FORMAÇÃO DE PROFESSORES E POLÍTICAS CURRICULARES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: UM DEBATE SOBRE A DELIMITAÇÃO DO CAMPO DE CONHECIMENTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.4353

Palavras-chave:

Políticas de Educação Superior, Políticas de Formação de professores, Pedagogia, Universidade e Formação de Professores.

Resumo

Este texto é fruto de uma pesquisa realizada no mestrado em Educação da UNOESC-SC que analisa as tendências curriculares na visão dos professores do curso de Pedagogia. O objetivo desta produção é apresentar o Estado da Arte que tem como categorias que norteiam a investigação: Políticas Curriculares, Formação de Professores, Políticas Educacionais e Formação do Pedagogo.  A pesquisa foi financiada pelo Fundo de Amparo à Pesquisa da Unoesc - Fape Unoesc, e está vinculada a um projeto macro da Rede Iberoamericana de Politicas e Processos em Educação Superior Unoesc Unicamp. Este estudo auxilia investigações que tem como base discussões sobre políticas publicas de formação de professores, por meio de um levantamento e debate junto a autores especialistas no tema, tais  como Pereira (1999), Libâneo (2006), Aguiar et. al. (2006), Scheibe (2007), Scheider (2010), Gatti (2013), Casagrande (2014) entre outros. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e documental, tendo como fundamentação teorica a análise dos textos encontrados no Estado da Arte realizado no site do Scielo, Capes teses e dissertações e Capes Periódicos. Este debate entre os diversos autores contribuiu para uma possivel delimitação do campo do conhecimento cientifico. A análise do objeto da pesquisa pelo que foi encontrado nos sites cientificos, apresentou como resultado parcial,  uma enorme e evidente manipulação de agências financiadoras internacionais e do Estado Liberal brasileiro, sobre as políticas construidas a partir de interesses voltados ao mercado capitalista. Estas imposições podem ser percebidas nas Diretrizes Curriculares da maioria da educação superior brasileira, hora privilegiando a pedagogia técnica, ora impondo ajustes não contributivos para áreas de formação como é o caso das Licenciaturas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Aguiar, M. A. S. et al. (2006). Diretrizes Curriculares do curso de Pedagogia no Brasil: disputas de projetos no campo da formação do profissional da educação. Educação & Sociedade, 27(96), 819-842. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v27n96/a10v2796.pdf

Almeida, M. L. P. ; Silva, S. R. (2015). A perspectiva epistemológica em Antônio Gramsci e a pesquisa de Políticas Educacionais. Educação Temática Digital, 17(1), 27-41. Recuperado de http://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/etd/view/6867

Brasil. Ministério da Educação e Cultura. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: n. 9394/96. Brasília: MEC.

Casagrande, L. M. K., Pereira, S. M. e Sagrillo, D. R. (2014). O Banco Mundial e as políticas de formação docente no Brasil. ETD, 16(3), 494-512. Recuperado de https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/etd/article/view/6700

Connor, S. (1992). Theory and Cultural Value. Oxford: Blackwell.

Durli, Z. ; Nardi, E. L. & Schneider, M. P. (2009). Reforma dos cursos de formação de professores: relações entre as políticas curriculares e a prática pedagógica. Educação, 32 (3) 331-338. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/4946/4189

Ferreira, N. S. A. (2002). As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação e Sociedade, 23(79), 257-272. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf

Gatti, B. A. (2015). Educação, escola e formação de professores: políticas e impasses. Educar em Revista, 50(05), 51-67. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/er/n50/n50a05.pdf

Libâneo, J. C. Diretrizes Curriculares da Pedagogia: imprecisões teóricas e concepção estreita da formação profissional de educadores. Educação & Sociedade, 27(96), 843-876. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v27n96/a11v2796.pdf

Pereira, J. E. D. (1999). As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, 20(68), 109-125. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a06v2068.pdf

Scheibe, L. (2007) Diretrizes Curriculares para o curso de Pedagogia: trajetória longa e inconclusa. Caderno de Pesquisa, 37(130), 43-56. 3Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/cp/v37n130/04.pdf

Schneider, M. P. (2010). A organização interdisciplinar na reforma curricular da formação docente. Educação, 35(1), 139-154. Recuperado de http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/reveducacao/article/view/1371

Downloads

Publicado

18/07/2017

Como Citar

Strobel Neto, W., & Almeida, M. de L. P. de. (2017). FORMAÇÃO DE PROFESSORES E POLÍTICAS CURRICULARES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: UM DEBATE SOBRE A DELIMITAÇÃO DO CAMPO DE CONHECIMENTO. HOLOS, 1, 91–103. https://doi.org/10.15628/holos.2017.4353

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.