A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL: UM ESTUDO DO PROGRAMA NACIONAL DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL (PROINFO) NA FORMAÇÃO DOCENTE EM CARAÚBAS-RN

Lenin Cavalcanti Brito Guerra, Maquézia Emília Morais

Resumo


O estudo discute o Programa Nacional de Tecnologia educacional (ProInfo), o qual atua na pretensão de promover o uso pedagógico das tecnologias da informação e comunicação (TIC) no espaço escolar. Tem por objetivo analisar o processo de implementação da do ProInfo no município de Caraúbas/RN. Caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa de caráter bibliográfico e empírico. Seu embasamento teórico está centrado nas concepções de políticas públicas, em Rua (2012) e Frey (2000), bem como no Decreto nº 6.300, de 12 de dezembro de 2007, que dispõe sobre o ProInfo. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com profissionais da educação, para conhecer o processo de implementação do ProInfo nas escolas desse município, Esta pesquisa possibilitou-nos perceber que a democratização desses recursos, durante a atuação do programa na localidade, foi insuficiente para atender a demanda do ensino. Entende-se que a ineficácia do programa na sua descontinuidade, dificulta o apoio gerado para a formação docente envolvendo as tecnologias educacionais. No entanto, a partir da literatura e entrevistas que o uso das tecnologias no âmbito pedagógico, apesar de tênue, contribui para que os sujeitos se articulem nas dinâmicas sociais contemporâneas.

Palavras-chave


Política pública educacional; ProInfo; Formação docente; Tecnologia da Informação; Comunicação (TIC)

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. E. B. (2003, julho). Educação a Distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, São Paulo, 29(2), p. 327-340.

Brasil. Presidência da República. (2007). Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 6.300, de 12 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa Nacional de Tecnologia Educacional – ProInfo. Recuperado em 25 out, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6300

Candau, V. M. (2000). A didática em questão (19a ed.). Petrópolis: Vozes.

Charlot, B. (2000). Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed.

Darós, L. L., & Pereira, A. S. (2009, julho). Análise das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor público – NBCASP: Mudanças e desafios para a contabilidade pública. Anais do Congresso USP Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 9. Recuperado de http://www.congressousp.fipecafi.org/web/artigos92009/467.pdf

Delors, J. (2000). Educação: um tesouro a descobrir (4a ed.). São Paulo: Cortez; Brasília: MEC; UNESCO.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido (46 ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

Frey, K. (2000, junho). Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, 21 (sn).

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. (4. ed.). São Paulo: Atlas.

Imbernón, F. (2002). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez.

Kenski, V. M. (2003). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. (3a. ed.). Campinas: Papirus.

Kenski, V. M. (1997, setembro). Novas tecnologias: o redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente. Anais da Reunião Anual da ANPed, Caxambu, MG, Brasil, 20.

Lima, L. L. & D'ascenzi, L. (1993, dezembro). Implementação de políticas públicas: perspectivas analíticas. Rev. Sociologia. Política, Curitiba, 21(48), p. 101-110.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de Metodologia Científica. (7a ed.) São Paulo: Atlas.

Minayo, M. C. S. & Gomes, Suely F. D. R. (2011). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. (30a ed.). Petrópolis: Vozes.

Nóvoa, A. (2007). Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo [Palestra] SINPRO-SP – Sindicatos dos professores de São Paulo. Recuperado em 17 setembro, 2016, de http://www.sinprosp.org.br/arquivos/novoa/livreto_novoa.pdf

Oliveira, A. F., Pizzio, A. & França, G. (2010). Fronteiras da Educação: desigualdades, tecnologias e políticas. Editora da PUC Goiás.

Rua, M. G. (2012). Políticas públicas. (2a. ed.) Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC.

Secchi, L. (2013). Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. (2a. ed.) São Paulo: Cengage Learning.

Silva, P. L. B. & Melo, M. A. B. (2000). O processo de implementação de políticas públicas no Brasil: características e determinantes da avaliação de programas e projeto. Campinas: Caderno NEPP/UNICAMP. Recuperado em 08 agosto, 2016, de http://governancaegestao.files.wordpress.com/2008/05/teresa-aula_22.pdf.

SOUZA, C. (2003, julho). Políticas públicas: questões temáticas e de pesquisa. Caderno CRH, Salvador, 39.

TORNAGHI, A. J. C., Prado, M. E. B. B., & Almeida, M. E. B. (2010). Tecnologias na educação: ensinando e aprendendo com as TIC: guia do cursista. (2. ed.). Brasília: Secretaria de Educação a Distância.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5273



 

HOLOS IN THE WORLD