ESTRUTURAS E NOMENCLATURAS DOS HIDROCARBONETOS: É POSSÍVEL APRENDER JOGANDO?

Autores

  • Carlos Antônio Barros e Silva Júnior Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) campus Ipanguaçu.
  • Ayla Márcia Cordeiro Bizerra Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) campus Pau dos Ferros.

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.3616

Palavras-chave:

Jogos químicos, ensino, química

Resumo

Muitos estudantes do Ensino Médio apresentam dificuldades no entendimento de alguns assuntos relacionados à Química, como por exemplo, o estudo de nomenclatura dos compostos orgânicos. Estas dificuldades podem estar atreladas a falta de interesse e de motivação dos alunos, que unidas à métodos de ensino, pouco atrativos, não permitem que estes consigam concretizar o conhecimento. Este trabalho enfoca a aplicação de um jogo como proposta pedagógica facilitadora para o ensino de nomenclatura dos hidrocarbonetos. O objetivo deste jogo é proporcionar, ao aluno, uma aula motivadora, que desperte o seu interesse neste conteúdo e que, por consequência, permita o seu aprendizado. Serão discutidas as etapas de aplicação e avaliação da proposta do “Jogo do Sim ou Não” como um instrumento pedagógico facilitador que pode ser útil nas aulas de Química Orgânica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BENEDETTI, E.F; FIORUCCI, A.R; PIRES, L.S.B; ALVES, J.C. Palavras cruzadas como recurso didático no ensino de teoria atômica. Química nova na escola, vol.31, n°2, p.88-95, 2009.

CAVALCANTI, E.L.D.; DEUS, T.C. e SOARES, M.H.F.B. Perfil químico: um jogo didático para promover a interação e o conhecimento. In: Anais. 30ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, 2007. Disponível em: < http://sec.sbq.org. br/cdrom/30ra/resumos/T0565-1.pdf>.Acesso em: 18 Dez. 2013.

CARDOSO, S. P.; COLINVAUX, D. Explorando a Motivação para Estudar Química. Revista Química Nova, São Paulo, SP, v. 2, n. 23, p. 401-404, set.1998/dez. 1999, 2000.

CUNHA, M. B. Jogos no Ensino de Química: Considerações Teóricas para sua Utilização em Sala de Aula. Química Nova na Escola, vol.34, n° 2, p.92-98, maio 2012.

GIBIN, G. B. Investigação sobre a Construção de Modelos Mentais para o Conceito de Soluções por meio de Animações. 2009. 124p. Dissertação de mestrado (Programa de Pós- Graduação em Química)-UFScar, São Carlos, SP.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: da visão clássica à visão crítica. Disponível em: << http://www.if.ufrgs.br/~moreira/visaoclasicavisaocritica.pdf >> Acessado em 14/12/12.

NARDIN, I. C. B. “Brincando aprende-se química”. Disponível em: www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/688-4.pdf. Acesso em 16 de junho de 2011.

NUNES, A. S. ; ADORNI, D.S . O ensino de química nas escolas da rede pública de ensino fundamental e médio do município de Itapetinga-BA: O olhar dos alunos.. In: ENCONTRO DIALÓGICO TRANSDISCIPLINAR - Enditrans, 2010, Vitória da Conquista, BA.

ROBAINA, J. V. L. Química através do lúdico: brincando e aprendendo, Canoas: Ed. Ulbra, 2008, 480p.

SOARES, M.H.F.B. O lúdico em química: jogos e atividades aplicados ao ensino de química. 2004. 203f. Tese (Doutorado em Ciências) – Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2004.

TREVISAN, T. S.; MARTINS, P. L. O. A prática pedagógica do professor de química: possibilidades e limites. UNIrevista, São Leopoudo, RS, v. 1, n° 2 abril, 2006.

Downloads

Publicado

11/12/2015

Como Citar

Silva Júnior, C. A. B. e, & Bizerra, A. M. C. (2015). ESTRUTURAS E NOMENCLATURAS DOS HIDROCARBONETOS: É POSSÍVEL APRENDER JOGANDO?. HOLOS, 6, 146–155. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3616

Edição

Seção

ARTIGOS