FORMAÇÃO DO TÉCNICO AGRICOLA NO BRASIL: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

Marco Antônio Carvalho, Maria Esperança Fernandes Carneiro, Léia Adriana Silva Santiago, Lúcia Helena Rincón Afonso

Resumo


O Ensino Agropecuário ministrado no Instituto Federal Goiano Câmpus Ceres constituiu-se no cerne de nossa reflexão, tendo por interrogações os desafios e perspectivas de qualificação do técnico agrícola decorrente das políticas públicas de Educação Profissional Técnica e Tecnológica no Brasil (EPTT) - tendo por referencia diretrizes formativas emanadas pelas distintas legislações em três períodos, sejam, anterior ao Decreto 2.208/97, para o presente trabalho denominado Escola Fazenda, na vigência da mencionada legislação e a partir de sua substituição pelo Decreto 5.154/2004. A problemática que orientou as análises relaciona-se às mudanças de diretrizes na EPTT e seus impactos no perfil de formação do técnico agrícola. Objetivamos interpretar e analisar a realidade e as contradições dessa formação recebida e recorremos aos elementos conceituais educação e trabalho sob o prisma do materialismo histórico-dialético como fundamentos teórico-metodológicos. Selecionamos como amostra os egressos no período de dez anos de 1997 a 2007. Constatamos que o curso, para os egressos, foi um facilitador para a empregabilidade em diversos segmentos do mercado e para acesso ao ensino superior.

Palavras-chave


Educação profissional; Mundo do Trabalho; Técnico Agrícola

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ALÉM, A. C. Macroeconomia: Teoria e prática no Brasil. São Paulo: Campus, 2010.

BRASIL. MEC. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Créa nas capitaes dos Estados Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primario e gratuito. Extraído de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf Acesso em 30 de maio de 2015.

BRUNO, L. Educação, qualificação e desenvolvimento econômico. In: BRUNO, Lucia (org.). Educação e trabalho no capitalismo contemporâneo: leituras selecionadas. São Paulo: Atlas, 1996.

CARVALHO, M. A. Técnico Agrícola: Peão Melhorado? 2012. Tese (Doutorado em Educação – PUCGOIÁS), Goiânia, 2012.

CARVALHO, M. A; CARNEIRO, M. E. F. Ensino técnico agrícola: espaço de conflitos, descontinuidades e contradições. Anais III SENEPT 2012. Belo Horizonte, CEFET Minas, 2012.

COSTA, S. O trabalho como elemento fundante da humanização. Revista Estudos, Goiânia, UCG, v. 22, n. 3 e 4, p. 171-188, dez 1996.

ENGUITA, M. F. Trabalho, escola e ideologia: Marx e a crítica da educação. Tradução Ernani Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FISCHER, T; WAIANDT, C. A educação profissional e os desafios do desenvolvimento brasileiro: uma proposta integradora entre a pós-graduação, a educação básica e os mundos do trabalho. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, CAPES, v. 9, n. 16 (abril, 2012), p. 84-111, 2012. SOUZA, E. C. L. de;

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (orgs.) Ensino médio integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da filosofia alemã mais recente na pessoa dos seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão da dos seus diferentes profetas. (Tradução de Conceição Jardim e Eduardo Lúcio Nogueira) V.I, 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

______ . ______ . Tradução Luis Cláudio de Castro Costa. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Polêmicas do nosso tempo. São Paulo: Cortez, 1991.

SOUZA, E. C. L de; CASTIONI, R. (org.) Institutos federais: os desafios da institucionalização. Brasília: UNB, 2012.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2020.3226



 

HOLOS IN THE WORLD