JUVENTUDES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: contradições entre suas conquistas como sujeitos de direitos e os silenciamentos nos espaços escolares

Emanuelle de Oliveira Souza, Rosemeire Reis

Resumo


Este artigo analisa a Educação de Jovens e Adultos (EJA) enquanto direito humano, partindo das conquistas nos marcos legais concernentes às juventudes e refletindo, como contraponto, sobre o silenciamento dos sujeitos jovens nessa modalidade de ensino. Trata-se de um recorte da dissertação intitulada O que é ser jovem... aluno... e alagoano: um estudo sobre referências culturais e identidades juvenis, submetida ao Mestrado em Educação Brasileira, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Alagoas (PPGE/UFAL). A metodologia da pesquisa é qualitativa, mediante análise documental da legislação, como também dos argumentos de três jovens a partir de grupos de discussão e entrevistas semiestruturadas em uma escola pública estadual em Maceió, Alagoas. Como aporte teórico, o artigo apresenta a análise da legislação referente aos jovens e à EJA, como a Constituição Federal, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, o Estatuto da Criança e do Adolescente, o Estatuto da Juventude, dentre outros textos oficiais; bem como conceitos, como de “juventudes”, de Pais e Feixa; “condição juvenil”, de Abramo, Dayrell e Teixeira; e da relação dos/das jovens com a experiência escolar, de Carrano; Martins, Moreira; Candau, Freire e Sacristán. Identifica-se, nos argumentos analisados, o quanto é urgente que a EJA seja repensada, frente a sua juvenilização, para o reconhecimento dos/das jovens como sujeitos de direitos e um melhor atendimento das reais necessidades dos/as estudantes inseridos/as nessa modalidade de ensino.  


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos; Juventudes; Direitos Humanos; Ensino Médio

Texto completo:

PDF

Referências


Abramo, H. W. (2005) Condição Juvenil no Brasil Contemporâneo. In Abramo, H. W. & Branco, P. P. M. (Orgs.). Retratos da Juventude Brasileira: análises de uma pesquisa nacional. (pp. 37-72). São Paulo: Instituto Cidadania/Fundação Perseu Abramo.

Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013 (2013). Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Brasília, DF. Recuperado em 08 de março 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12852.htm

Resolução nº 3, de 15 de junho de 2010 (2010). Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância. Brasília/DF. Recuperado em 08 de março 2017, de http://confinteabrasilmais6.mec.gov.br/images/documentos/resolucao032010cne.pdf

Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010 (2010). Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília, DF. Recuperado em 08 de março 2017, de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf

Carrano, P. C. & Martins, C. H. (2011). A escola diante das culturas juvenis: reconhecer para dialogar. Educação. 36(1) 43-56. Recuperado em 08 de abril, 2016, de https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/2910

Dayrell, J. (1996). A escola como espaço sócio-cultural. In Dayrell, J. (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. (pp. 136-178 ). Belo Horizonte, MG: UFMG.

Dayrell, J. (2007). A escola faz as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação de Sociedade, 28(100) 1105-1128. Recuperado em 08 de abril, 2016, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302007000300022&script=sci_abstract&tlng=pt

Feixa, C. (1999) De jóvenes, bandas y tribus: antropologia de la juventud. Barcelona: Ariel.

Gadotti, M. (2013). Educação de Adultos como Direito Humano. EJA em debate (2)12-29. Recuperado em 22 de dezembro, 2015, de https://periodicos.ifsc.edu.br/index.php/EJA/article/download/1004/pdf

Krawczyk, N. R. (2003). A escola média: um espaço sem consenso. Cadernos de Pesquisa (120) 169-202, Recuperado em 08 de março, 2017, de http://www.scielo.br/pdf/cp/n120/a10n120.pdf

Moreira, A. F. & Candau, V. M. (2003). Educação escolar e cultura(s): construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação (23)156-168. Recuperado em 25 de janeiro, 2016, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782003000200012&script=sci_abstract&tlng=pt

Pais, J. M. (2003). Culturas juvenis (2a. ed.) Lisboa: INCM.

Sacristán, J. G. (2005). O aluno como invenção. Porto Alegre: Artmed.

Teixeira, I. (1996). Os professores como sujeitos sócio-culturais. In Dayrell, J. (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura (pp. 179-194). Belo Horizonte: UFMG.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5747



 

HOLOS IN THE WORLD