ÚLCERAS POR PRESSÃO, PREVENÇÃO PRIMÁRIA E EDUCAÇÃO: REVISÃO INTEGRATIVA DE ESTUDOS

Lia Machado Fiuza Fialho, Miriam Viviam Baron, Cristine Brandenburg, José Rogério Santana, Janine Koepp

Resumo


Realizar uma revisão de literatura integrativa de artigos publicados (2010-2013) em bases de dados científicas. O escopo é verificar quais medidas de prevenção primária e ações educativas são disseminadas para evitar e tratar Úlceras por Pressão (UP) ao desenvolver uma análise crítica do conteúdo dos artigos científicos, diretamente relacionados a temática em tela, que foram indexados à Biblioteca Virtual de Saúde (BVS).  Foram selecionados os 13 artigos disponíveis gratuitamente na íntegra, que correspondiam ao tema de investigação para compor a fonte da investigação. Constatou-se, no que concerne ao emprego de medidas preventivas, que, enquanto algumas exprimem efeitos positivos comprovados em estudos com bom nível de evidência, outras não apontam efeitos suficientemente comprovados como benéficos ou eficazes. Em relação às medidas educativas, os estudos convergem ao indicar resultados positivos, inclusive, a educação das equipes foi considerada um dos pilares de sucesso no tratamento de UP.


Palavras-chave


Úlceras por pressão. Prevenção primária. Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


Anders, J., Heinemann, A., Leffmann, C., Leutenegger, M., Pröfener, F. & von Renteln-Kruse, W. (2010).Decubitus ulcers: pathophysiology and primary prevention. Deutsches Arzteblatt International,107(21), 371-382.

Baron, M. V., Carneiro, M.,Fialho, L. M. F. &Santana, J. R.(2012). Úlceras por pressão: uma abordagem multidisciplinar. Fortaleza: UFC.

Bento, A. (2012). Como fazer uma revisão da literatura: considerações teóricas e práticas. Revista JA, 7(65), 42-44.

Chou, R., Dana, T., Bougatsos, C., Blazina, I., Starmer, A. J., Reitel, K. & Buckley, D. I. (2013).Pressure ulcer risk assessment and prevention: a systematic comparative effectiveness review.Annals of Internal Medicine, 159(1), 28-38.

Dahlstrom, M., Best, T., Baker, C., Doeing, D., Davis, A., Doty, J. & Arora V. M. (2011).Improving identification and documentation of pressure ulcers at an urban academic hospital.Joint CommissionJournalonQualityandPatientSafety,37(3), 123-130.

Dardengo, D. D. et al. (2006). Avaliação do índice de conhecimento dos cuidadores de clientes portadores de úlcera por pressão em um bairro do município de Cachoeiro de Itapemirim. Revista Camiliana de Iniciação Científica, 1(1).

European Pressure Ulcer Advisory Panel and National Pressure Ulcer Advisory Panel (Epuap-Npuap). (2009). Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide. Washington.

Figueiredo, Z. M., Tirado, J. J., Mulet, F. V., Núñez, A. J., Andrade, L. M., Miranda, M. C.&Monteiro, M. G. S. (2010). Úlceras por presión en personas con lesión medular: conocimiento de familiares y cuidadores. Avances en Enfermería,28(n. esp.), 29-38.

Galvão, C. M.,Sawada, N. O. &Mendes, I. A. C. (2003).A busca das melhores evidências.Revista da Escola de Enfermagem da USP, 37(4), 43-50.

Ganong, L. H. (1987).Integrative reviews of nursing research. Research in Nursing and Health, 10(1), 1-11.

Hess, C. T. (2002)Tratamento de feridas e úlceras. (4a ed.).Rio de Janeiro: Reich¬mann& Affonso.

Lee, J. Y.,Kim, E. Y.&Cho, E. (2011).Factors impacting the physical function of older adults in Korean long-term care hospitals. Journal of Korean Academy of Nursing,41(6), 780-787.

Leite, N. P.,Sanches, A. J. S.&Santiago, S. N. (2010). Úlceras por pressão:visão nutricional. In W. Malagutti& C. T.Kakihara. Curativo, estomias e dermatologia: uma abordagem multi¬profissional. (pp. 385-400). São Paulo: Martinari.

McGuinness, J., Persaud-Roberts, S., Marra, S., Ramos, J., Toscano, D.,Policastro, L.&Epstein, N. E. (2012). How to reduce hospital-acquired pressure ulcers on a neuroscience unit with a skin and wound assessment team.Surgical Neurology International, 3, 138-143.

Melnyk, B. M. &Fineout-Overholt, E. (2005). Making the case for evidence-based practice. In B. M. Melnyk&E. Fineout-Overholt. Evidence-based practice in nursing & healthcare:a guide to best practice. (pp. 3-24). Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins.

Miranda, L. A.,Ramos, R. S.,Oliveira, O. V. S.,Ramos, L. T.,Spezani, R. S.&Souza, R. M. (2012). Ações de enfermagem na prevenção de úlcera por pressão em pacientes internados em unidades de clínica médica. Revista Enfermagem Atual in Derme,63,7-13.

Palma, M. R. & Sánchez, J. M. V. (2010).La gestión de úlceras por presión en residencias de mayores: obstáculos y facilitadores. Gerokomos, 21(3), 108-113.

Pham, B., Stern, A., Chen, W., Sander, B., John-Baptiste, A., Thein, H. H., Gomes, T., Wodchis, W. P., Bayoumi, A., Machado, M., Carcone, S. &Krahn, M. (2011).Preventing pressure ulcers in long-term care: a cost-effectiveness analysis.JAMAInternal Medicine, 171(20), 1839-1847.

Paranhos, W. Y. (2003). Úlceras de pressão. In S. A. Jorge& S. R. P. E.Dantas. Abordagem multi¬profissional do tratamento de feridas. (pp. 287-298). São Paulo: Atheneu.

Picatoste, J. W., Barreira, Á. S., Pestonit, T. M., Villar, S. R., Baña, Á. P., Álvarez, M. &Gestal, A. E. (2012).Efectividad de una intervención formativa en prevención de úlceras por presión en una unidad de cuidados intensivos quirúrgica: un estudio cuasi experimental.Gerokomos, 23(3), 128-131.

Rantz, M. J., Zwygart-Stauffacher, M., Hicks, L., Mehr, D., Flesner, M., Petroski, G. F., Madsen, R. W., Scott-Cawiezell, J.(2012). Randomized multilevel intervention to improve outcomes of residents in nursing homes in need of improvement.Journal of the American Medical Directors Association, 13(1), 60-68.

Rocha, J. A.,Miranda, M. J.&Andrade, M. J. (2006). Abordagem terapêutica das úlceras de pressão: intervenções baseadas na evidência. ActaMédica Portuguesa, 19, 29-38.

Salcido, R., Lee, A. & Ahn, C. (2011). Heel pressure ulcers: purple heel and deep tissue injury.Advances in Skin &Wound Care, 24(8), 374-380.

Saunders, L. L.,Krause, J. S.&Reed, K. S. (2010).The relationship of pressure ulcers, race, and socioeconomic conditions after spinal cord injury.The Journal of Spinal Cord Medicine,33(4), 387-395.

Sullivan, N.&Schoelles, K. M. (2013).Preventing in-facility pressure ulcers as a patient safety strategy: a systematic review.Annals of Internal Medicine,158(5), 410-416.

Whittemore,R.&Knafl, K. (2005). The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, 52(5), 546-553.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.2356



 

HOLOS IN THE WORLD