EXERCÍCIOS DE AUTORIDADE DO PROFESSOR EM SALA DE AULA

Autores

  • José Francisco Flores Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Luciana Fernandes Marques UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL/UFRGS
  • João Bernardes da Rocha Filho PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL/PUCRS
  • Rosa Maria Rigo UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL/UFRGS http://orcid.org/0000-0001-8266-1969

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.4554

Palavras-chave:

ensino e afetividade, autoridade docente, competência e autoridade, autoridade e afetividade

Resumo

Este ensaio apresenta discussões teóricas sobre a autoridade do professor em sala de aula. A questão a ser tratada é qual a melhor atitude a ser assumida pelo professor diante de uma situação em que identifica uma ação inadequada de aluno em sala de aula. É relatado um caso real ocorrido em sala de aula e discutidos posicionamentos de alguns autores que tratam do tema procurando-se aprofundar na definição do papel do docente em sala de aula. Conclui-se que a autoridade do professor fica estabelecida a partir da forma como se relaciona com seus alunos, de suas competências na área de conhecimento e na capacidade de enfrentar situações que exigem criatividade e atitude reflexiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Francisco Flores, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Faculdade de Educação

Luciana Fernandes Marques, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL/UFRGS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO

João Bernardes da Rocha Filho, PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL/PUCRS

..

Rosa Maria Rigo, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL/UFRGS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Referências

Aquino, J. G. (1996). Confrontos na sala de aula: uma leitura institucional da relação professor aluno. Summus.

Arendt, H. (2002). A vida do espírito: o pensar, o querer e o julgar. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Brasil. (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI.

Carneiro, F. H. P. (2015). Autoridade e disciplina na escola: reflexões sobre de construção da autoridade no contexto de formação de monitores. Cadernos de Estudos e Pesquisa na Educação Básica, v. 1, n. 1, p. 33-45.

Demo, P. (2002). Educar pela Pesquisa. 5ª ed. Campinas: Autores Associados.

Feuerstein, R. Feuerstein, S. R. Falik, L. H. (2014). Além da inteligência - Aprendizagem mediada e a capacidade de mudança do cérebro. Petrópolis: Vozes.

Garcia, C. M. (2005). Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto/Portugal, Porto Editora.

Hernández, F. (1998). Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: ArtMed.

Imbernón, F. (2011). Formação Docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9 ed. São Paulo: Cortez.

Meirieu, P. (2005). O cotidiano da escola e da sala de aula: o fazer e o compreender, Porto Alegre, Artmed.

Morin, E. (2005). Ciência com consciência. [tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. - Ed. revista e modificada pelo autor - 8" ed. - Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro. tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya ; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. – 2. ed. – São Paulo: Cortez; Brasília, DF : UNESCO.

Nietzcsche, F. (2000). Humano, Demasiado Humano. Editora Schwarcz ltda, São Paulo.

Nóvoa, A. (2011). O regresso dos professores, Lisboa.

Pecotche, C. B. G. (2015). Bases para sua conduta: dedicado à juventude [tradução: Colaboradores voluntários da Fundação Logosófica (em Prol da Superação Humana)]. – 22. ed. – São Paulo: Logosófica.

Rocha F. J. B. Basso, N. R. de S. & Borges, R. M. R. (2007). Transdisciplinaridade: a natureza íntima da educação científica. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Schön, D. A. (2000). Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad. para português por Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed.

Souza, A. M. M. Depresbiteris, L. Machado, O. T. M. (2003). A mediação como princípio educacional: bases teóricas das abordagens de Reuven Feuerstein. 2ª ed. São Paulo: Senac.

Stolcke, V. (2002). Pluralizar O Universal: Guerra e Paz na Obra de Hannah Arendt. Rio de Janeiro: MANA 8(1): 93-112.

Tebar, L. (2011). O perfil do Professor Mediador: Pedagogia da Mediação. Traduzido por Priscila Pereira Mota. São Paulo: Ed. SENAC.

Westbrook, R B. John Dewey / Robert B. Westbrook; Anísio Teixeira, José Eustáquio Romão, Verone Lane Rodrigues (org.), (2010). Coleção Educadores, Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Zeichner, K. M. (1993). A Formação reflexiva de Professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa.

Downloads

Publicado

03/12/2018

Como Citar

Flores, J. F., Marques, L. F., da Rocha Filho, J. B., & Rigo, R. M. (2018). EXERCÍCIOS DE AUTORIDADE DO PROFESSOR EM SALA DE AULA. HOLOS, 6, 216–228. https://doi.org/10.15628/holos.2018.4554

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)