PERFIL E PERCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR BACHAREL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Jamille De Amorim Oliveira, Yara Fonseca de Oliveira e Silva

Resumo


O presente trabalho é um recorte da proposta de pesquisa de mestrado que discute as concepções de alguns professores bacharéis sobre suas práticas pedagógicas e analisa se nessas práticas docentes contemplam os elementos e os conceitos da abordagem sociocultural de Vygotsky. A pesquisa está fundamentada pelos estudos de Veiga (1992) para tratar sobre a prática pedagógica, e pelas contribuições de Vygotsky (2007), Masetto (2000), Figueiredo (2006) ao contemplar os conceitos centrais de Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP), Mediação e Aprendizagem Colaborativa, entre outros. A metodologia utilizada é de abordagem qualitativa, tendo a entrevista semiestruturada como instrumento de coleta de dados. Os sujeitos investigados são quatro professores de um Câmpus da Rede Federal de Ensino do Estado de Goiás que atuam na Educação Profissional Básica. Os resultados da pesquisa evidenciam que apesar da predominância de uma prática pedagógica repetitiva desenvolvida por esses professores, há, também, a presença dos elementos/conceitos da abordagem sociocultural de Vygotsky em algumas situações nas aulas desses professores bacharéis contemplando a interação social com atividades colaborativas, uso dos scaffoldings, propiciando assim, a execução da ZPD do aluno. Todavia, os elementos da teoria sociocultural externados por esses professores é algo aleatório desenvolvido por eles, sem objetivos pedagógicos preestabelecidos, baseados apenas nas suas próprias bagagens culturais.


Palavras-chave


Prática Pedagógica; Professor Bacharel; Educação Profissional; Abordagem sociocultural

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB): nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC. Disponível em:. Acesso em: 04 de julho de 2017.

___________. (2007). Resolução nº 1, de 27 de março de 2008. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Define os profissionais do magistério, para efeito da aplicação do art. 22 da Lei nº 11.494, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissianais da Educação – FUNDEB. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/rceb001_08.pdf>. Acesso em: 04 de julho de 2017.

___________. (2008). Lei 11.892. Ministério da Educação. Brasília, dezembro.

___________. (2012). Resolução nº 6, de 20 de setembro de 2012. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Disponível em: . Acesso em: 18 maio. 2018.

___________. (2012). Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Linguagem código e suas tecnologias. Brasília: MEC.

___________. (2014). Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação – PNE. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 18 maio. 2018.

___________. (2015). Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015 - Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf&category_slug=agosto-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 18 maio. 2018.

___________. (2017). Portal da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Disponível em: Acesso em: 09 de maio de 2017.

___________. (2017). Lei nº 13.415. Disponível em: . Acesso em: 18 maio. 2018.

FIGUEIREDO, F. J. Q. de. (2006). A aprendizagem colaborativa de línguas: algumas considerações conceituais e terminológicas. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. de. (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: Ed. da UFG. p. 11-45.

GIMENO SACRISTÁN, J. (1999). Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: ARTMED Sul.

LIBÂNEO, J. C. Didática. (1990). Coleção Magistério: 2º Grau. São Paulo: Cortez.

LUDKE, Menga e ANDRÉ, Marli E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANFREDI. S. M. (2002). Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez.

MASETTO, M. T. ; MORAN, M. ; BEHRENS, M. (2000). Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 1. ed. Campinas/SP: Papirus v. 1. 173 p.

OLIVEIRA, H. F. (2010). A construção colaborativa de conhecimento durante a interação oral de aprendizes em uma aula de LE (inglês). Revista Via Litterae, v. 2, n. 1, p. 88-101.

PERRENOUD, Philippe. (1993). Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa : Dom Quixote.

____________ (2000).Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

PIMENTA, S. G. (2012). Pedagogia universitária: caminhos para a formação de professores. São Paulo: Corte.

SOUZA, F.C.S.; NASCIMENTO, V.S.O. (2013). Bacharéis Professores: um perfil docente em expansão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. In: MOURA, D.H (Org.) Produção do conhecimento, Políticas Públicas e Formação Docente em Educação Profissional. Campinas, SP Mercado de Letras. p. 409-434

VEIGA, I.P.A. (1992). A prática pedagógica do professor de Didática. 2.Ed. Campinas: Papirus.

VYGOTSKY, L. S. (2007). Interação entre aprendizado e desenvolvimento. In: VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.6998



 

HOLOS IN THE WORLD