RISCOS PSICOSSOCIAIS NA SAÚDE MENTAL DE POLICIAIS MILITARES

Autores

Palavras-chave:

Polícia Militar, Saúde Mental, Risco Psicossocial, Segurança Pública, Trabalho

Resumo

A relação entre o trabalho e o sujeito tem evidenciado cada vez mais os riscos psicossociais no campo laboral. Diante da complexidade das tarefas que permeiam a vida do policial militar e a eminente ameaça à vida que se mostra inerente à natureza do seu trabalho, é importante compreender os riscos psicossociais do trabalho desses agentes da segurança pública. Para tanto, esta pesquisa buscou avaliar a adaptabilidade do Protocolo de Avaliação dos Riscos Psicossociais no Trabalho (PROART) junto a policiais militares da 1ª Região da Polícia Militar de Santa Catarina (RPM) e sua correlação com transtornos mentais e comportamentais. A pesquisa utilizou método misto cujos dados quantitativos (n=229) foram coletados com por meio do  Self-Report Questionnaire-20 (SQR-20) e do PROART. Os dados qualitativos foram coletados em dois grupos focais. Foi evidenciado que 1/5 da amostra apresenta sofrimento mental significativo. Dentre os principais riscos do trabalho associados ao sofrimento mental estão a participação nas decisões do trabalho; flexibilização das normas; e desgaste e cansaço do trabalho. A amostra apresentou resultados de danos psicológicos, físicos e sociais como mau-humor e sentimento de tristeza, alterações de sono, dores no corpo, impaciência com as pessoas e o desejo de ficar só. O PROART mostrou-se capaz de mapear os riscos psicossociais no trabalho de policiais militares da capital catarinense associados ao sofrimento mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Diego Remor Moreira Francisco, Polícia Militar de Santa Catarina

Biografia: Psicólogo, Mestre em Psicologia Organizacional e do Trabalho. Tenente Coronel na Polícia Militar de Santa Catarina. Pesquisador na área de segurança pública com ênfase na atividade policial.

Ana Paula Grillo Rodrigues, Universidade Estadual de Santa Catarina

Biografia: Psicóloga, Dra na Área de Gestão do Comportamento Organizacional. Professora de Esag/ Universidade do Estado de Santa Catarina. Pesquisadora na Área de Segurança Pública.

Gustavo Klauberg Pereira, Polícia Militar de Santa Catarina

Biografia: Psicólogo, Mestre na área de Psicologia Organizacional e do Trabalho. Psicólogo na Polícia Militar de Santa Catarina. Pesquisador na Área de Segurança Pública.

Referências

Amador, F. S. (2002). Violência policial: verso e reverso do sofrimento. Belo Horizonte, MG: Edunisc.

Baruki, L. V. (2017). Saúde mental e trabalho: uma proposta de norma regulamentadora sobre os riscos psicossociais no trabalho a partir de reflexões sobre os sistemas francês e brasileiro (tese de doutorado). Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo. Disponível em: <http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3135>. Acessado em: 01 Jun. 2018.

Bezerra, C. M., Minayo, M.C.S., Constantino, P. (2013). Estresse ocupacional em mulheres policiais. Ciência & Saúde Coletiva , 18 (3), 657-666. <https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000300011>.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.

Brasil (2001). Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde

Campos, H. et al. (2014). Avaliação dos riscos psicossociais relacionados ao trabalho no Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (Monografia de Especialização em Clínica Psicodinâmica do Trabalho e Gestão do Estresse). Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: < http://bdm.unb.br/handle/10483/9806>. Acessado em: 06 abr 2018.

Carvalho, P.L.(2016). Mapeamento dos riscos psicossociais relacionados ao trabalho em policiais do 6º Batalhão de Polícia Militar do estado do Tocantins (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Tocantins, Palmas. Disponível em <http://hdl.handle.net/11612/245>. Acessado em 29 Abr 2017.

Castro, M. C. A., & Cruz, R. M. (2015). Prevalência de Transtornos Mentais e Percepção de Suporte Familiar em Policiais Civis. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(2), 271-289.<https://dx.doi.org/10.1590/1982-370300702013>.

Collins, P.A,; Gibbs, A.C.C. (2003). Stress in police officers: a study of the origins, prevalence and severity of stress-related symptoms within a county police force. Occup Med (Lond),53(4), 255–63. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12815123>. Acessado em 21 mai 2017

Costa, M. (2007). Estresse: diagnóstico dos policiais militares em uma cidade brasileira. Rev Panam Salud Publica, 21(4),217-222. Disponível em: https://scielosp.org/article/rpsp/2007.v21n4/217-222/#ModalArticles. Acessado em 09 jun 2020.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Cruz, R. M. (2017). Perícia psicológica no contexto do trabalho. São Paulo: Vetor.

Dejours, C. (1992). A Loucura do Trabalho: Estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Cortez.

Duarte, L. R. Estresse Policial: um estudo comparativo entre o BOPE e o 22º BPM da Polícia Militar de Santa Catarina (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Gesta?o Pu?blica). Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, Florianópolis. Disponível em <https://biblioteca.cbm.sc.gov.br/biblioteca/index.php/component/docman/doc_details/635-luiz-ricardo-duarte>. Acessado em 01 mai 2018

Elntib, S., & Armstrong, T. (2014). Critical incidents’ impact on front-line South African police personnel in light of the current briefing and debriefing strategies. S Afr J Psychol., 44(4), 416-25. https://doi.org/10.1177/0081246314529272

European Agency for Safety and Health at Work (EU-OSHA). (2007). Previsão dos peritos sobre os riscos psicossociais emergentes relacionados com a segurança e saúde no trabalho (SST) – Fact Sheet 74, Belgica. Disponível em: <https://osha.europa.eu/pt/tools-and-publications/publications/factsheets/74>. Acessado em: 20 Mai. 2017.

Facas, E.P. (2013). Protocolo de Avaliação dos Riscos Psicossociais no Trabalho-Contribuições da Psicodinâmica do Trabalho (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/handle/10482/15420>. Acessado em: 23 de mai. 2017

Ferreira, D.K.S., Bonfim, C., & Augusto, L.G. (2011). Factors associated with the lifestyle of military police officers. Cien Saude Colet., 16(8), 3403-12. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000900007

Fonseca, D.M., Silva, M.O., & Silva, R.J.N (2014). A Organização do Trabalho e os Riscos Psicossociais na Polícia Militar do Distrito Federal (Monografia de Especialização em Clínica Psicodinâmica do Trabalho e Gestão do Estresse). Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: <http://bdm.unb.br/bitstream/10483/9780/1/2014_DileneMeloFonseca_MarlydeOliveira%20Silva_RicardoJoseNavesSilva.pdf>. Acessado em 07 abr 2018.

Han, M., Park, S., Park, J.H., Hwang, S-s., Kim, I. (2018). Do police officers and firefighters have a higher risk of disease than other public officers? A 13-year nationwide cohort study in South Korea. BMJ Open., 8(1). doi:10.1136/bmjopen-2017-019987

Instituto Sindical de Trabajo, Ambiente y Salud (ISTAS). (2013). La prevención de riesgos en los lugares de trabajo - Guía para una intervención sindical. Org. CALERA, A. A. C. C. et al. Ed.6 rev. y act., Madrid. Disponível em: <http://www.istas.ccoo.es/descargas/La%20prevenci%C3%B3n%20de%20riesgos%20en%20los%20lugares%20de%20trabajo%202014.pdf>. Acessado em: 20 Mai. 2017.

International Labour Organisation (1984). Psychosocial factors at work: recognition and control. Report of the Joint ILO/ WHO Committee on Occupational Health. Ninth Session, Geneva, 18-24 September, 1984. Geneva; 1986. (Occupational Safety and Health Series, 56). Disponível em: <http://www.ilo.org/public/libdoc/ilo/1986/86B09_301_engl.pdf>. Acessado em: 20 Mai. 2017.

Kim, Y., Ahn, Y., Kim, K., et al. (2016). Association between job stress and occupational injuries among Korean firefighters: a nationwide cross-sectional study. BMJ Open, 6 (11): e012002. doi: 10.1136/bmjopen-2016-012002

Laville, C., & Dione, J. (1999). A construção do saber: Manual de Metodologia da Pesquisa em Ciências Humanas. Porto Alegre: Artmed.

Lima, E.D.P., Assunção, A.A., Barreto, S.M. (2015). Prevalência de depressão em bombeiros. Cad. Saúde Pública, 31(4), 733-43. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00053414.

Lima, F.P.D., Blank, V.L.G., & Menegon, F.A. Prevalência de Transtorno Mental e Comportamental em Policias Militares/SC em Licença para Tratamento de Saúde. Psicol ciênc prof.,35(3), 824-40. http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703002242013.

Lipp, M.E.N., Costa, K.R.D.S.N., Nunes, V.D.O.(2017). Estresse, qualidade de vida e estressores ocupacionais de policiais: sintomas mais frequentes. Rev Psicol Organ Trab.,17(1), 46-53. https://dx.doi.org/10.17652/rpot/2017.1.12490

Liz, C.M., Cirimbelli, S.L., Arab, C., Silveira, V.M., Brandt, R., Itibere, C. V.D., & Andrade, A. (2014). Características ocupacionais e sociodemográficas relacionadas ao estresse percebido de policiais militares. Rev cuba med mil., 43, 467-80. Disponível em: < http://bvs.sld.cu/revistas/mil/vol43_4_14/mil07414.htm>. Acessado em 10 jun 2018.

Magalhães-Pinto, R. (2006). O trabalho nos faz violentos: uma análise dos fatores relacionados com o comportamento violento do policial militar. In W. Codo (Org.), Por uma psicologia do trabalho: ensaios recolhidos (215-254). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Martins, L.C., Lopes, C.S. (2012). Military hierarchy, job stress and mental health in peacetime. Occupational medicine, 62(3), 182-7. doi: 10.1093/occmed/kqs006

Minayo, M.C.S, Assis, S.G, & Oliveira, R.V.C. (2011). Impacto das atividades profissionais na saúde física e mental dos policiais civis e militares do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Ciência Saúde Coletiva, 16(4), 2199-209. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000400019

Minayo, M.C.S., Souza, E.R., & Constantino, P.(2008). Missa?o prevenir e proteger: condic?o?es de vida, de trabalho e sau?de dos policiais dos policiais militares do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FioCruz.

Miranda, D. (2016). Diagnóstico e prevenção do comportamento suicida na polícia militar do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mórula Editorial.

Moraes, L.F., Marques, A.L., Pereira, L.Z. (2000). Diagnóstico de qualidade vida e estresse no trabalho da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais [relatório de pesquisa]. Belo Horizonte: Núcleo de Estudos Avançados em Comportamento Organizacional / Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração/ Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2001-grt-359

Oliveira, K.L.D., Santos, L.M.D. (2010). Percepção da saúde mental em policiais militares da força tática e de rua. Sociologias, 12, 224-50. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222010000300009

Oliveira, A. F., & Souza, M.A.(2014). Confiança do empregado na organização: o impacto dos valores pessoais e organizacionais. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 14(2), 204-217. Recuperado em 29 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572014000200007&lng=pt&tlng=pt.

Oliveira, P.L.M.D., & Bardagi, M.P.(2009). Estresse e comprometimento com a carreira em policiais militares. Boletim de Psicologia, 59(131), 153-166. Recuperado em 29 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0006-59432009000200003&lng=pt&tlng=pt.

Pereira, G.K. (2017). Associação entre variáveis ocupacionais e prevalência em agravos à saúde em policiais e bombeiros militares de Santa Catarina (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/185475>. Acessado em 25 mai 2018

Pires, L. A. A., Vasconcellos, L.C.F., & Bonfatti, R.J. (2017). Bombeiros militares do Rio de Janeiro: uma análise dos impactos das suas atividades de trabalho sobre sua saúde. Saúde em Debate, 41(113), 577-590. https://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711318

Polícia Militar de Santa Catarina (1983). Lei nº 6.218, de 10 de fevereiro de 1983. Estabelece o estatuto dos policiais militares de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Disponível em: <http://www.pm.sc.gov.br/fmanager/pmsc/upload/dsps/ART_927398_2014_07_23_083233_l_6218_198.pdf>. Acessado em 12 jul 2017

Polícia Militar de Santa Catarina. Lei nº 6.218, de 10 de fevereiro de 1983. Estabelece o estatuto dos policiais militares de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Disponível em: <http://www.pm.sc.gov.br/fmanager/pmsc/upload/dsps/ART_927398_2014_07_23_083233_l_6218_198.pdf>. Acessado em 12 jul 2019

Portela, A; Bughay Filho, A.(2007). Nível de estresse em policiais militares: comparativo entre sedentários e praticantes de educação física. Efdeporte,11 (106). Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/28224995_Nivel_de_estresse_de_policiais_militares_comparativo_entre_sedentarios_e_praticantes_de_atividade_fisica

Rebouças, D., Abelha, L., Legay, L. F. & Lovisi, G. M. (2008) O trabalho em saúde mental: um estudo de satisfação e impacto. Caderno de Saúde Pública, 24(3), 624-632. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n3/16.pdf

Ruediger, M.A., & Riccio,V. (2006) In: Falcao Viera, M. M.; & Zouain, D. M. (Org.). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: FGV.

Santa Catarina (2010). Secretaria da Segurança Pública. Mapeamento das Fontes de Estresse em Profissionais da Segurança Pública do Estado de Santa Catarina. Florianópolis: DIFC/SSP – SENASP/MJ.

Schneider, D., Signorelli, M.C., & Pereira, P.P.G. (2017). Profissionais de segurança pública no litoral do Paraná, Brasil: intersecções de gênero, trabalho, violência (s) e saúde. Ciência & Saúde Coletiva , 22 (9), 3003-3011. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017229.07892016

Silva, M.B., &Vieira, S.B. (2008). O processo de trabalho do militar estadual e a saúde mental. Saúde e Sociedade, 17 (4),161-170. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000400016

Souza, Edinilsa Ramos de, Minayo, Maria Cecília de Souza, Silva, Juliana Guimarães e, & Pires, Thiago de Oliveira. (2012). Fatores associados ao sofrimento psíquico de policiais militares da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 28(7), 1297-1311. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000700008

Spode, Charlotte Beatriz e Merlo, Álvaro Roberto Crespo. (2006). Trabalho policial e saúde mental: uma pesquisa junto aos Capitães da Polícia Militar. Psicologia: Reflexão e Crítica , 19(3), 362-370. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722006000300004

Trad, Leny A. Bomfim. (2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19(3), 777-796. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000300013

Velden, P.G., Rademaker, A.R., Vermetten, E., Portengen, M.A., Yzermans, J.C., & Grievink, L. (2013). Police officers: a high-risk group for the development of mental health disturbances? A cohort study. BMJ Open., 3(1). Disponível em: < https://bmjopen.bmj.com/content/3/1/e001720>. Acessado em 22 mai 2018

Wickramasinghe, N.D., Wijesinghe, P.R., Dharmaratne, S.D., Agampodi, S.B. (2016) The prevalence and associated factors of depression in policing: a cross sectional study in Sri Lanka. SpringerPlus, 5(1), 1776. doi: 10.1186/s40064-016-3474-9.

World Health Organization. (1994). A user’s guide to the Self Reporting Questionnaire (SRQ). Geneva: World Health Organization. Geneva: Division of Mental Health (WHO). Disponível em: <https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjXk_2QoLnJAhWMrZAKHcqhBIIQFggeMAA&url=http://whqlibdoc.who.int/hq/1994/WHO_MNH_PSF_94.8.pdf&usg=AFQjCNG7lSWg3V1W>. Acessado em 13 mai 2017.

Downloads

Publicado

28/12/2022

Como Citar

Francisco, D. R. M., Rodrigues, A. P. G., & Pereira, G. K. (2022). RISCOS PSICOSSOCIAIS NA SAÚDE MENTAL DE POLICIAIS MILITARES. HOLOS, 8. Recuperado de https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/10379

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.