QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE MEDICINA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.10232

Palavras-chave:

Saúde do estudante, promoção da saúde, comportamento relacionado com saúde.

Resumo

Este estudo teve por objetivo analisar a qualidade de vida dos estudantes de medicina, nos diferentes estágios da formação, do primeiro ao sexto ano do curso. Para a pesquisa de corte transversal, descritivo e exploratório, além de questionário socioeconômico, a escala de Flanagan composta por 15 itens foi utilizada para a determinação da qualidade de vida estratificando o grau de satisfação individual em relação ao bem-estar físico e mental, relacionamentos, atividades sociais, comunitárias e cívicas, recreação e desenvolvimento e enriquecimento pessoal. Foi realizada uma análise descritiva dos resultados e o teste de Spearman foi aplicado para avaliar as correlações obtidas com o ano de curso e as questões do instrumento utilizado. As correlações obtidas mostraram-se fracas, mas indicaram que quanto maior a série em que o estudante se encontra, menor a satisfação em relação em alguns componentes da escala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leticia Novak Crestani, Universidade Cesumar

Estudante de Medicina da Universidade Cesumar.

Isabela Fernandes Cracco, Universidade Cesumar.

Estudante de Medicina da Universidade Cesumar.

Gustavo Luiz OLiveira Schoffen, Faculdade FASIPE - Cuiabá (MT).

Mestrando em Promoção da Saúde na Universidade Cesumar.

Otávio Celeste Mangili, Cardiomaringá - Cardiologia e Hipertensão arterial/Parana Medical Research Center

Doutor em Ciencias pela Faculdade de Medicina da USP.  Foi médico pesquisador da unidade clínica de dislipidemia do Instituto do Coração (InCor/HCFMUSP) (2006-2012). Médico Pesquisador do Parana Medical Research Center.

Fernanda Shizue Nishida, Universidade Cesumar/ICETI

Doutora pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo USP). Docente permanente do Programa de Pós Graduação em Promoção da Saúde e curso de Medicina da Universidade Cesumar.

ELY MITIE MASSUDA, Unicesumar/ICETI

Doutora em História Econômica;Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento nas Organizações; Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde.

Referências

Burckhardt, C. S., & Anderson, K. L. (2003). The Quality of Life Scale (QOLS): reliability, validity, and utilization. Health and Quality of Life Outcomes, 1(1), 60. Retrieved from 23 may 2019, from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14613562/. doi: 10.1186/1477-7525-1-60.

Chazan, A. C. S., & Campos, M. R. (2013). Qualidade de vida de estudantes de medicina medida pelo WHOQOL-bref - UERJ, 2010. Revista Brasileira de Educação Médica, 37(3), 376-384. Recuperado em 25 maio, 2020 de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022013000300010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022013000300010.

Chazan, A. C. S., Campos, M. R., & Portugal, F. B. (2015). Qualidade de vida de estudantes de medicina da UERJ por meio do Whoqol-bref: uma abordagem multivariada. Ciência & Saúde Coletiva [online], 20(2), 547-556. Recuperado em 25 maio, 2020 de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000200547&lng=pt&tlng=pt. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.05182014.

Chiocheta, A. J., Sehnem, S. B., & Rosa, A. P. (2017). Avaliação do nível de estresse dos acadêmicos do curso de medicina na fase final do curso. Pesquisa em Psicologia - Anais eletrônicos, 71-82. Recuperado em 25 maio, 2020 de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/15437.

Dantas, R. A. S., Gois, C. F. L., & Silva, L. M. (2005). Utilização da versão adaptada da escala de qualidade de vida de Flanagan em pacientes cardíacos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13(1), 15-20. Recuperado em 20 maio, 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692005000100003&lng=en&nrm=iso. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000100003.

Farias, P. A. M. de, Martin, A. L. A. R., & Cristo, C. S. (2015). Aprendizagem ativa na educação em saúde: percurso histórico e aplicações. Revista Brasileira de Educação Médica, 39(1), 143-150. Recuperado em 20 maio, 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022015000100143&lng=pt&nrm=iso. doi: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n1e00602014.

Feodrippe, A. L. O., Brandão, M. C. F. & Valente, T. C. O. (2013). Qualidade de vida de estudantes de medicina: uma revisão. Revista Brasileira de Educação Médica, 37(3), 418-428. Recuperado em 25 maio, 2020 de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-55022013000300014&script=sci_abstract&tlng=pt. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022013000300014.

Ferreira, C. M. G., Kluthcovsky, A. C. G. C., & Cordeiro, T. M. G. (2016). Prevalência de transtornos mentais comuns e fatores associados em estudantes de medicina: um estudo comparativo. Revista Brasileira de Educação Médica, 40(2), 268-277. Recuperado em 25 maio, 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022016000200268&lng=en&nrm=iso. doi: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v40n2e02812014.

Fiorotti, K. P., Rossoni, R. R., Borges, L. H., & Miranda, A. E. (2010). Transtornos mentais comuns entre os estudantes do curso de medicina: prevalência e fatores associados. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(1), 17-23. Recuperado em 25 maio, 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-20852010000100003&lng=en&nrm=iso. doi: https://doi.org/10.1590/S0047-20852010000100003.

Gracino, M. E., Zitta, A. L. L., Mangili, O. C., & Massuda, E. M. (2016). A saúde física e mental do profissional médico: uma revisão sistemática. Saúde em Debate, 40(110), 244-263. Recuperado em 25 maio, 2020 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042016000300244&lng=en&nrm=iso. doi: https://doi.org/10.1590/0103-1104201611019.

Hashimoto, H., Guedes, S. L., Pereira, V. C., Santos, V. L. C. G., Kimura, M., & Sousa Júnior, A. H. S. (1996). O ostomizado e a qualidade de vida: abordagem fundamentada nas dimensões da qualidade de vida proposta por Flanagan. Revista Brasileira de Colo-Proctologia, 16(supl.1), 74. Recuperado em 25 maio, 2020 de https://repositorio.usp.br/item/000915654.

Henning, M., Krägeloh, C., Hawken, S., Zhao, Y., & Doherty, I. (2010). Quality of life and motivation to learn: a study of medical students. Educational Research, 20(3), 244-256. Retrieved from 25 july 2019, from https://www.iier.org.au/iier20/henning.pdf.

Henning, M. A., Krägeloh, C., Thompson, A., Sisley, R., Doherty, I., & Hawken, S. J. (2015). Religious affiliation, quality of life and academic performance: New Zealand medical students. Journal of Religion and Health, 54(1), 3-19. Retrieved from 20 May 2020, from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24005316/. doi: 10.1007/s10943-013-9769-z

Langame, A. P., Chehuen Neto, J. A., Melo, L. N. B., Castelano, M. L., Cunha, M., & Ferreira, R. E. (2016). Qualidade de vida do estudante universitário e o rendimento acadêmico. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 29(3): 313-325. Recuperado em 25 maio, 2020 de https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/4796. doi: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2016.p313.

Minayo, Maria Cecília de Souza, Hartz, Zulmira Maria de Araújo, & Buss, Paulo Marchiori. (2000). Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1), 7-18. Recuperado em 25 maio, 2020 de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-55092012000200007 https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002

Ministério da Educação. (2019a). Programa Universidade para todos. 2019. Recuperado em 24 maio, 2020 de http://prouniportal.mec.gov.br/o-programa.

Ministério da Educação. (2019b). FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Financiamentos concedidos. 2019a. Recuperado em 22 maio, 2020 de https://www.fnde.gov.br/index.php/financiamento/fies-graduacao/mantenedora-e-ies/financiamentos-concedidos.

Mowbray, C. T., Mandiberg, J. M., Stein, C. H., Kopels, S., Curlin, C., Megivern, D., … Lett, R. (2006). Campus mental health services: recommendations for change. American Journal of Orthopsychiatry, 76(2), 226-237. Retrieved from 24 maio, 2020 from https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1037/0002-9432.76.2.226?casa_token=_xnkcQWDfjEAAAAA:_rf-lZa9NCrvdhdThN9ixjbfBbw3Zy93_E47DxmHjqlwq4HYnwuQkgQB_DStxzpkDdzxc3

Paro, H. B. M. S., Morales, N., M. O., Silva, C. H. M., Rezende, C. H, A., Pinto, R. M. C., Morales, R. R., ... Prado, M. M. (2010). Health?related quality of life of medical students. Medical Education, 44(3), 227-235. Retrieved from 22 may, 2020 from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20444053/. doi: 10.1111/j.1365-2923.2009.03587.x

Portugal, F. B., Campos, M. R., Correia, C. R., Gonçalves, D. A., Ballester, D., Tófoli, L. F., ... Fortes, S. (2016). Social support network, mental health and quality of life: a cross-sectional study in primary care. Cadernos de Saúde Pública, 32(12), e00165115, 2016. Retrieved from 22 may, 2020 from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016001205008&lng=en&nrm=iso. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00165115.

Scheffer, M. (2018). Demografia Médica no Brasil 2018. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Conselho Federal de Medicina.

Scholz, M., Neumann, C., Steinmann, C., Hammer, C, M., Schröder, A., Eßel, N., ... Burger, P. H. M. (2015). Development and correlation of work-related behavior and experience patterns, burnout and quality of life in medical students from Referências 59 their Freshmanship to the First State Examination. Psychotherapie, Psychosomatik, Medizinische Psychologie, 65(3-4), 93-98, 2015. Retrieved from 22 may, 2020 from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25029252/. doi: 10.1055/s-0034-1375630.

Shanafelt, T. D., Balch, C. M., Dyrbye, L., Bechamps, G., Russell, T., Satele, D., ... Oreskovich, M. R. (2011). Special report: suicidal ideation among american surgeons. Archives of surgery, 146(1), 54-62. Retrieved from 22 may, 2020 from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21242446/. Doi: 10.1001/archsurg.2010.292.

Tempski, P., Bellodi, P. L., Paro, H. B. M. S., Enns, S. C., Martins, M. A., Schraiber, L. B. (2012). What do medical students think about their quality of life?: a qualitative study. BMC Medical Education, 12, 106-109. Retrieved from 22 may, 2020 from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23126332/. doi: 10.1186/1472-6920-12-106.

The WHOQOL Group. (1995). The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social Science & Medicine, 41, 1403-1410. Retrieved from 22 may, 2020 from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8560308/. doi: 10.1016/0277-9536(95)00112-k.

Vaz, A. L. L., Gléria, V. O., Bastos, C. F. C., Sousa, I. F., Silva, A. M. T. C., Almeida, R. J. (2020). Fatores associados aos níveis de fadiga e sonolência excessiva diurna em estudantes do internato de um curso de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 44(1), e011. Retrieved from 20 may, 2020 from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022020000100205&lng=en&nrm=iso. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-5271v44.1-20190150.

Publicado

08/12/2021

Como Citar

Crestani, L. N., Cracco, I. F., Schoffen, G. L. O., Mangili, O. C., Nishida, F. S., & MASSUDA, E. M. (2021). QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE MEDICINA. HOLOS, 7. https://doi.org/10.15628/holos.2021.10232

Edição

Seção

ARTIGOS