O USO TERAPÊUTICO DA FLORA NA HISTÓRIA MUNDIAL

Autores

  • Francisco Angelo Gurgel da Rocha Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais e Condimentares - NUPLAC; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN/Campus Currais Novos.
  • Magnólia Fernandes Florêncio de Araújo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Nilma Dias Leão Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Roberto Pereira da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte.

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.2492

Palavras-chave:

Etnobotânica, medicina tradicional, fitoterapia, ervas medicinais, medicina herbal

Resumo

Este artigo descreve os principais fatos relacionados ao uso de espécies vegetais bioativas ao longo da história humana. São apresentados fatos e eventos que abrangem desde as comunidades pré-históricas,  antiguidade (Índia, China, Grécia, Egito), idade Média e período das Grandes navegações. Em relação ao Brasil, são relatados os fatos mais marcantes na história pertinente ao uso da flora para finalidades terapêuticas, descrevendo-se os fatos mais marcantes, ocorridos desde o período Colonial até o início do Século XXI. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Angelo Gurgel da Rocha, Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais e Condimentares - NUPLAC; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN/Campus Currais Novos.

Licenciado Ciências Biológicas, Especialista em Ciências Biológicas (Área Temática: Saúde e Nutrição), Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (UERN) e Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFRN). Professor Pesquisador do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), no qual atua nas áreas da Biologia Geral, Microbiologia e Biotecnologia de Alimentos. Desenvolve pesquisas nas área de Etnobotânica, Etnofarmacologia e Microbiologia de Alimentos.

Magnólia Fernandes Florêncio de Araújo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Pós-doutora em Educação em Ciência para o Desenvolvimento Sustentável. Professora Associado I do Departamento de Ciências Biológicas/UFRN. Tem experiência na área de Microbiologia ambiental, com ênfase em Ecologia de Microrganismos aquáticos, atuando principalmente em ecossistemas aquáticos do semi-árido norteriograndense. Em uma segunda linha de trabalho e orientação de alunos de pós-graduação, tem pesquisado sobre as dificuldades de aprendizagem e concepções alternativas de professores e alunos do ensino básico em conteúdos de Biologia, além de desenvolver trabalhos de divulgação científica e educação ambiental em Região do semi-árido do Rio Grande do Norte, com ênfase na educação biológica para desenvolvimento sustentável.

Nilma Dias Leão Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Possui Doutorado em Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2010). É professora Adjunto IV da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Tem experiência de pesquisa na área de Saúde Coletiva, com ênfase principalmente na Saúde da Mulher e na Mortalidade Infantil. Atualmente é vice-coordenadora de uma pesquisa sobre aborto na adolescência. É pesquisadora da Base de Pesquisa da Saúde Coletiva e colaboradora da Base de Pesquisa do Grupo de Estudos Demográficos. Também é tutora do PETSAÚDE. 

Roberto Pereira da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte.

Enfermeiro, Especialista em Saúde Coletiva e em Enfermagem do Trabalho. Aluno do Curso de Licenciatura em Química do IFRN, Pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais e Condimentares (NUPLAC) do Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte  - IFRN.

Referências

ABOELSOUD, N. H. Herbal medicine in ancient Egypt. Journal of Medicinal Plants Research, v. 4, n. 2, p. 082-086, 2010.

ALENCAR, N. L. Medicinal Plants Prescribed in the Hospital of the São Bento Monastery between 1823 and 1824 in Olinda – Northeastern Brazil. The Open Complementary Medicine Journal, v.2, p. 74-79, 2010.

ALMEIDA, M. Z. Plantas Medicinais. 2 ed. Salvador: EDUFBA, 2003.

ALLEN, G.M. et al. 50 Common native important plants in Florida’s ethnobotanical history. University of Florida. Circular 1439, p. 1-21, 2012.

ANTONIO, G. D.; TESSER, C. D.; MORETTI-PIRES, R. O. Contribuições das plantas medicinais para o cuidado e a promoção da saúde na atenção primária. Interface - Comunicação Saúde Educação, v.17, n.46, p.615-33, 2013.

ALVES, R. R. N.; SILVA, C. C.; ALVES, H. N. Aspectos socioeconômicos do comércio de plantas e animais em áreas metropolitanas do norte e nordeste do Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 8, n. 1, p. 181-189, 2008.

BOFF, B. S. et al. Investigação da presença de efedrinas em Ephedra tweediana Fisch & C.A. Meyer e em E. triandra Tul. (Ephedraceae) coletadas em Porto Alegre/RS. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n.3, p. 394-401, 2008.

BRANDÃO, M. G. L. Brazilian medicinal plants described by 19th century European naturalists and in the Official Pharmacopoeia. Journal of Ethnopharmacology, n. 120, p.141–148, 2008.

BRASIL. PORTARIA Nº 971, DE 3 DE MAIO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília, 2006. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html>. Acesso em 18 jul. 2013.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n° 14, de 31 de março de 2010. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Diário Oficial da União, Seção I, nº 61, de 31 de março de 2014. Brasília, DF, 2010a. Disponível em: <http://www.crfma.org.br/site/arquivos/legislacao/resolucoeseinstrucoesnormativasdaanvisa/RDC%2014%202010.pdf>. Acesso em: 6 de março de 2015.

BRASIL. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n° 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2010b. Seção 1, p.52-59.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução RDC n° 18, de 3 de abril de 2013. Dispõe sobre as boas práticas de processamento e armazenamento de plantas medicinais, preparação e dispensação de produtos magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos em farmácias vivas no âmbito do sistema Único de Saúde –SUS. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 de abril de 2013a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2013/rdc0018_03_04_2013.html>. Acesso em 16 nov. 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução RDC nº 13, de 14 de março de 2013. Dispõe sobre as Boas Práticas de Fabricação de Produtos Tradicionais Fitoterápicos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 de março de 2013. 2013b. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2013/rdc0013_14_03_2013.html>. Acesso em 16 nov. 2014.

BRUNING, M.C.R.; MOSEGUI, G.B.G.; VIANA, C.M.M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu-Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciência e Saúde coletiva, v. 17, n. 10, p. 2.675-2.685, 2012.

BUENZ, E. J. Techniques: Bioprospecting historical herbal texts by hunting for new leads in old tomes. Trends in Pharmacological Sciences, v. 25, n.9, p. 494-498, 2004.

CALAINHO, D. B. Jesuítas e Medicina no Brasil Colonial. Tempo, n. 19, p. 61-75, 2005.

CAPASSO, R. et al. Phytotherapy and quality of herbal medicines. Fitoterapia, n. 71, p. 58, 2000.

CUNHA, A. P. Aspectos históricos sobre plantas medicinais, seus constituintes ativos e fitoterapia. ESALQ/USP, 2005. Base de dados. Disponível em: http://www.esalq.usp.br/siesalq/pm/aspectos_historicos.pdf>. Acesso em 24/06/2013.

DIAS, J. P. S. A Farmácia e a História: uma introdução à história da farmácia, da farmacologia e da terapêutica. Lisboa: Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, 2005. Disponível em: < http://www.ufpi.br/subsiteFiles/lapnex/arquivos/files/Farmacia-e-Historia.pdf>. Acesso em: 29 set 2014.

ELGOOD, C. A Medical History of Persia and Eastern Caliphate. Cambridge: Cambridge University Press, 1951, p. 85-93.

FERRI, M. G. História da Botânica no Brasil. In: História das ciências no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1980.

FIGUEIREDO, C. A.; GURGEL, I. G. D.; GURGEL JÚNIOR, G. D. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis Revista de Saúde Coletiva, v.24, n. 2, p. 381-400, 2014.

FILGUEIRAS T. S.; PEIXOTO, A. L. Flora e vegetação do Brasil na carta de caminha. Acta Botanica Brasilica, v. 16, n. 3, p. 263-272, 2002.

FLECK. E. C. D. Da mística às Luzes – Medicina Experimental nas reduções jesuítico-guaranis da Província Jesuítica do Paraguai. Revista Complutense de História Americana, v. 32, p. 153-178, 2006.

GARCIA, E. S. Biodiversidade, Biotecnologia e Saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 11, n. 3, p. 491-494, 1995.

GIOGETTI, M. et al. Brazilian plants with possible action on the central nervous system—A study of historical sources from the 16th to 19th century. Journal of Ethnopharmacology, v. 109, 2007, p. 338–347.

LEV, EFRAIM. Drugs held and sold by pharmacists of the Jewish community of medieval (11–14th centuries) Cairo according to lists of materia medica found at the Taylor–Schechter Genizah collection, Cambridge. Journal of Ethnopharmacology, n. 110, p. 275–293, 2007.

LUZ, M. T. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. PHYSYS: Revista de Saúde Coletiva, v.15, p. 145-176, 2005.

MEDEIROS, M. F. T. et al. Histórico e o uso da “salsa parrilha” (Smilax spp.) pelos boticários no Mosteiro de São Bento. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, supl. 1, p. 27-29, 2007.

MEDEIROS, M. F. T. Etnobotânica histórica: princípios e procedimentos. Recife: NUPEEA, 2009.

MEDEIROS, M. F. T. A interface entre a história, a etnobiologia e a etnoecologia. In: Aspectos históricos na pesquisa etnobiológica. Recife: NUPEEA, 2010a.

MEDEIROS, M. F. T. et al. Identificação de termos oitocentistas relacionados às plantas medicinais usadas no Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botanica Brasilica, n.24, v.3, p. 780-789, 2010b.

MEDEIROS, M. F. T.; ALBUQUERQUE, U. P. The pharmacy of the Benedictine monks: The use of medicinal plants in Northeast Brazil during the nineteenth century (1823–1829). Journal of Ethnopharmacology, v. 139, p. 280–286, 2012.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Medicina Tradicional. Nota descritiva n° 134, Dezembro de 2008. 2008. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs134/es/>. Acesso em: 24 jun. 2013.

PELT, J. Especiarias e ervas aromáticas: história, botânica e culinária. Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

PEREIRA, N. A. et al. Triaga brasílica: renewed interest in a seventeenth century panacea. Toxicon, v. 34, n. 5, p 511-516,1996.

PERINI, E.; ACURCIO, F. A. Farmacoepidemiologia. In: GOMES, M.J.V.M.; REIS, A. M. M. Ciências farmacêuticas: uma abordagem em farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2000.

PINTO, A. C. et al. Produtos naturais: atualidade, desafios e perspectivas. Química nova, v. 25, supl. 1, p. 45-61, 2002.

PIRES, M. J. P. Aspectos históricos dos recursos genéticos de plantas medicinais. Rodriguésia, v. 35, n. 59, p. 61-66, 1984.

POLETTO, R.; WELTER, S. C. A Materia Medica missioneira do Ir. Pedro Montenegro (1710): um estudo sobre as virtudes das plantas medicinais nativas americanas. Revista do Historiador, n. 4, v. 4, p. 96-116, 2011.

RAMINELLI, R. Imagens da colonização. A representação do índio de Caminha a Vieira. São Paulo/Rio de Janeiro: Edusp/Fapesp/Jorge Zahar, 1996, 186 p.

RIDDLE, J.M. Dioscorides on Pharmacy and Medicine. Austin: University of Texas Press, 1985.

RONAN, C. A. Das origens à Grécia. In: História ilustrada da ciência da Universidade de Cambridge. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987a. p. 87-122.

SÁ, I. M.; ELISABETSKY, A. N. E. Medical knowledge exchanges between Brazil and Portugal: An ethnopharmacological perspective. Journal of Ethnopharmacology. n. 142, p. 762–768, 2012.

SAAD, B. Greco-arab and islamic herbal medicine: a review. European Journal of Medicinal Plants, v. 4, n.3, p. 249-258, 2014.

SCALCO, N. et al. Literatura antiga (Século XVIII e XIX) com relatos de plantas medicinais nativas encontradas em instituições de quatro cidades brasileiras. In: Aspectos históricos na pesquisa etnobiológica. NUPEEA, 2010.

SHELDON, J.W.; BALICK, M.J.; LAIRD, S.A. Medicinal Plants: can utilization and conservation coexist? New York Botanical Garden, New York. 1997.

SYED, I. B. Isalmic medicine: 1.000 years ahead of its time. Journal of the International. Society for the History of Islamic Medicine, v.2, p. 2-9, 2002.

WALKER, T. D. The medicines trade in the Portuguese Atlantic World: acquisition and dissemination of healing knowledge form Brazil (c. 1580-1800). In: Social History of Medicine Advanced Access. Oxford: Oxford University Press, 2013.

Downloads

Publicado

2015-03-06

Como Citar

Rocha, F. A. G. da, Araújo, M. F. F. de, Costa, N. D. L., & Silva, R. P. da. (2015). O USO TERAPÊUTICO DA FLORA NA HISTÓRIA MUNDIAL. HOLOS, 1, 49–61. https://doi.org/10.15628/holos.2015.2492

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)