O TRABALHO DOCENTE NO BRASIL [década de 1950 aos dias atuais]: a precarização no contexto de (re)democratização

Elisabete Ferreira Borges, Sálua Cecílio

Resumo


Contextualizar o processo de transformação do trabalho docente no Brasil, em sua historicidade recente, constitui o foco principal nesse artigo. Partiu-se do estudo sobre o trabalho docente nos meados do século XX, enfatizando os anos de 1990 ao início do século XXI. Nesse período, o trabalho docente passa por um processo progressivo de precarização decorrente das contradições ocorridas com a democratização e a expansão da educação básica e superior no Brasil. O objetivo é contribuir para um desenvolvimento profissional e uma atuação mais consciente e engajada dos profissionais da educação diante dos desafios que a sociedade apresenta. A metodologia consistiu na busca e seleção de material bibliográfico, por meio dos termos descritores: trabalho, pesquisa, tecnologia e inovação, tendo em vista a compreensão da realidade em movimento e contradição, a partir do materialismo histórico dialético. As reformas, com orientação tecnicista, empreendidas pelo Estado brasileiro não têm favorecido a superação do quadro de precarização geral vigente. O impacto das pesquisas dos Programas de Pós-Graduação é pequeno diante do contexto de precariedade da educação no País. As considerações finais conduzem o leitor a refletir sobre a precarização atual do trabalho docente e a indagar sobre quais valores, práticas e atitudes cumpre desenvolver.



Palavras-chave


Trabalho Docente; Educação; Pesquisa; Tecnologia; Inovações

Texto completo:

PDF

Referências


Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo.

Basso, I. S.(1998). Significado e sentido do trabalho docente. Cad. CEDES. Vol. 19, n. 44. Campinas, Apr. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000100003

Baumgarten, M., Teixeira, A. N. & Lima, G. (2007). Sociedade e Conhecimento: novas tecnologias e desafios para a produção de conhecimento nas Ciências Sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. 22, n. 2, p. 401 - 433, maio/ago. 2007. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/se/v22n2/06.pdf

Cecílio, S. (2017). Plano de Ensino de Epistemologia e Pesquisa em Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado. Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão. UNIUBE. Uberaba, MG, Impresso.

Charlot, B. (2008). O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da FAEEBA. Educação e contemporaneidade. Salvador, v. 17, n.30, p. 17-31, jul./dez.

Ciavatta, M. (2015). O trabalho docente e os caminhos do conhecimento: a historicidade da Educação Profissional. Rio de Janeiro: Lamparina, 124p.

Dusavitskii, A. K. (2014). Educação desenvolvente e a sociedade aberta. Ensino em Re-vista, v. 21, n.1, p.101-110, jan./jun., p. 77-84.

Ens, R. T., Gisi, M. L. & Eyng, A. M. (2011). Formação de professores: possibilidades e desafios do trabalho docente na contemporaneidade. Rev. Diálogo Educ. Curitiba, v. 11, n. 33, p. 309-329, maio/ago.

Flores, M. A. (2018). O que vale a Educação? Caderno de Apontamentos. Recuperado de https://observador.pt/opiniao/o-que-vale-a-educacao/

Gatti, B. A. (2009). Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Brasileira de Formação de Professores – RBFP. Vol. 1, n.1, p. 90-102, mai.

Giroux, H. A. (1999). Professores como intelectuais transformadores. In: _____. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, p. 156-178.

González Rey, F. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetiva: os processos de construção da informação. Tradução: Marcel Aristides Ferrada Silva. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. 5.

Löwy, M. (1998). As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. 6. ed. São Paulo: Cortez, 203p.

Manfredi, S. M. (2003). Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez.

Macedo, J. M. de& Lima, M. M.(2017). Fundamentos teóricos e metodológicos da precarização do trabalho docente. Revista trabalho, política e sociedade. v. 2, n. 3. Recuperado de http://www.ufrrj.br/SEER/index.php?journal=RTPS&page=article&op=view&path%5B%5D=3680

Saviani, D. (2002a). O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: Ferretti, Celso João et al (Orgs.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 7. edição. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 151-168.

______. (2002b). Transformações do capitalismo, do mundo do trabalho e da educação. In: Lombardi, J. C.; Saviani, D.; Sanfelice, J. L. (Orgs.). Capitalismo, Trabalho e Educação. Campinas, SP: Cortez, p. 13-24.

____________. (2013). História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados. (Coleção memória da educação).

Silva, K. N. P. & Silva, J. A. A. (2017). Trabalho docente e educação integrada nas escolas técnicas estaduais de Pernambuco. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 65, p. 237-247, jul./set. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/er/n65/0104-4060-er-65-00237.pdf

Souza K. L. et al, (2018). Cadernetas de saúde e trabalho: diários de professores de universidade pública. Cad. Saúde Pública 2018; 34(3): e00037317. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n3/1678-4464-csp-34-03-e00037317.pdf

Zeichner, K. (1998). Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: Geraldi, C. M. G.; Fiorentini, D. (Org.). Cartografias do trabalho docente: professor (a) – pesquisador (a). Campinas. SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil – ALB, p. 207-236.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.6535



 

HOLOS IN THE WORLD