TALENTOS PERDIDOS: LIVRO DIGITAL INTERATIVO PARA O DEBATE DO TEMA DST/AIDS

LUCY MIRIAN CAMPOS TAVARES NASCIMENTO, Rita de Cássia Frenedozo, Juliano Schimiguel, Magnum Henrique Oliveira Lacerda, Ninive Áira Calazans Lacerda, Nadjania Saraiva Lira Silva, César de Souza Silva

Resumo


As Tecnologias da Informação e Comunicação por meio dos recursos da plataforma web 2.0 podem colaborar para um processo educativo mais interativo e dinâmico. Este artigo objetivou avaliar as contribuições de um livro digital interativo, elaborado por licenciandos em Ciências Biológicas sobre o tema AIDS, para a aprendizagem de alunos do ensino fundamental anos finais. A metodologia quanti-qualitativa foi adotada nesse estudo sendo realizado um pré-teste e um pós-teste com alunos do 8º ano do ensino fundamental de uma escola pública divididos em um grupo controle e outro experimental. Os dados submetidos ao teste de hipóteses bicaudal para duas amostras independentes e variáveis utilizando a distribuição t de student demonstrou que os alunos que utilizaram o livro digital conseguiram entender melhor a importância e os meios de prevenção da AIDS, demonstrando estatisticamente melhor desempenho na avaliação com significância superior a 5%. Além disso, os resultados apontaram que os alunos pouco discutem sobre DST na escola e na família, sendo necessário ampliar o debate e o acesso à informação para esse público, bem como promover eventos na escola que para que esse assunto seja também discutido com os pais.


Palavras-chave


tecnologias, formação de professor, ensino de ciências.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A.. Integração currículo e tecnologias e a produção de narrativas digitais. Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, v. 12, n. 3, p. 57-82, set/dez. 2012.

AMORIM, M.; BIANCO, P.. Material didático em mídia digital: transposição de uma apostila do Colégio Dom Bosco para tablet computer. Curitiba: UFPR, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: 1998.

_______. Programa Internacional de Avaliação de Alunos -PISA. Results: What Students Know and Can Do: Student Performance in Reading, Mathematics and Science. v.I, OECD Publishing, 2010.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológicos – HIV/AIDS. Ano II, n.1, Brasília: 2013.

CANDAU, V. M. Formação Continuada de Professores: tendências atuais. (Org.). Magistério – construção cotidiana. Petrópolis: Vozes. 1997.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. Coleção Educação Contemporânea. 8. Ed. Campinas. São Paulo: Autores Associados, 2007.

GERHARDT, C. R.; NADER S. S.; PEREIRA D. N.. Doenças Sexualmente Transmissíveis: conhecimento, atitudes e comportamento entre os adolescentes de uma escola pública. Rev. Bras. Med. Fam. e Com. Rio de Janeiro, v.3, n. 12, jan /mar. 2008.

FALKEMBACH, Gilse Antoninha Morgental. Concepção e desenvolvimento de material educativo digital. RENOTE, v. 3, n. 1, 2005.

FEY, A. F. A linguagem na interação professor aluno era digital: considerações teóricas. Revista Tecnologias na Educação, ano 3, n. 1, jul. 2011.

GALVÃO, J. AIDS no Brasil: A agenda da construção de uma epidemia. São Paulo: editora 34, 2000.

GARCIA, L. A.; LINS, V. S. As tecnologias de informação e comunicação na formação do professor de ensino de ciências. Cadernos de Aplicação, Porto Alegre, v.21, n.2, p.249-266, jan./jun. 2008.

HAAG, C. O que você não quer ser quando crescer? Percepção da Ciência. Pesquisa FAPESP, 192.fev. 2012.

HONÓRIO, X. M. O software Microsoft PowerPoint na educação superior: percepções de professores e alunos. 2007. 141 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF. 2007.

LÉVY, P. O que é virtual; tradução de Paulo Neves. São Paulo: 34 Editora, 2001.

MILONE, G. Estatística: geral e aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 26 ed. Petrópolis: RJ: Vozes, 2007.

MORAN, J. M.. Os novos espaços de atuação do professor com as tecnologias. In: ROMANOWSKI et al. (Org.). Conhecimento local e conhecimento universal: diversidade, mídias e tecnologias na educação. Curitiba: Champagnat, 2004. p. 245-254.

PONTE, João Pedro da. As TIC no início da escolaridade: Perspectivas para a formação inicial de professores. 2002.

PRENSKY, M. Digital Natives, Digital Immigrants. On the horizon, MCB University Press, v. 9 n. 5,p. 1-6, oct. 2001.

VALLE, L.; BOHADANA, E. D. B. Interação e interatividade: por uma reantropolização da EaD online. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 121, p. 973-984, out/dez. 2012.

YIN, R. K. Estudo de caso Planejamento e métodos, 2 ed. Porto Alegre: Brookman. 2001.

XAVIER, A. C. dos S.. Letramento digital e ensino. 2002. Núcleo de Estudos de Hipertexto e tecnologia Educacional- NEHTE.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2019.4192



 

HOLOS IN THE WORLD