabalho. (2017a). Norma Regulamentadora Nº 06 – Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Recuperado de: http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR6.pdf

Brasil, Ministério do Trabalho. (2017b). Norma Regulamentadora Nº 09 – Programas de Prevenção de Riscos Ambientais. Recuperado de: http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR09/NR-09-2016.pdf

Brasil, Ministério do Trabalho. (2018). Norma Regulamentadora Nº 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos. recuperado de: http://www.trabalho.gov.br/images//Documentos/SST/NR/NR12/NR12.pdf

Brasil, Ministério do Trabalho. Norma Regulamentadora Nº 15 – Atividades e Operações Insalubres. (2014a). Recuperado de: http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR15/NR15-ANEXO15.pdf

Brasil. Ministério do Trabalho. Norma Regulamentadora Nº 17 – Ergonomia. (2007). Recuperado de: http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR17.pdf

Brasil, Ministério da Previdência Social. (2014b) Anuário Estatístico da Previdência Social 2014 - AEPS. Recuperado de: http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2016/07/AEPS-2014.pdf

Brown, A. E. P. (1998). Análise de risco, Boletim Técnico, 1(3), 1-7. Recuperado de: http://www.lmc.ep.usp.br/grupos/gsi/wp-content/boletim/3-1.pdf.

Chagas, D. (2014). Cultura de Segurança e Acidentes de Trabalho. Fatores determinantes dos acidentes de trabalho na Administração Local: estudo caso no Distrito de Leiria. Lisboa: Chiado Editora. Recuperado de: fonte impressa.

Gonçalves Filho, A. P.; Andrade, J. C. S.; Marinho, M. M. O. (2013). Modelo para a gestão da cultura de segurança do trabalho em organizações industriais. Produção, 23(1), 178-188. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/prod/v23n1/aop_t6_0004_0503.pdf. doi: 10.1590/S0103-65132012005000044

Gonçalves Filho, A. P.; Ramos, M. F. (2015). Acidente de trabalho em sistemas de produção&58; abordagem e prevenção. Gestão & Produção, 22(2), 431-442. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/gp/v22n2/0104-530X-gp-22-2-431.pdf. doi: 10.1590/0104-530X857-13

Marques, J. L. G.; Bortoncello, E. Exercício legal para elaboração de PPRA, Parte 1. (2007). Conselho em Revista: Revista Mensal do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio Grande do Sul, 1(37) 32. Recuperado de: fonte impressa

Mearns, K.; Whitaker, S. M.; Flin, R. (2003). Safety climate, safety management practice and safety performance in offshore environments. Safety science, 41(8), 641-680. Recuperado de: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0925753502000115. doi: 10.1016/S0925-7535(02)00011-5

OIT-Brasil (Organização Internacional do Trabalho - Brasil). (2002). Prevenção de acidentes industriais maiores. Fundação Jorge Duprat e Figueiredo - FUNDACENTRO (Org.): Brasília. 122p.

Pastore, J. O custo dos acidentes e doenças do trabalho no Brasil. (2011). Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo. (Palestra). Recuperado de: http://www.josepastore.com.br/artigos/rt/rt_320.htm

Downloads

Publicado

23/02/2020

Como Citar

Cadó, R. G., Bortolotto, R. P., Salazar, L. N., Zamberlan, J. F., & Salazar, R. F. dos S. (2020). Análise de riscos de acidentes de trabalho em uma indústria de bolachas. HOLOS, 2. https://doi.org/10.15628/holos.2020.7081

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)