BACHARÉIS QUE SE TORNAM PROFESSORES: INSERÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAIS DE ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.4033

Palavras-chave:

Engenheiros professores, Formação docente, Histórias de vida.

Resumo

Neste artigo, discutimos o exercício da docência por bacharéis com formação em engenharia. A pesquisa teve como cenário o curso de Engenharia Elétrica do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus João Pessoa. As questões norteadoras da pesquisa foram: por que engenheiros, mesmo sem ter optado por um curso de licenciatura, tornam-se professores? Como esses bacharéis professores avaliam suas primeiras experiências nessa profissão? Baseados no método autobiográfico, convidamos seis engenheiros professores do curso de Engenharia Elétrica do IFPB/João Pessoa para relatar sobre a inserção destes na docência e refletir quanto as suas experiências em sala de aula. As entrevistas abertas foram gravadas em áudio, transcritas e submetidas a análise de conteúdo. A abordagem teórica e a discussão dos resultados da pesquisa se deram a partir dos estudos de Ferrarotti (2010), Pineau (2006), Josso (2010), Cunha (1997), Souza (2006), Nóvoa (1997), Tardif (2011), Marcelo (2010), dentre outros. Os relatos dos entrevistados evidenciaram que estes tornaram-se docentes de forma não planejada, prevalecendo os aspectos contingenciais. Os entrevistados reconhecem a carência de uma formação pedagógica, mas não têm investido nesse tipo de formação na pós-graduação, de forma sistematizada. Destacamos a importância de mais estudos a respeito da docência exercida por egressos de cursos de bacharelados, mas também de políticas e incentivos à formação continuada desses sujeitos.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Silvia Helena dos Santos Costa e Silva, IFPB

Mestra em Educação Profissional (IFRN) e pedagoga do IFPB, Campus João Pessoa.

Francisco das Chagas Silva Souza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Doutor em Educação (UFRN), professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional (IFRN) e do Programa de Pos-Graduação em Ensino (UERN, IFRN, UFERSA).

Referências

Álvares, V. O. M. (2006). O docente-engenheiro frente aos desafios da formação pedagógica no ensino superior. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG, Brasil.

Alves, N. (2008). Nós somos o que contamos: a narrativa de si como prática de formação. In: Souza, E. C. & Mignot, A. C. V. (Orgs). Histórias de vida e formação de professores (pp. 131-146). Rio de Janeiro: Quartet: FAPERJ.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bauman, Z. (2005). Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bazzo, W. A. (2011). Ciência, tecnologia e sociedade e o contexto da educação tecnológica. 2. ed. Florianópolis: UFSC.

Benjamin, W. (1993). Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense.

Bolívar, A. (2002). Profissão professor: o itinerário profissional e a construção da escola. São Paulo: EDUSC.

Bosi, E. (1994). Memória e sociedade. São Paulo: Companhia das Letras.

Bosi, E. (2003). O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial.

Bueno, B. O., Chamlian, H. C., Sousa, C. P. & Catani, D. B. (2006). Histórias de vida e autobiografias na formação de professores e profissão docente (Brasil, 1985-2003). Educação e pesquisa, 32(2), 385-410.

Burnier, S. et al. (2007). Histórias de vida de professores: o caso da educação profissional. Revista Brasileira de Educação, 12(35), 343-358.

Buonicontro, C. M. S. (2001). O processo de construção da prática pedagógica do engenheiro-professor: um estudo no curso de Engenharia Mecatrônica da PUC Minas. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Castanho, M. E. L. M. (2002). Docência e inovação na área de Ciências Exatas e Engenharias. Revista de Educação PUC-Campinas, 12, 51-60.

Catani, D. B., Bueno, B. O., Sousa, C. P. & Souza, M. C. C. (Org.). (1997). Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras.

Cunha, M. I. (2011). Conta-me agora! as narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, (23)1-2.

Dominicé, P. (2010). O processo de formação e alguns se seus componentes relacionais. In: Nóvoa, A. & Finger, M. O método (auto) biográfico e a formação. (pp. 81-96). Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus.

Ferrarotti, F. (2010). Sobre a autonomia do método biográfico. In: Nóvoa, A. & Finger, M. O método (auto) biográfico e a formação. (pp. 31-58). Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus.

GALVÃO, C. (2005). Narrativas em educação. Ciência & Educação, (11)2, 327-345.

Huberman, M. (2007). O ciclo de vida profissional dos professores. In: Nóvoa, A. (Org.). Vidas de professores. (pp. 31-62) 2. ed. Porto: Porto Editora.

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez.

Josso, M. (2007). A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação, (30)3, 413-438).

¬ Josso, M. (2010). Experiências de vida e formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus.

Larrosa, J. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Loder, L. L. (2002). Epistemologia versus pedagogia: o locus do professor de engenharia. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil.

Marcelo, C. G. (2009). Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo, 8, 7-22.

Marcelo, C. G. (2010). O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Revista brasileira de pesquisa sobre formação de professores, (2) 3, 11-59.

Nóvoa, A. (1997). Formação de professores e profissão docente. In: Nóvoa, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Nova Enciclopédia, 1997. p. 15-34.

______. (2007). Os professores e as histórias da sua vida. In: ______ (Org.). Vidas de professores. (pp. 11-30). Porto: Porto Editora, 2007.

Oliveira, V. S. (2011). Ser bacharel e professor: sentidos e relações entre o bacharelado e a docência universitária. Tese de Doutorado em Educação, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.

Pineau, G. (2006). As histórias de vida em formação: gênese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. Educação e pesquisa, (32)2, 329-343.

Pineau, G. (2010). A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e a ecoformação. In: Nóvoa, A. & Finger, M. O método (auto) biográfico e a formação. (pp. 97-118). Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus.

Souza, F. C. S.; Nascimento, V. S. O. (2013). Bacharéis professores: um perfil docente em expansão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. In: Moura, D. H. (Org.). Produção de conhecimento, políticas públicas e formação docente em educação profissional. (pp. 409-434). Campinas: Mercado das Letras.

Tardif, M. (2011). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Downloads

Publicado

2017-11-14

Como Citar

Silva, S. H. dos S. C. e, & Souza, F. das C. S. (2017). BACHARÉIS QUE SE TORNAM PROFESSORES: INSERÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAIS DE ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR. HOLOS, 5, 197–213. https://doi.org/10.15628/holos.2017.4033

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)