DEFINIÇÕES DE EDUCAÇÃO, TRABALHO E POLÍTICAS PÚBLICAS EM ESTUDOS SOBRE O PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL NO BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.13256

Palavras-chave:

Educação, Trabalho, Políticas Públicas, Programa Nacional Mulheres Mil

Resumo

Objetiva-se analisar estudos sobre o Programa Nacional Mulheres Mil (PMM) nas produções acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu do Brasil, realizando o levantamento quantitativo, as regiões em que foram produzidas, considerando para análise as concepções de educação, trabalho e políticas públicas definidas nos trabalhos. Parte-se do entendimento de que política pública é ação de Estado e que essas são direcionadas para solucionar problemas sociais. Assim, problematiza o direcionamento do PMM às mulheres em situação de vulnerabilidade. A metodologia utilizada foi a pesquisa do tipo estado do conhecimento (ou estado da arte) que tem como finalidade levantar dados sobre o conhecimento produzido a respeito da temática, por meio do mapeamento sobre o que outros pesquisadores já publicaram. Os resultados apontaram que os trabalhos em sua maioria discutem sobre educação e trabalho e articulam a visão de mercado de trabalho a partir da compreensão de que as políticas públicas tem um papel fundamental no progresso de uma sociedade, nesse sentido, é importante refletir sobre a qualificação das pessoas, que se possa proporcionar um desenvolvimento para além do mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tathyane Torres da Silva Duarte, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional (PPGEP) pelo Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN(2019-2020). Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2004). Atualmente é assistente em administração do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Ciências Contábeis, com ênfase em Gestão Pública. 

Márcio Adriano de Azevedo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Doutor (2010) e Mestre (2006) em Educação (Política e Gestão), pela UFRN. Especialista em Processos Educacionais (2003) e graduado em Pedagogia (2000), também pela UFRN. Cursou estágio Pós-Doutoral (2013-2014) em Sociologia da Educação, pela Universidade do Minho/Portugal. É professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN, trabalhando em cursos, projetos e no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional - PPGEP/IFRN. Temas de interesse: Avaliação de políticas públicas, Educação profissional, Formação e trabalho docente, Educação do Campo e Povos Tradicionais, Educação de Jovens e Adultos, e pesquisa e inovação. Membro de Associações acadêmico-científicas brasileiras, como a SBPC e a Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação, e de associações internacionais, como a Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Líder do Observatório de Políticas Públicas em Educação Profissional - OppEP-IFRN-CNPq. Lotado no Campus Natal Central do IFRN, atualmente atua em cooperação técnica com o Campus Caicó do IFRN

Referências

Almeida, U. G. de (2016). A violência Obstétrica na Perspectiva das Egressas do Programa Mulheres Mil, Mulheres do Vale em Minas Gerais. 111 f. Dissertação de Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Saúde, Sociedade e Ambiente. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina: UFVJD.

Altoe, A. P. (2017). O Estado e A Cidadania Feminina: Vozes Das Mulheres Mil. 232 f. Tese Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política do Centro de Ciências do Homem. Universidade Estadual Do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Campos dos Goytacazes: UENFDR.

Alves, C. B. C. (2015). Programa Mulheres Mil no Campus Aparecida de Goiânia do Instituto Federal de Goiás: Uma Possibilidade de Inclusão Social e Acesso à Educação. 2015. 100 f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Planejamento Territorial. Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia: PUC-GO.

Azevedo, A. N. de M. (2017). Divisão Sexual Do Trabalho e Questão Regional: Trajetória das Desigualdades e suas Relações. 2017. 193 f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioespacial e Regional Instituição de Ensino. Universidade Estadual do Maranhão. São Luís: UEMA.

Brasil. (2012). Guia metodológico do sistema de Acesso, permanência e Êxito do Programa Mulheres Mil – Educação, Cidadania e Desenvolvimento Sustentável. Brasília-DF: Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. MEC/MDS.

Brasil. (2011). Ministério da Educação. Mulheres Mil: do sonho à realidade - Thousand women: making dreams come true - Mile femmes: du revê à la réalité. Organização: Stela Rosa. – Brasília: MEC.

Brasil. (2005). I Plano Nacional de Políticas para Mulheres Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. Brasília-DF.

Brasil. (2008). II Plano Nacional de Políticas para Mulheres Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. Brasília-DF.

Brasil.III Plano Nacional de políticas para Mulheres. Brasília-DF, 2012.

Brasil. (2007). Ministério da Educação. Projeto Mulheres Mil. Projeto Mulheres Mil Associação dos Colleges Comunitários do Canadá - ACCC/ Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica - SETEC- MEC.

Brasil. (2011). Portaria Interministerial nº 1.015/2011. Institui o Programa Nacional Mulheres Mil. Diário oficial da União nº 140, Seção 1, página 38, sexta-feira, 22 de julho de 2011.

Brasil. (2014). Lei nº 13.005/2014. Plano Nacional de Educação – 2014-2024. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 29 de setembro de 2019.

Bravin, S. M. R. (2015). A Contribuição do Programa Mulheres Mil para a Formação de Capital Social. 190 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade do Contestado, Canoinhas.

Cabral Neto, A. (Org.) (2004). Política educacional: desafios e tendências. Porto Alegre: Sulina.

Cabral Neto, A. (2012). Mudanças socioeconômicas e políticas e suas repercussões no campo da política educacional. Natal: Mimeo.

Costa, M. E. P. (2017). Práticas de Letramentos: os Gêneros como Mediadores dos Letramentos de Estudantes do Programa Mulheres Mil. 240 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília.

Corcetti, E. (2018). Análise do Policy Design do Programa Mulheres Mil: Caminhos da Inclusão? 215 f. Tese (Doutorado em Economia Doméstica) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Creswell. J. W. (2010). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. Porto Alegre: Artmed.

Diniz, M. R. M. (2018). Vozes Em Diálogo No Promil: Uma Construção Discursiva Em Torno Do Ser Feminino. 200 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Duarte, K. C. F. P. (2016). Identidade de Gênero Feminino no Programa Mulheres Mil: Verdades, Poder e Subjetivação. 2016. 183 f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Goiás. Jataí: UFGO.

Fernandes, C. M. B., Morosini, M. C. (2014). Estado do Conhecimento: conceitos, finalidades e interlocuções. Educação Por Escrito.

Ferreira, M. J. de R. (2017). Interdições e Resistências: os Difíceis Percursos da Escolarização das Mulheres na EPT. 285 f. Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória: UFES.

Frazão, R. C. (2018). A Produção de Cartas das Mulheres/Alunas do Programa Mulheres Mil Como Objeto de Pesquisa em História Da Educação (Campus Açailândia – MA 2012-2013). 105 f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo: UVRS.

Giraldo, A. F. R. (2017). Processo De Modificação de Modos de Vida Em Um Distrito Rural da Serra do Espinhaço Meridional sob Impacto de Atividade Minerária. 120 f. Dissertação de Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Saúde, Sociedade e Ambiente da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina: UFVJM.

Stela Rosa (2011). Mulheres mil: do sonho à realidade. Thousand women: making dreams come true =Mile femmes : du revê à la réalité. Organização:. – Brasília: Ministério da Educação.

Mello, J. A. de. (2016). A Modelagem Matemática na Perspectiva Sócio-Crítica: uma Experiência em m Curso de Costureiras. 95 f. Dissertação de Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Ensino De Matemática. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRS.

Michelotti, A. A. H. (2013). Proposta de Portfólio como Instrumento de Reconhecimento e Avaliação de Aprendizagens no Programa de Qualificação Profissional Mulheres Mil. 129 f. Dissertação de Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Ensino Científico e Tecnológico. Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim.

Moraes, M. G. de. (2018). Mulheres Analfabetas e Inscrições de suas Heranças: Aproximações e Distanciamentos na Educação de suas Filhas. 157 f. Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí.

Nascimento, S. D. (2015). Geração de Renda para as Mulheres: uma Avaliação de Impactos do Programa Mulheres Mil na Ótica das Egressas em São Luís/MA. 130 f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas. Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

Oliveira, S. A. de A. (2014). Mulheres, Conquistando Espaços Dentro do Instituto Federal de Educação Ciência E Tecnologia Do Ceará (IFCE) – Campus Iguatu. 110 f. Dissertação de Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Teologia Escola Superior de Teologia. São Leopoldo: EST.

Panarari-Antunes, R., de Souza, G., Klososki, S., Dias Júnior, J., & Figueira, F. (2016). ANÁLISE DO “PROGRAMA MULHERES MIL” NO IFPR, CAMPUS PARANAVAÍ: A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL DE MULHERES EM BUSCA DA IGUALDADE DE GÊNERO. HOLOS, 1, 153-160.

Plataforma Capes. Disponível em: http://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/. Acesso em: junho de 2019.

Rocha, R. de C. (2017). O Programa Nacional Mulheres Mil no Contexto das Políticas Públicas de Educação Profissional no Brasil. 2017. 179 f. Dissertação de Mestrado em Educação Profissional do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Natal: IFRN.

Rocha, R. de C., Silva, L. L. S. (2016). Política Pública para Mulheres e Cidadania: O Programa Mulheres Mil. In: III Congresso Nacional de Educação. Anais do III CONEDU. Editora Realize.

Rosa, S. M. M. (2016). Reconhecimento de Saberes no Programa Mulheres Mil: entre a Colonialidade do Poder e de Gênero. 287 f. Dissertação de Mestrado em Educação do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC.

Santos, M. A. de P. (2015). Programa Mulheres Mil e o Desenvolvimento Comunitário: um Estudo sob a Ótica da Tecnologia Social. 132 f. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Comunitário da Universidade Estadual do Centro-Oeste. Irati: UECO.

Saffioti, H. I. B. (2013). A Mulher na Sociedade de Classes mito e realidade. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular,.

Saviani, D. (2012, jan/abr). Trabalho e Educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, 12(34), p. 152-180.

Sousa, L. P. de, Guedes, D. R. (2016). A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos avançados. 30(87), p. 123-139.

Uchoa, A. M. da C. (2015). O Proeja como inquilino: impactos preliminares do processo de implementação do programa no IF SERTÃO PE – Campus Petrolina 2006-2013. 160 f. Dissertação de Mestrado em Educação Profissional do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Natal: IFRN.

Zago, R. C. (2016). Inovação Social: Estudo do Programa Mulheres Mil.. 160 f. Dissertação de Mestrado em Administração da Universidade Regional de Blumenau. Blumenau: URB.

Wu, X. (2014). Guia de Políticas Públicas: gerenciando processos. Brasília; ENAP,. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/209-564834057/45451-mulheres-em-situacao-de-vulnerabilidade-contam-com-100-mil-vagas-em-programa-de-capacitacao. Acesso em: 20 fev. 2019.

Downloads

Publicado

2022-01-12

Como Citar

Duarte, T. T. da S., & Azevedo, M. A. de. (2022). DEFINIÇÕES DE EDUCAÇÃO, TRABALHO E POLÍTICAS PÚBLICAS EM ESTUDOS SOBRE O PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL NO BRASIL. HOLOS, 8, 1–23. https://doi.org/10.15628/holos.2021.13256

Edição

Seção

ARTIGOS