PROPOSTAS DE ENSINO DE MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: REVISÃO SISTEMÁTICA EXPLORATÓRIA DA LITERATURA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9483

Palavras-chave:

Ensino, Matemática, Deficientes Visuais, Revisão Sistemática

Resumo

A Matemática é essencial para o desenvolvimento básico e para formação de indivíduos, portanto, cabe uma preocupação específica quanto ao seu ensino a deficientes visuais. A adaptação ou desenvolvimento de materiais adequados, tem o objetivo de garantir equidade entre os estudantes. Sendo assim, é importante estimular a reflexão e difundir os estudos de novas tecnologias auxiliares no processo de inclusão dos alunos com deficiência visual. Esta pesquisa buscou reunir e sistematizar propostas dessa natureza, voltadas ao ensino de matemática.  Foram identificados 138 trabalhos, sendo 46% considerados eficientes; 30% satisfatórios; 4% necessitam de melhorias; e 1% ineficientes. Quanto aos conteúdos, as maiores quantidades referem-se à Geometria e Aritmética. Com relação às metodologias, as mais adotadas foram: Materiais Manipulativos e Tecnologias Assistivas. O conteúdo sistematizado pode contribuir com a difusão do conhecimento, favorecendo um ensino de matemática mais igualitário aos deficientes visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Cleiton Soares Barbosa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Técnico em Informática pelo IFRN - campus João Câmara (2013), graduado em Matemática (2017) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Especialista (2019) em Ensino de Ciências Naturais e Matemática pelo IFRN - campus Parnamirim. Mestrando do PROFMAT (mestrado profissional) na Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Atualmente, Professor do estado da Paraíba e membro do Núcleo Multidisciplinar de Ensino, Engenharia e Ciências (NuMEEC). Tem experiência/interesse nas áreas de Informática e Programação, Matemática, Ensino de Matemática e Tecnologias Educacionais. E-mail: cleiton.sb04@gmail.com

Elthon John Rodrigues de Medeiros, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Graduado (2006) em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Graduando em Ciências e Tecnologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Especialista (2011) em Gestão e Organização Escolar pela Universidade Potiguar - UnP. Mestre (2008) e Doutor (2012) em Ciência e Engenharia de Petróleo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Atualmente, Professor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte – IFRN e Coordenador do Núcleo Multidisciplinar de Ensino, Engenharia e Ciências (NuMEEC). Tem experiência/interesse nas áreas de Matemática, Ensino de Ciências, Tecnologias Digitais, Energias e Engenharia de Petróleo. E-mail: elthon.medeirosl@ifrn.edu.br

Stella Regina Rodrigues de Medeiros, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

É professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) - Campus João Câmara e Campus Zona Leste. Tem experiência nas áreas de Saúde Coletiva, Segurança do Trabalho, Metodologia Científica e Ensino de Ciências. Atualmente participa como membro do Núcleo Multidisciplinar de Ensino, Engenharia e Ciências (NuMEEC). E-mail: stella.medeiros@ifrn.edu.br

Raimundo Nonato de Medeiros Júnior, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Possui Licenciatura em Física, Especialização em Gestão e Organização Escolar e Mestrado em Engenharia de Petróleo e Gás, hodiernamente é doutorando em Ciência e Engenharia de Petróleo. Tem experiência nas áreas de Formação Docente, Experimentação e Tecnologias Aplicadas ao Ensino de Física, Ciência e Engenharia de Petróleo e Gás. Foi tutor do Programa de Educação Tutorial - PET da Licenciatura em Física do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) - Campus João Câmara, onde atualmente é professor, e coordenador do grupo de pesquisa Núcleo Multidisciplinar de Ensino, Engenharia e Ciências (NuMEEC) e membro do Núcleo Multidisciplinar de Ensino, Engenharia e Ciências, e do Núcleo de Pesquisa em Formação Docente e Ensino de Física. E-mail: nonato.junior@ifrn.edu.br

Referências

Adusei, M. (2017). Geometry Appcessory for Visually Impaired Children (Relatório de Graduação, Graduate School of Creative Design Engineering, Republic of Korea, Graduação em Engenharia de Design). Recuperado a partir de: https://scholarworks.unist.ac.kr/handle/201301/21729

Alvaristo, E. de F. (2019). Uma ferramenta para elaboração de conceitos matemáticos para estudantes com deficiência visual: gráfico em pizza adaptado. (Dissertação, Universidade Federal Tecnológica do Paraná, Ponta Grossa, Programa de Pós-Graduação em Ensino e Tecnologia). Recuperado a partir de: http://repositorio.utfpr.edu.br:8080/jspui/handle/1/3992

Amaral, G. K, Ferreira, A. C. & Dickman, A. G. (2009). Educação de Estudantes Cegos na Escola Inclusiva: O Ensino de Física. In: 18 Simpósio Nacional de Ensino de Física. Vitória: SNEF. Recuperado a partir de: http://www.cienciamao.usp.br/dados/snef/_educacaodeestudantescego.trabalho.pdf

Anjos, G. P., Prietch, S. S., & Freire, A. P. (2017). Realização de Testes com Leitores de Tela para Leitura de Fórmulas Matemáticas como Auxílio para Estudantes Cegos. In: 8 Escola Regional de Informática de Mato Grosso. Cáceres, SBC. Recuperado a partir de: https://www.researchgate.net/profile/Gleber_Marques/publication/332878993_Anais_da_Escola_Regional_de_Informatica_de_Mato_Grosso_2017_-_Sociedade_Brasileira_de_Computacao/links/5cd08144458515712e973636/Anais-da-Escola-Regional-de-Informatica-de-Mato-Grosso-2017-Sociedade-Brasileira-de-Computacao.pdf#page=72

Aragão, G. I, Tavares, J. A. V., & Jesus, M. A. M. (2016). Multiplano pedagógico: do concreto ao abstrato. In: 9 Encontro Internacional de Formação de Professores. Aracaju: UNIT. Recuperado a partir de: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view/2098

Araujo, L. F. F., & Aguiar, R. (2018). Função quadrática para estudantes cegos: uma proposta de padronização de gráficos táteis. In: 4 Colóquio Luso-Brasileiro de Educação. Braga: UDESC. Recuperado a partir de: http://www.revistas.udesc.br/index.php/colbeduca/article/view/11300

Arruda, K. N., & Bandeira, S. M. C. (2016). Metodologia para ensinar geometria para estudantes deficientes visuais utilizando multiplano e o aplicativo Geogebra. In: 10 Simpósio Linguagens e Identidades da/na Amazônia Sul Ocidental. Rio Branco: UFAC. Recuperado a partir de: https://periodicos.ufac.br/index.php/simposioufac/article/download/899/496

Asebriy, Z., Raghay, S. & Bencharef, O. (2018). An Assistive Technology for Braille Users to Support Mathematical Learning: A Semantic Retrieval System. Symmetry. 10 (547); 1–16. doi: doi:10.3390/sym10110547.

Attanayake, D., Denholm-Price, J., Hunter, G., Pfluegel, E. & Wigmore, A. (2015). Speech interfaces for mathematics: opportunities and limitations for visually impaired learners. In: IMA International Conference on Barriers and Enablers to Learning Maths: Enhancing Learning and Teaching for All Learners. Recuperado a partir de: https://ima.org.uk/wp/wp-content/uploads/2015/06/Speech-Interfaces-for-Mathematics-Opportunities-and-Limitations-for-Visually-Impaired-Learners.pdf

Augestad, L. B. (2017). Self-concept and self-esteem among children and young adults with visual impairment: A systematic review. Cogent Psychology. 4(1), 1-19. doi: 10.1080/23311908.2017.1319652

Barroqueiro, C. H., Barroqueiro, M. E. S., & Dias, R. A. (2017). Estratégias de aprendizagem na inclusão de alunos com deficiência visual no desenvolvimento cognitivo da matemática. Saber & Educar 23: 12-21. DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol23.295

Bateman, A., Zhao, O. K., Bajcsy, A. V., ... & Oliveira, M. (2017). A user-centered design and analysis of na electrostatic haptic touch screen system for students with visual impairments. International Journal of Human-Computer Studies. 109: 102-111. Doi: https://doi.org/10.1016/j.ijhcs.2017.09.004

Beal, C. R. & Rosenblum, L. P. (2015a). Development of a Math-Learning App for Students with Visual Impairments. Journal on Technology and Persons with Disabilities. In: 30 Annual International Technology and Persons with Disabilities Conference Scientific/Research Proceedings, San Diego. Recuperado a partir de: http://scholarworks.csun.edu/handle/10211.3/151181

Beal, C. R. & Rosenblum, L. P. (2018). Evaluation of the Effectiveness of a Tablet Computer Application (App) in Helping Students with Visual Impairments Solve Mathematics Problems. Journal of Visual Impairment & Blindness. (January-February), 5–19. doi: https://doi.org/10.1177/0145482X1811200102.

Beal, C. R., & Rosenblum, L. P. (2015b). Use of an Accessible iPad App and Supplemental Graphics to Build Mathematics Skills: Feasibility Study Results. Journal of Visual Impairment & Blindness, 109(5), 383–394. Doi: https://doi.org/10.1177/0145482X1510900507

Bernardo, F. G., Garcez, W. R., & Santos, R. C. (2019). Recursos e metodologias indispensáveis ao ensino de matemática para alunos com deficiência visual. Revista de Educação, Ciências e Matemática. 9(1): 23-42. Recuperado a partir de: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/4970

Bersch, R. (2013). Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre. Recuperado a partir de: http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf

Bier, A. & Sroczy?ski, Z. (2019). Rule based intelligent system verbalizing mathematical notation. Multimedia Tools and Applications. 78(19), 28089–28110. Doi: https://doi.org/10.1007/s11042-019-07889-3

Blumberg, V. S. P. (2019). Deficiente visual e o tato como nova perspectiva dos conhecimentos matemáticos: vivenciando experiências (Monografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/199295

Boonstra, L. (2017). Improving the mathematical reading skills of students who read braille by scaffolding reading strategies. Revista da Associação Médica Brasileira. (July), 1–23. Recuperado a partir de: https://dspace.library.uu.nl/bitstream/handle/1874/352628/Intervention%20Math%20Braille%20-%20Lisan%20Boonstra%20-%20Research%20Project%202017.pdf?sequence=2

Bouck, E. C., Weng, P.-L., & Satsangi, R. (2016). Digital versus Traditional: Secondary Students with Visual Impairments’ Perceptions of a Digital Algebra Textbook. Journal of Visual Impairment & Blindness, 110(1), 41–52. Doi: https://doi.org/10.1177/0145482X1611000105

Brandão, J. C., Silva, M. A. & Magalhães, E. B. (2019). Discentes com deficiência visual: estudo de caso com cálculo diferencial e integral adaptado. Id on Line. 13(45): 680-690. doi: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1886

Brawand, A. & Johnson, N. (2016). Effective Methods for Delivering Mathematics Instruction to Students with Visual Impairments. Journal of Blindness Innovation and Research. 6(1). Recuperado a partir de: https://www.nfb.org/images/nfb/publications/jbir/jbir16/jbir060101.html

Brim, J. de F. H. (2018). Ensino de funções do 2° grau para alunos com deficiência visual: uma abordagem para a educação matemática inclusiva. (Dissertação, Universidade Federal Tecnológica do Paraná, Ponta Grossa, Programa de Pós-Graduação em Ensino e Tecnologia). Recuperado a partir de: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/dissertacoes_teses/2019/mar2019dissertacao_juliana_brim.pdf

Brzostek-Paw?owska, J. (2019). Multimedia Mathematical Communication in a Diverse Group of Students. Journal of Telecommunications and Information Technology. 2, 92–103. doi: http://doi.org/10.26636/jtit.2019.132819.

Caetano, J. L. P., Mello, F. A., & Antonow, L. M. (2016). O ensino de frações para educandos cegos. In: 12 Encontro Nacional de Educação Matemática. São Paulo, SBEM. Recuperado a partir de: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/6581_4269_ID.pdf

Camelo, F. G., & Silva, M. F. D. (2017). Práticas inclusivas em um curso de licenciatura em Matemática: um estudante cego e a visão de suas duas tutoras. Com a Palavra o Professor. Vitória da Conquista. 2(2): 54-76. doi: 10.23864/cpp-v2-n1-151

Castro, N. H. C. (2017). Aplicação do soroban para resolução de problemas envolvendo as quatro operações fundamentais (Monografia, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Teresina, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: http://bia.ifpi.edu.br/jspui/handle/prefix/111

Cerva Filho, O. & A. C.; Geller, M. (2010). O processo de apropriação de conhecimentos matemáticos por alunos cegos: um estudo de caso (Projeto de Pesquisa, Universidade Luterana do Brasil). Recuperado a partir de: https://docplayer.com.br/67501178-O-processo-de-apropriacao-de-conhecimentos-matematicos-por-alunos-cegos-um-estudo-de-caso.html

Chanfreau, J. & Cebulla, A. (2009). Educational attainment of blind and partially sighted pupils. National Centre for Social Research (NatCen) for RNIB. Recuperado a partir de: https://www.rnib.org.uk/sites/default/files/Nat_Cen_Nov_2009.doc

Constituição Federal de 1988. (1988, 5 de outubro). Brasília. Recuperado a partir de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Costa, A. B. (2019). Avaliação das relações pré-aritméticas em crianças e adolescentes com deficiência visual (Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação Especial). Recuperado a partir de: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/11523

Costa, C. J. S. (2016). Veicular conceitos matemáticos em estudantes cegos no ensino superior politécnico: pertinência da utilização do multiplano (Dissertação, Instituto Politécnico Leiria, Leiria, Mestrado em Comunicação Acessível). Recuperado a partir de: https://iconline.ipleiria.pt/handle/10400.8/1900

Cruz, T. N. B., & Ferreira, R. S. (2018). O uso do origami adaptado para o ensino das formas geométricas planas a uma aluna com deficiência visual. 1(3): 108-119. TANGRAM - Revista de educação matemática. Recuperado a partir de: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/tangram/article/view/8333

Decreto Nº 3.298. de 20 de dezembro de 1999. (1999, 20 de dezembro). Brasília. Recuperado a partir de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3298.htm

Decreto Nº 3.956. de 08 de outubro de 2001. (2001, 08 de outubro). Brasília. Recuperado a partir de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/D3956.htm

Decreto Nº 5.296. de 02 de dezembro de 2004. (2004, 02 de dezembro). Brasília. Recuperado a partir de: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm

Decreto Nº 6.949. de 25 de agosto de 2009. (2009, 25 de agosto). Brasília. Recuperado a partir de: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm

DePountis, V. M., Pogrund, R. L., Griffin-Shirley, N., & Lan, W. Y. (2015). Technologies Used in the Study of Advanced Mathematics by Students who Are Visually Impaired in Classrooms: Teacher’s Perspectives. Journal of Visual Impairment & Blindness, 109(4), 265–278. Doi: https://doi.org/10.1177/0145482X1510900403

Dias, A. F. S., França, J. B. S., Borges, J. A. S., Silveira, J. T. C., Carvalho, M. F., & Borges, M. R. S. (2018). Matemática, Computação e Braille: Desafios da Pedagogia, da Semiótica e da Síntese da Fala. In: 7 Congresso Brasileiro de Informática na Educação. Recuperado a partir de: http://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/8175

Dias, C. E. (2017). Matemática para cegos: uma possibilidade no ensino de polinômios (Monografia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/9589

Dias, C. E., & Panossian, M. L. (2018). O ensino de polinômios usando material acessível para alunos cegos: potencialidades e limitações. Revista de Educação Matemática. São Paulo. 15(20): 409-431. doi: doi.org/10.25090/remat25269062v15n202018p409a431

Duffy, S., Price, S., Volpe, G., Marshall, P., Berthouze, N., Cappagli, G. …, Gori, M. (2017). WeDRAW: Using multisensory serious games to explore concepts in primary mathematics. In: 13 International Conference on Technology in Mathematics Teaching. Lyon: ENS/IFE. Recuperado a partir de: https://discovery.ucl.ac.uk/id/eprint/1561524/

Emerson, R. W., & Anderson, D. L. (2018). Using Description to Convey Mathematics Content in Visual Images to Students who Are Visually Impaired. Journal of Visual Impairment & Blindness, 112(2), 157–168. Doi: https://doi.org/10.1177/0145482X1811200204

Fernandes, S. H. A. & Healy, L. (2010). A inclusão de alunos cegos nas aulas de matemática: explorando área, perímetro e volume através do tato. Bolema: Boletim de Educação Matemática. 23(37), 1111-1135. Recuperado a partir de: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/4306

Ferreira, B. dos S. (2019). O ensino de simetria para alunos com deficiência visual. (Monografia, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/20949

Ferreira, G. L. (2006). O design colaborativo de uma ferramenta para representação de gráfico por aprendizes sem acuidade visual (Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática). Recuperado a partir de: http://www4.pucsp.br/pos/edmat/mp/trabalhos_2006.html

Ferronato, R. (2002). A construção de um instrumento de inclusão no ensino da matemática (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção). Recuperado a partir de: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/82939

Figueira, L., Lima, C., Borges, A. & Soares, A. (2015). A Dynamic Environment to the Learning of Geometric Concepts by Visually Impaired People: A Brazilian Case Study. Computer Science and Engineering. 5(2): 37-46. doi: 10.5923/j.computer.20150502.03.

Flores, A., Sombrio. G. S., Takimoto. T., & Ulbricht, V. R. (2015). A aprendizagem de geometria por alunos cegos. In: 7 Congresso Nacional de Ambientes Hipermídia para Aprendizagem. São Luís: CONAHPA. Recuperado a partir de: http://conahpa.sites.ufsc.br/exposicaolayout/

Franco, L. A. L., Martini, L. C., Franco, M. C. L. G. & Silva, A. (2018). Desenvolvimento de um programa aplicativo para o ensino de grupo das permutac?o?es a deficientes visuais. Proceeding Series of the Brazilian Society of Computational and Applied Mathematics. 6(2): 1-7. doi: https://doi.org/10.5540/03.2018.006.02.0267

Frankel, L., & Brownstein, B. (2016). An Evaluation of the Usefulness of Prosodic and Lexical Cues for Understanding Synthesized Speech of Mathematics. (Relatório de Pesquisa, Institute of Education Sciences, EUA). Recuperado a partir de: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1002/ets2.12119

Frankel, L., Brownstein, B. & Soiffer, N. (2017). Expanding Audio Access to Mathematics Expressions by Students With Visual Impairments via MathML. (Relatório de Pesquisa, Institute of Education Sciences, EUA). Recuperado a partir de: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/ets2.12132

Freire, P. C. (2017). Uma jornada dos números naturais aos racionais com uma aluna com deficiência visual (Tese de Doutorado, Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática). Recuperado a partir de: https://repositorio.pgsskroton.com.br/bitstream/123456789/12171/1/PAULO%20C%C3%89SAR%20FREIRE.pdf

Furlan, F. H. (2016). Conceitos geométricos, deslocamentos e localização espacial de estudantes com cegueira congênita (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Mestrado Profissional em Educação). Recuperado a partir de: http://www.acervodigital.ufpr.br/handle/1884/46233

Galvão, L. M. (2018). Inclusão de alunos deficientes visuais no ensino de matemática no contexto da educação tecnológica em um Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia (Dissertação de mestrado, Universidade do Vale do Taquari, Lajeado, Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas). Recuperado a partir de: https://univates.com.br/bdu/handle/10737/2520

Goddard, M. (2017). The use of Mobile Applications to support the development of arithmetic skills in visually or hearing impaired children at Key Stage 1 level (Monografia, Cardiff Metropolitan University, Wales, Bacharelado em Ciência da Computação). Recuperado a partir de: https://repository.cardiffmet.ac.uk/handle/10369/8634

Gonçalves, S. S. (2017). A trajetória de inclusão de um estudante cego em um curso de licenciatura: estratégias pedagógicas e seus desafios. Com a Palavra o Professor. Vitória da Conquista. 2(2): 54-76. doi: 10.23864/cpp-v2-n1-153

Guedes, H. M. C, & Freire, A. P. (2018). Estratégias de Navegação em Fórmulas Matemáticas na Web para Pessoas com Deficiência Visual. In: 17 Simpósio Brasileiro sobre Fatores Humanos em Sistemas Computacionais. Belém: WTD-IHC. Recuperado a partir de: https://sol.sbc.org.br/index.php/ihc_estendido/article/view/4219

Guedes, V. B. (2016). A planificação de sólidos geométricos no ensino de geometria para alunos deficientes visuais (Monografia, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/10768

Hassan, N. J. & Salleh, N. M. (2017). Development and assessment of the usability of mathematical teaching module for visually impaired fourth year students. International Journal of Education, Psychology and Counselling. 2(5), 54–69. Recuperado a partir de: http://www.ijepc.com/PDF/IJEPC-2017-05-09-05.pdf

Hassan, N. J., Salleh, M. I., Bari, S. & Salleh, N. M. (2015). A23-Enhancing students with visual impairment’s understanding in mathematics using manipulative materials. In: 1 International Conference on Special Education. Bangkok: ICSE. Recuperado a partir de: http://www.academia.edu/download/56680053/7_ICSE_BANGKOK_THAILAND_2015.pdf

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (2017). Conselho Superior. Resolução Nº 05 de 22 de fevereiro de 2017. Natal: IFRN.

Instituto Federal De Educação, Ciência E Tecnologia Do Rio Grande Do Norte (2018). Conselho Superior. Plano de Desenvolvimento Institucional 2019-2026. Natal: IFRN. Recuperado a partir de: https://portal.ifrn.edu.br/ifrn/institucional/pdi-2019-2026/lateral/teste/plano-de-desenvolvimento-institucional-2019-2026

?pek, J. & Vural, D. V. (2017).Teaching Mathematics and Material Development Process for Total Blind and Visually Impaired Students. In: H. Arslan, C. S. Duse & M. A. Icbay (Orgs.), Research on Education. (pp. 202-209). Bialystok: IASSR. Recuperado a partir de: https://www.academia.edu/download/55549281/IASSR_kitap_bolumu.pdf#page=202

Junthong, N., Netpradit, S. & Boonlue, S. (2018). Design and Development of Teaching Tools in Dimensional Geometry for Visually Impaired Students Using Object Models from 3D Printing. In: 10 International Conference on Languages, Humanities, Education and Social Sciences. Kyoto: LHESS-18. Recuperado a partir de: http://heaig.org/images/proceedings_pdf/H0418464.pdf

Kaleff, A. M. M. R., & Rosa, F. M. C. (2015). Introdução ao conceito de curvas de nível visando à inclusão do aluno com deficiência visual nas aulas de Geometria. In: 14 Conferência Interamericana de Educação Matemática. Chiapas: CIAEM. Recuperado a partir de: http://xiv.ciaem-redumate.org/index.php/xiv_ciaem/xiv_ciaem/paper/view/937

Kapperman, G., Sticken, J. & Skutchan, L. (2016). Technical Aspects of the Development of a Web-based, Interactive Nemeth Code Tutorial. Journal of Blindness Innovation and Research. 6(1). Recuperado a partir de: https://www.nfb.org/images/nfb/publications/jbir/jbir16/jbir060103.html

Koepsel, A. P. P. (2016). Materiais Didáticos no ensino de Matemática para estudantes com deficiência visual. In: 20 Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-graduação em Educação Matemática. Curitiba, EBRAPEM. Recuperado a partir de: http://www.ebrapem2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2016/04/gd13_ana_koepsel.pdf

Koepsel, A. P. P., & Silva, V. C. S. (2018). Uso de materiais didáticos instrucionais para inclusão e

Líbera, B. D., & Silva, V. F. (2017). Relato de experiência: o Dosvox no Ensino Fundamental do Instituto Benjamin Constant. Revista de Iniciação Científica da ULBRA. 17(21). Recuperado a partir de: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/edicoes/17/21

Lima, G. M. & Oliveira, V. G. L. (2018). A adaptação de material didático matemático para deficientes visuais. In: 6 Seminário de Pós-Graduação em Educação para Ciências e Matemática. Jataí: IFRN. Recuperado a partir de: http://revistas.ifg.edu.br/semlic/article/view/637

Lima, L. P. S. (2015). Ludicidade no ensino e aprendizagem de uma criança com deficiência visual (Monografia de Especialização, Universidade de Brasília, Brasília, Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional). Recuperado a partir de: http://bdm.unb.br/handle/10483/11051

Lima, M. A., Rodrigues, D., Almeida, P. V., Cardoso, P. C. F., & Freire, A. P. (2019). Análise de verbalizações de fórmulas matemáticas por professores com experiência no ensino de pessoas com deficiência visual. Rev. Est. Ling. Belo Horizonte. 27(3): 1371-1397. doi: 10.17851/2237-2083.27.3.1371-1397

Lima, N. R. W., & Pinto, T. M. M. (2017). Dobraduras e colagens no ensino de geometria para estudantes cegos do ensino fundamental no período de contra turno. Ensino & Pesquisa. 15(4): 237-256. Recuperado a partir de: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/ensinoepesquisa/article/view/13

Lima, T. S. (2017). Multiplano como recurso didático para o ensino de função afim a alunos deficientes visuais (Monografia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/4396

Lins, A. F., Pereira, P. S., Simões, P. A., & Moura, A. A. (2019). Pesquisas realizadas sobre educação matemática inclusiva no projeto OBEDUC em rede UFMS/UEPB/UFAL. Braz. J. of Develop. Curitiba. 5(9): 16395-16404. Doi: 10.34117/bjdv5n9-189

Lins, M. & Alchieri J. C. (2016). Estratégias de Aprendizagem Utilizadas por Estudantes Cegos e Videntes. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. 11(3), 1221-1241. doi: https://doi.org/10.21723/riaee.v11.n3.7311

Luiz, N. M. (2018). Teorema de Pitágoras: uma proposta de ensino e aprendizagem para alunos deficientes visuais (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas). Recuperado a partir de: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/10421

Machado, K. S. (2016). Aprendendo a ensinar geometria plana para estudantes cegos (Monografia, Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: http://ri.unir.br/jspui/handle/123456789/1096

Magalhães, R. O., & Moura, G. L. S. (2016). Moda, média e mediana com o uso de recursos táteis e tecnológicos: Multiplano e Geogebra. In: 10 Simpósio Linguagens e Identidades da/na Amazônia Sul Ocidental. Rio Branco: UFAC. Recuperado a partir de: https://periodicos.ufac.br/index.php/simposioufac/article/viewFile/912/509

Mamcasz-Viginheski, L. V., Shimazaki, E. M., Silva, S. C. R., & Pacheco, E. R. (2017). Formação de conceitos em geometria e álgebra por estudante com deficiência visual. Ciênc. Educ. Bauru. 23(4): 867-879. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320170040008

Marques, C. M., Sganzerla M. A. R., & Geller, M. (2018). Contátil: uma tecnologia assistiva ao ensino de fundamentos matemáticos. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação. 16(1): 1-9. Doi: https://doi.org/10.22456/1679-1916.86035

Martins, E. G., & Bianchini, B. L. (2018). Resolução gráfica de sistemas de equações lineares de primeiro grau: explorando o estilo de pensamento matemático visual com um sujeito cego. Revista de Produção Discente em Educação Matemática. (1): 82-94. Recuperado a partir de: https://revistas.pucsp.br/pdemat/article/view/37062

Martins, S. de A. R. (2017). Materiais manipuláveis como recursos para o ensino de equação do primeiro grau a deficientes visuais. (Monografia de Especialização, Universidade Federal Tecnológica do Paraná, Londrina, Especialização Em Educação em Matemática e Ciências). Recuperado a partir de: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/9080

McDermott-Wells, P. M. (2015). Math in the Dark: Tools for Expressing Mathematical Content by Visually Impaired Students (Tese de Doutorado, Nova Southeastern University, Florida, College of Engineering and Computing). Recuperado a partir de: http://nsuworks.nova.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1060&context=gscis_etd/

Mello, F. A., Caetano, J. L. P., & Miranda, P. R. (2017). Ferramentas tácteis no ensino de Matemática para um estudante cego: uma experiência no IF Sudeste MG. REMAT. 3(1): 11-25. Recuperado a partir de: https://www.periodicos.ifrs.edu.br/index.php/REMAT/article/view/2209/1596

Mello, F. M. & Miranda, P. R. (2016). O projeto “matemática para além da visão” e a confecção de uma ferramenta táctil para educandos cegos. In: 12 Encontro Nacional de Educação Matemática. São Paulo, SBEM. Recuperado a partir de: http://www.sbembrasil.org.br/enem2016/anais/pdf/4748_3939_ID.pdf

Mendes Júnior, J. L. M. (2016). Objeto de aprendizagem hiperligado com materiais manipuláveis para o ensino de geometria espacial para alunos com baixa visão na educação básica (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Programa de Pós-Graduação em Ensino na Educação Básica). Recuperado a partir de: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/5999

Menezes, A. L. S. (2017). Investigação do desenvolvimento do pensamento geométrico por meio do uso de um videojogo por estudantes cegos (Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática). Recuperado a partir de: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8138

Miku?owski, D. & Ma?kowski, J. (2018). An approach of explaining math function graphs through the sound representation for blind students. Studia Informatica. 1-2(22), 21–29. Recuperado a partir de: http://yadda.icm.edu.pl/yadda/element/bwmeta1.element.baztech-52edf771-ba99-44ce-b7b9-4e782909a358

Ministério da Educação (2018). Base Nacional Comum Curricular - BNCC. MEC. Recuperado a partir de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Miranda, F. A. M., Miranda, J. S., & Martini, L. C. (2019). ALFAMATECA: Software de matemática para deficientes visuais em fase de alfabetização. In: 6 Congresso Nacional de Educação. Recuperado a partir de: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV127_MD1_SA19_ID10573_16092019001236.pdf

Moeller, J. D., Sganzerla, M. A. R., & Geller, M. (2018). Math Touch: tecnologia assistiva para o desenvolvimento de conceitos matemáticos básicos. Revista Pesquisa Qualitativa. 6(12): 448-469. Doi: http://dx.doi.org/10.33361/RPQ.2018.v.6.n.12.235

Mollossi, L. F. S. B., Aguiar, R., & Moretti, M. T. (2016). Materiais didáticos para a inclusão de educandos cegos no ensino de matemática. In: 2 Colóquio Luso-Brasileiro de Educação. Joinville: UDESC. Recuperado a partir de: http://periodicos.udesc.br/index.php/colbeduca/article/view/8329

Morais, I. M. (2018). Pré-Sorobã: desenvolvimento das competências matemáticas básicas do aluno com deficiência visual. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal. 5(1): 171-178. Recuperado a partir de: http://www.periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/360

Moreno-Chaparro, C, Martini, L. C. León Q., L., Sanmiguel, J. P. & Larco, J. C. (2015). Designed program for a visually impaired individual to construct geometric figures using a braille printer. In: 13 International Conference e-Society. Madeira: iadis. Recuperado a partir de: https://www.researchgate.net/profile/Piet_Kommers/publication/323277167_E-Society_2015/links/5a8b9298a6fdcc6b1a43dcd1/E-Society-2015.pdf#page=263

Nery, E. S. S., & Sá, A. V. M. (2019). A deficiência visual em foco: estratégias lúdicas na Educação Matemática Inclusiva. Revista Educação Especial. Santa Maria. 32: 1-26. doi: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X35402

Neves, C. N., & Maia R. M. C. S. (2018). O uso de materiais adaptados para o ensino da matemática para estudantes com deficiência visual. BoEM. Joinville. 6(11): doi: http://dx.doi.org/10.5965/2357724X06112018119

Nunes, S. & Lomônaco, J. F. B. (2010). O aluno cego: preconceitos e potencialidades. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. 14(1), 55-64. Recuperado a partir de: http://www.scielo.br/pdf/pee/v14n1/v14n1a06.pdf/Similarpages

Oliveira, D. (2016). Modelagem no ensino de matemática para estudantes cegos. (Dissertação, Universidade Estadual do Centro Oeste, Guarapuava, Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais e Matemática). Recuperado a partir de: http://www2.unicentro.br/ppgen/files/2016/07/DISSERTAÇÃO_Daiana.pdf

Oliveira, L. K. (2019). Inclusão de deficientes visuais no ensino de geometria plana (Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT). Recuperado a partir de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/181923

Oliveira, M. F. & Kaleff, A. (2015). Sobre uma experiência no ensino de diferentes sistemas de numéricos para alunos com deficiência visual: O caso do sistema binário. In: 5 Seminário Nacional de História e Investigações de(em) Aulas de Matemática. Campinas: UNICAMP. Recuperado a partir de: https://www.cempem.fe.unicamp.br/sites/www.cempem.fe.unicamp.br/files/anais_shiam-v3.invau.pdf#page=288

Paim, E. T. (2015). Matemática para alunos com deficiência visual: prática para o ensino de produtos notáveis (Monografia, Universidade Federal de São João Del-Rei, São João Del-Rei, Licenciatura em Matemática a Distância). Recuperado a partir de: http://dspace.nead.ufsj.edu.br/trabalhospublicos/handle/123456789/45

Pasquarelli, R. C. C. (2015). A Inclusão de Alunos com Deficiência Visual do 9° ano do Ensino Fundamental no Processo de Ensino e Aprendizagem de Estatística (Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática). Recuperado a partir de: https://leto.pucsp.br/bitstream/handle/11030/1/Rita%20de%20Cassia%20Celio%20Pasquarelli.pdf

Pasquarelli, R. de C. C., & Manrique, A. L. (2016). A inclusão de estudantes com deficiência visual no ensino e aprendizagem de estatística: medidas de tendência central. Revista EMP. 18(1): 309-329. Recuperado a partir de: http://revistas.pucsp.br/emp/article/view/26675/pdf

Paulino, A. A., Mauso, A. P. T., Gomes, E. C. R. S., & Rosario, E. S. (2018). Geometria plana na educação inclusiva dos deficientes visuais: um projeto de ensino desenvolvido no estágio supervisionado. COINSPIRAÇÃO - Revista de Professores que ensinam Matemática. Mato Grosso. 1(2): 223-230. Recuperado a partir de: http://sbemmatogrosso.com.br/publicacoes/

Phillips, C. M. L., Gulley, A. P., Prickett, L. C., Noble, S., Ragland, M. F., Price, J. L., … Dunn, C. (2018). Solving Problems of Mathematics Accessibility with Process-driven Math: Methods and Implications. In: ASEE Annual Conference & Exposition. Recuperado a partir de: https://par.nsf.gov/servlets/purl/10065780

Pinheiro, A. A., Araújo, A. G. P., & Gonçalves, L. S. (2016). Multiplano como auxílio no ensino de matemática para pessoas cegas. Campina Grande: CINTEDI. In: 2 Congresso Internacional de Educação Inclusiva. Campina Grande: CINTEDI. Recuperado a partir de: http://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA16_ID3496_12102016174714.pdf

Pinheiro, A. R., Rodrigues, D. F, & Faria, E. C. (2017). Motivação para aprender: dos materiais concretos à didática do professor. In: 6 Encontro Goiano de Educação Matemática. Recuperado a partir de: http://www.sbem-go.com.br/anais/index.php/EnGEM/article/view/24

Pinho, T. M. M. & Lima, N. R. W. (2016). Dobrando sacolas de plástico: um instrumento no ensino de geometria para estudantes cegos do ensino fundamental. In: 3 Congresso Nacional de Educação. Natal: CONEDU. Recuperado a partir de: https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD1_SA7_ID3827_14082016003230.pdf

Pitchford, N.J., Kamchedzera, E., Hubber, P. J., & Chigeda A. L. (2018). Interactive Apps Promote Learning of Basic Mathematics in Children With Special Educational Needs and Disabilities. Journal Frontiers in Psycholog. 9, 1–14. Doi: https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.00262

Quiñonez, L. D. C. L. (2016). MatGrafvoice: sistema de tratamento matemático e visualização tátil de funções matemáticas através de uma impressora Braille (Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica). Recuperado a partir de: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/321416

Rabêllo, R. S. (2011). Teatro-educação: uma experiência com jovens cegos. Salvador: EDUFBA. Recuperado a partir de: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/2803/1/_Teatro.pdf

Regec, V. (2015). Mathematics in inclusive education of blind students in secondary school in the Czech Republic. Procedi: Social and Behavioral Sciences. 174, 3933–3939. doi: 10.1016/j.sbspro.2015.01.1136.

Rodrigues, P. A., Magalhães, E. B., & Lima, I. P. (2017). A utilização do multiplano para a aprendizagem de alunos deficientes visuais. In: 4 Congresso Nacional de Educação. Recuperado a partir de: https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV073_MD1_SA10_ID6665_11092017133207.pdf

Rodriguez-Ascaso, A., Letón, E., Muñoz-Carenas, J., & Finat, C. (2018) Accessible mathematics videos for non-disabled students in primary education. PLoS ONE, 13(11). Doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0208117

Rosa, M. T. (2018). Uso de recursos tecnológicos no ensino de matemática para deficientes visuais (Monografia de Especialização, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Especialização em Mídias na Educação). Recuperado a partir de: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/201756

Salvino, L. G. M. & Onofre, E. G. (2016). Matemática no atendimento educacional especializado: Um olhar sobre um aluno cego. In: 2 Congresso Internacional de Educação Inclusiva. Campina Grande: CINTEDI. Recuperado a partir de: https://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA6_ID839_18102016191358.pdf

Salvino, L. G. M. (2017). Tecnologia assistiva no ensino de matemática para um aluno cego do ensino fundamental: desafios e possibilidades. (Dissertação, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática). Recuperado a partir de: http://tede.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/tede/2906

Santos, D. V., Gonzaga, D. S. & Scarpelli, R. T. (2019). Translação de polígonos no plano cartesiano para alunos com deficiência visual. In: 13 Encontro Nacional de Educação Matemática. São Paulo, SBEM. Recuperado a partir de: https://www.sbemmatogrosso.com.br/eventos/index.php/enem/2019/paper/viewPaper/1188

Santos, F. B. (2016). A aprendizagem de conceitos básicos de probabilidade por uma dupla de estudantes cegos e videntes mediados pela maquete tátil. In: 12 Encontro Nacional de Educação Matemática. São Paulo, SBEM. Recuperado a partir de: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/7735_3997_ID.pdf

Santos, F. L., Cordeiro, J. P., Gonçalves, N. T. L. P., & Thiengo, E. R. (2017). Contribuições da tecnologia na construção de uma educação inclusiva: o trabalho com um aluno deficiente visual nas aulas de Matemática. Educação Matemática Debate. Montes Claros. 1(2): doi: http://dx.doi.org/10.24116/emd25266136v1n22017a02

Santos, F. M., Moraes, M. E. L., & Sales, E. R. (2017). O braile fácil em matemática no ensino superior: uma experiência com um aluno cego na perspectiva de promoção de autonomia. Revista REAMEC. 5(1): 165-176. Recuperado a partir de: https://doaj.org/article/9b7abcb5f5bc445b91178391daf6af8a

Santos, J. (2018). Introdução ao conceito da função exponencial: um olhar para a educação inclusiva (Dissertação de mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT). Recuperado a partir de: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/2992

Santos, J. L. & Sganzerla, M. A. R. (2018). Impressora 3D de baixo custo para auxiliar cegos e/ou baixa visão na construção de sólidos geométricos: Projeto mark. Revista de Iniciação Científica da ULBRA. Canoas. 16: 88-107. Recuperado a partir de: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/ic/article/view/4691

Santos, J. L., & Borba, R. E. S. R. (2019). Relações entre ferramentas materiais e mediação na construção de conhecimento probabilístico de um estudante cego. In: 3 Congreso Internacional Virtual de Educación Estadística. Recuperado a partir de: www.ugr.es/local/fqm126/civeest.html

Santos, N. F. & Mendes, A. A. (2017). Alunos com baixa visão: atividades pedagógicas e estratégias de aprendizagem na matemática. 2 Seminário Científico do UNIFACIG. Recuperado a partir de: http://pensaracademico.facig.edu.br/index.php/semiariocientifico/article/view/118

Scot, C. Q. V., & Souto, K. C. (2017). Uso de Geoplano adaptado como material didático concreto no ensino de gráfico de funções matemáticas: Uma experiência com deficientes visuais. In: 10 Encontro Internacional de Formação de Professores. Recuperado a partir de: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/issue/view/11

Segadas-Vianna, C. S., Bernardo, F. G., Pereira, F. C., Moreira, J. C. S., Santos, R. C., & Garcez, W. R. (2016). Resolução de problemas de combinatória com uso de recursos didáticos para alunos com deficiência visual ou surdos. In: 12 Encontro Nacional de Educação Matemática. São Paulo, SBEM. Recuperado a partir de: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/5646_2399_ID.pdf

Segadas-Vianna, C. S., Bernardo, F. G., Pereira, F. C., Moreira, J. C. S., Santos, R. C., & Garcez, W. R. (2016). A influência dos enunciados e dos materiais no ensino da análise combinatória para alunos surdos e para alunos com deficiência visual. REPEM. Campo Mourão. 5(9): 12-32. Recuperado a partir de: https://pdfs.semanticscholar.org/4bed/8c145a29bc6ea6890b6b91859906a4c2e017.pdf

Sganzerla, M. A. R., & Geller, M. (2015). Contátil: Potencialidades de uma Tecnologia Assistiva, (re)adaptando o Material Dourado para Cegos. (Projeto de Pesquisa, Universidade Luterana do Brasil, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática). Recuperado a partir de: http://www.tise.cl/volumen11/TISE2015/71-80.pdf

Sganzerla, M. A. R.; Rodrigues, R. da S.; Moeller, J. D.; Geller, M. (2016). Math Touch: Implementação de uma TA (Projeto de Pesquisa, Universidade Luterana do Brasil, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática). Recuperado a partir de: http://gravatai.ulbra.tche.br/~mariars/MathCava.pdf

Shimazaki, E. M., Silva, S. C. R., & Viginheski, L. V. M. (2015). O ensino de matemática e a diversidade: o caso de uma estudante com deficiência visual. Interfaces da Educ. Paranaíba 6(18): 148-164. Recuperado a partir de: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/1082

Silva, A. C. & Onofre, E. G. (2016). Jogos matemáticos e alunos com deficiência visual: desenhando ações pedagógicas inclusivas. In: 2 Congresso Internacional de Educação Inclusiva. Campina Grande: CINTEDI. Recuperado a partir de: http://www.editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA3_ID1146_28072016204632.pdf

Silva, A. C., & Onofre, E. G. (2016). Jogos matemáticos e alunos com deficiência visual: Desenhando ações pedagógicas inclusivas. In: 2 Congresso Internacional de Educação Inclusiva. Campina Grande: CINTEDI. Recuperado a partir de: http://www.editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA3_ID1146_28072016204632.pdf

Silva, F. C. P. (2015). Percepção tátil de objetos do cotidiano: estudo de caso no reconhecimento de formas geométricas e a representação gráfica de cegos congênitos (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Programa de Pós-Graduação em Design). Recuperado a partir de: http://www.acervodigital.ufpr.br/handle/1884/39896

Silva, L. M. S. (2015). Do improviso às possibilidades de ensino: estudo de caso de uma professora de matemática no contexto da inclusão de estudantes cegos (Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática). Recuperado a partir de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/136763

Silva, M. D. (2016). Conhecimentos de Professores Sobre o Ensino de Geometria com Material Manipulável para Estudantes Cegos. In: 20 Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matremática. Curitiba: EBRAPEM. Recuperado a partir de: http://www.ebrapem2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2016/04/gd13_mayra_silva.pdf

Silva, M. D., Carvalho, L. M. T. L., & Pessoa, C. A. S. (2016). Material manipulável de geometria para estudantes cegos: reflexões de professores brailistas. REPEM. Campo Mourão. 5(9): 176-202. Recuperado a partir de: https://www.researchgate.net/profile/Liliane_Carvalho/publication/

Silva, R. dos S. (2016). A Utilização Do Multiplano No Ensino Da Matemática Na Educação Básica: Uma Proposta Para A Educação Inclusiva. (Dissertação, Universidade Federal de Tocantins, Palmas, Programa De Mestrado Profissional Em Matemática Em Rede Nacional – PROFMAT). Recuperado a partir de: http://ead.ufac.br/ava/pluginfile.php/36793/mod_resource/content/1/2014_02842_RAWLINSON_DOS_SANTOS_SILVA.pdf

Silva, S. B., & Meucci, R. D. (2017). Brincando com Matemática: uma alternativa educacional tangível e acessível ao ensino básico. Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística. 6(4): 14-21. Recuperado a partir de: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/

Silva, T. S. (2015). Matemática Inclusiva: ensinando matrizes a deficientes visuais (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT). Recuperado a partir de: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/10949

Silveira, C., Aguiar, R., & Frizzarini, S. T. (2019). Caneta 3D: Uma nova perspectiva para o ensino de matemática para cegos. In: 3 Simpósio Ibero-Americano de Tecnologias Educacionais. Araranguá, UFSC. Recuperado a partir de: https://150.162.233.193/index.php/sited/article/download/117/14

Simões, P. A., & Lins, A. F. (2018). Trajetória e processo: educação matemática inclusiva, o uso do jogo da velha na geometria para alunos deficientes visuais. In: 3 Congresso Internacional de Educação Inclusiva. Campina Grande: CINTEDI. Recuperado a partir de: http://www.editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV110_MD1_SA17_ID226_03082018235008.pdf

Spinczyka, D., Ma?kowskib, M., Kempac, W. & Rojewska, K. (2019). Factors influencing the process of learning mathematics among visually impaired and blind people. Computers in Biology and Medicine. 104, 1–9. doi: https://doi.org/10.1016/j.compbiomed.2018.10.025.

Splett, E. S. (2015). Inclusão de alunos cegos nas classes regulares e o processo de ensino e aprendizagem de matemática (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática). Recuperado a partir de: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/6755

Stone, B. W., Kay, D. & Reynolds, A. (2019). Teaching Visually Impaired College Students in Introductory Statistics. Journal of Statistics Education. 00(0), 1–13. Doi: 10.1080/10691898.2019.1677199

Sulistyowati, F., Kuncoro, K. S., Nugraheni, P., Hernowo, H. & Setyawan, F. (2019). The problems of teaching fractional arithmetic operations for disabled student using Realistic Mathematics Education. Journal of Physics: Conf. Series. 1188, 1–7. doi: 10.1088/1742-6596/1188/1/012030.

Tavares, E. R. B. (2018). A pessoa com deficiência visual e o processo de aprendizagem em matemática: caminhos e descaminhos. (Dissertação, Universidade Federal de Tocantins, Palmas, Programa de Pós-Graduação em Educação). Recuperado a partir de: https://umbu.uft.edu.br/handle/11612/1454

Toledo, C. C., Paiva, A. P. G., Camilo, G. B., Maior, M. R. S., Leite, I. C. G. & Guerra, M. R. (2010). Early detection of visual impairment and its relation with school effectiveness. Revista da Associação Médica Brasileira. 56(4), 415–419. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000400013.

Toste, T. A., Reis, H. M. M. de S.’N., & Victer, E. F. (2016). Tabuleiro das expressões: um auxiliador no ensino da matemática para alunos com deficiência visual. Revista de Educação, Ciências e Matemática. 6(1): 151-163. Recuperado a partir de: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/3415

Uliana, M. R., & Leite, E. A. P. (2019). Educação inclusiva no curso de extensão universitária: estratégias, recursos e materiais didáticos no ensino de matemática para estudantes da educação básica com deficiência visual. Pesquisa e Prática em Educação Inclusiva. Manaus. 1(2): 297-311. Recuperado a partir de: http://periodicos.ufam.edu.br/educacaoInclusiva/article/view/4216

Vergara, G. F. P. (2016). Deficiência visual: doze ideias para a aula de matemática em classes inclusivas. (Monografia, Universidade Federal Do Rio Grande Do Sul, Porto Alegre, Licenciatura em Matemática). Recuperado a partir de: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/134186

Viginheski, L. V. M., Aires, J. P., Silva, S. C. R., Pilatti, L. A., Frasson, A. C., & Shimazaki, E. M. (2017). Análise de produtos desenvolvidos no mestrado profissional na área de matemática: possibilidades de adaptações para o uso com estudantes cegos. Rev. Diálogo Educ. Curitiba. 17(51): 223-250. doi: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.17.051.AO05

Wiazowski, J. (2018). Sight, touch, hearing: The current digital options and challenges in access to math content for learners with visual impairments. Forum Pedagogiczne. 2, 227–240. doi: 10.21697/fp.2018.2.16.

World Health Organization - WHO. (2019). World Report on Vision. Geneva: World Health Organization; Recuperado a partir de: https://www.who.int/publications-detail/world-report-on-vision

Xavier, T. M. A. M. & Santiago, Z. M. A. (2019). O soroban como instrumento de aprendizado na formação de professores do ensino básico. In: 4 Congresso Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências. Recuperado a partir de: https://editorarealize.com.br/revistas/conapesc/anais.php

Downloads

Publicado

31/12/2020

Como Citar

Soares Barbosa, F. C., Rodrigues de Medeiros, E. J., Rodrigues de Medeiros, S. R., & de Medeiros Júnior, R. N. (2020). PROPOSTAS DE ENSINO DE MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: REVISÃO SISTEMÁTICA EXPLORATÓRIA DA LITERATURA. HOLOS, 8, 1–37. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9483

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.