A REFORMA DO ENSINO MÉDIO: uma leitura crítica da Lei n. 13.415/2017 – adaptação ou resistência?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.7152

Palavras-chave:

Lei da reforma do Ensino Médio, Trabalho e formação docente, Educação Profissional

Resumo

A reforma do Ensino Médio aprovada pelo governo federal em 2017 requer uma leitura crítica quanto à forma centralizada em que foi concebida e aprovada pelo governo federal. Neste artigo, temos como principal questão a imposição prática de adaptar-se às suas determinações ou resistir à sua aplicação. As duas possibilidades dependem do tratamento que damos à realidade onde construímos nossas vidas, que são históricas e dialéticas. Adaptar-se ou resistir supõe compreender o movimento da vida social na totalidade das relações que constituem a própria reforma, as imposições dos termos da Lei e suas consequências para a formação e o trabalho docente na formação profissional. Supõe apreender o movimento da história, onde ocorre esta e outras reformas, como a trabalhista, o limite dos gastos públicos, o projeto de lei da escola “sem” partido, o desflorestamento, a violência no campo, na vida urbana. São aspectos que fazem parte do contexto econômico e político da Lei e das ações para resistir e subvertê-la. Elas não afetam apenas o ensino médio, mas também a vida e a formação dos professores, o exercício do magistério e as condições de autonomia didático-pedagógica das escolas. Nesta concepção de realidade, não temos respostas prontas, mas temos critérios para refletir sobre as opções e os caminhos que se fecham ou que se abrem aos nossos jovens estudantes, e para a formação e o trabalho docente. Em nossa reflexão, devemos abordar os seguintes aspectos: a história do trabalho e da educação no Brasil e a herança do pensamento escravista; as transformações contemporâneas do mundo do trabalho, o capitalismo dependente e a reforma da legislação trabalhista; o trabalho e a formação docente e a Lei da Reforma do Ensino Médio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

AZEVEDO, Dodô Azevedo. Cais do Valongo, o útero do país. O Globo, Rio, 12/07/2017, p. 17.

BARRETO, Eduardo et al. Generosidade com propósito. O Globo, País, dom., 16 de julho de 2017, p. 3.

BAVA, Silvio Caccia. Uma falsa polarização. Le Monde Diplomatique Brasil, ano 8, n. 93, abril de 2015, p. 3.

BOÉTIE, Étienne de la. Discurso da servidão voluntária. São Paulo: Edit. Nós, 2016 [1ª. ed. 1577].

BONIFICAÇÃO por resultados. SEE-RJ, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: www.educacao.rj.gov.br Acesso em 3-11-2012

CHALHOUB, Sidney; SILVA, Fernando T. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, v.14, n.26, p. 11-50, 2009

CIAVATTA, Maria. O trabalho docente e os caminhos do conhecimento: a historicidade da Educação Profissional. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

CIAVATTA, Maria. Qualificação, formação ou educação profissional. Pensando além da semântica. Contexto & Educação, IJUÍ, RS, V. 13, n. 51, p. 51-66, 1998.

CIAVATTA, Maria; REIS, Renata. O passado escravista no presente: a sociologia histórica de Luiz Antonio Cunha. Revista HISTEDBR on line, Campinas, n. 70, p. 70-86, dez. 2016.

CIAVATTA, Maria; TREIN, Eunice. A transformação do trabalho e a formação profissional na sociedade da incerteza. Uma contribuição ao pensamento histórico-crítico. In: GRUNNER, Eduardo (org.). Nuestra América y el Pensar Crítico. Fragmentos de pensamiento crítico de Latinoamérica y el Caribe. Buenos Aires: CLACSO, 2011, p. 187-216

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: UNESP; Brasília: FLACSO, 2000a.

ESPÓSITO, Ivan R. Com vetos, Temer sanciona lei que permite terceirização da atividade-fim. Agência Brasil, Brasília, 31/03/2017. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-03/temer-sanciona-lei-que-permite-terceirizacao-em-atividade-fim-das-empresas Acesso em 20/08/2017

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: RJ Zahar Editores, 1972.

FREITAS, Luiz Carlos de. Prefácio. In: MARTINS, Erika Moreira. Todos pela Educação. Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. Rio de Janeiro: Lamparina, 2016, p. 9-10.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Escola “sem” partido; esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017.

GORENDER, Jacob. A escravidão reabilitada. São Paulo: Expressão Popular / Fundação Perseu Abramo, 2016.

LUDKE, Menga. O professor, seu saber e sua pesquisa. Educação & Sociedade, São Paulo, v. 74, n. 8, p. 78-98, abr. 2001.

MAESTRI, Mário. A escravidão reabilitada: um clássico volta à vida. Apresentação. In: GORENDER, Jacob. A escravidão reabilitada. São Paulo: Expressão Popular / Fundação Perseu Abramo, 2016, p. 7-17.

MAMIGONIAN, Beatriz. Escravos livres. A abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MARINI, Rui M. Dialética da Dependência. Petrópolis, RJ: Vozes / Buenos Aires: CLACSO, 2000.

MARTINS, Erika Moreira. Todos pela Educação. Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. Rio de Janeiro: Lamparina, 2016.

MORAIS, João K. C. de. Os saberes docentes necessários ao trabalho do professor de biologia no ensino médio integrado. Natal, 2017. Dissertação de Mestrado em Educação. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, 2017.

OLIVEIRA, Francisco de. Uma alternativa democrática ao liberalismo. In: WEFFORT, Francisco et al. A democracia como proposta. Rio de Janeiro: IBASE, 1991, p. 77-92.

PATAH, Ricardo. Capitalismo jabuticaba. Folha de São Paulo, Opinião, sábado, 22 de julho de 2017, p. A3bbbb

PIOVESAN, Flávia. Legítima razão. O Globo, Opinião, 17 de novembro de 2011, p. 7.

PIRRÓ E LONGO, Waldimir. Alguns impactos sociais do desenvolvimento científico e tecnológico. Conferência. CREA-RJ. Rio de Janeiro, janeiro de 2007 (impresso e digital).

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante do malês em 1835. São Paulo, Cia das Letras, 1986.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 14ª. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

01/11/2018

Como Citar

Ciavatta, M. (2018). A REFORMA DO ENSINO MÉDIO: uma leitura crítica da Lei n. 13.415/2017 – adaptação ou resistência?. HOLOS, 4, 207–222. https://doi.org/10.15628/holos.2018.7152

Edição

Seção

ARTIGOS