MATERIAL DIDÁTICO CARIOCA E SUAS RELAÇÕES COM A BNCC: a teoria é uma coisa e a prática pode não ser outra?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.13201

Palavras-chave:

, Pedagogia Histórico-Crítica. Trabalho Docente. Currículo. Políticas Públicas Educacionais.

Resumo

Fruto de uma análise documental, à luz da Pedagogia Histórico-Crítica, e de franca revisão bibliográfica, este artigo apresenta um trabalho de reflexividade sobre o caráter ideológico das políticas públicas educacionais, de reformas instituídas nos últimos anos, como é o caso da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e suas determinações observadas em sala de aula. Conclui-se, que o reordenamento de uma política no campo do currículo escolar no Brasil, recupera de forma profunda, a dinâmica de realinhamento do pensamento educacional hegemônico com expressões severas identificadas em materiais didáticos sob autoria de redes públicas do país, como é o caso do Rio de Janeiro. Sob outra perspectiva vale destacar a importância da autonomia do trabalho docente na luta pela superação da sociedade de classes visto que a natureza humana não é dada ao homem, mas é por ele produzida e o que não é garantido pela “natureza” será produzido historicamente pela humanidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

ROSIMERI DA SILVA PEREIRA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

Doutora em Educação pela UNICAMP; Graduada em Pedagogia (2000) e Mestre em Educação (2005) pela - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS e Especialista em Docência do Ensino Superior pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2001). È Professora Adjunta da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO com atuação pelo Departamento de Fundamentos da Educação. Vinculada ao Núcleo de Estudos e Pesquisas em Historia da Educação Brasileira - NEPHEB/UNIRIO e Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Sociedade e Educação no Brasil - HISTEDBR,/ UNICAMP. Presidente do Fórum Continuo de Assuntos Históricos e Educacionais - FOCAHE/UNIRIO, atua na Extensão com Projetos a luz da Pedagogia Histórico-Crítica,  

DALTON JOSE ALVES, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

Doutor e Mestre m Educação, na área de Filosofia e História da Educação, pela UNICAMP. Graduado e bacharel em Filosofia, pela PUC- Campinas  e Licenciatura pela UERJ. Professor Associado-III da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Atua na Extensão com Projetos na área de Ensino de filosofia e sobre o campo da Pedagogia Histórico-Critica, em defesa da escola pública como instrumento de transformação social.Vinculada ao Núcleo de Estudos e Pesquisas em Historia da Educação Brasileira - NEPHEB/UNIRIO e Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Sociedade e Educação no Brasil - HISTEDBR,/ UNICAMP. 

DEBORAH MIRANDA ALVARES, SEMED/BAURU-SP

Mestranda pela Universidade Federak de Sao Carlos, atua como Professora de Educação Infantil da Secretaria de Educação Municipal de Bauru. Vinculada ao GEPHC/UNIRIO desenvolve pesquisas sobre Praticas de Ensino e Pedagogia Historico-Critca no Brasil.

FRANKLIM RODRIGUES DE SOUSA, SME/RJ

Academico do Curso de Graduação em Pedagogia. Agente Educador e Servidor Publico da Secretaria de Educação Municipal do Estado do Rio de Janeiro. Compoe o GEPHC  UNIRIO. Grupo de Estudos sobre a Pedagogia Historico Critica.

Referências

Amir, S. (2005). O imperialismo, passado e presente. Tempo. Dossiê: Impérios e imperialismos. Rio de Janeiro, 9(18), pp. 77-123. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1413-77042005000100005

Antunes, J., Zwetsch, P. & Sarturi, R. (2017, agosto). As influências das orientações de organismos internacionais nas políticas públicas educacionais para a educação básica no Brasil. XIII congresso nacional de educação-EDUCERE. Curitiba, PR: PUC-PR, 13a. ed.

Apple, M. (1999). Políticas culturais e educação. Porto, PT: Porto Editora.

Arroyo, M. (2013). Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Brasil. Base nacional comum curricular. (2018). Brasília, DF. Recuperado de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Brasil. Programa nacional do livro e do material didático. (2017). Decreto nº 9.099, de 18 de julho de 2017.

Brito, S. H. A., Lombardi, J. C., Centeno, C. V., Saviani, D. (Orgs.). (2010). A organização do trabalho didático na história da educação. Campinas, SP: Autores Associados.

Cossio, M. (2014). Base comum nacional: Uma discussão para além do currículo. Revista e-Curriculum. São Paulo: Programa de Pós-graduação Educação: Currículo – PUC/SP, 12(3), pp. 1570-2590. Recuperado de: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/21669

Cury, C. (2000). Educação e Contradição (7a. ed.). São Paulo: Cortez.

Duarte, N. & Saviani, D. (2021). Conhecimento escolar e luta de classes: A pedagogia histórico-crítica contra a barbárie. Campinas, SP: Autores Associados.

Duarte, N. (2001). Vigotski e o “aprender a aprender”: Críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados.

Galvão, A., Martins, L. & Lavoura, T. (2019). Fundamentos da didática histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados.

Goodson, I. (1995). Currículo: teoria e história. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Kuenzer, A. & Grabowski, G. (2016). A produção do conhecimento no campo da educação profissional no regime de acumulação flexível. Revista HOLOS. Natal: IFRN, 06(32).

Lavoura, T. (2017). Materialismo histórico-dialético: contributos para a investigação qualitativa em educação. CIAIQ. Atas – Investigação Qualitativa em educação, 1, pp. 263–267. Recuperado de: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1342

Malanchen, J. (2018). O realismo social de Michael Young e a pedagogia histórico-crítica: Perspectivas e aproximações na definição do conhecimento escolar. Nuances: estudos sobre educação. Presidente Prudente, SP: 29(3), pp. 95-134.

Marx, K. (2008). O capital: Crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Pereira, R. & Sarno, M. (2009). A reforma curricular paulista e suas determinações no ensino de língua portuguesa: Uma análise crítica (2008-2009). Revista Educação e Cidadania. Campinas, SP: Editora Átomo, 8(1), pp. 79-89.

Pereira, R. & Trindade, I. (2018). Políticas de formação continuada em serviço: Percepção de professores em estágio probatório. REVES - Revista Relações Sociais. Viçosa, MG: UFV, 1(1).

Pinto, A. (1979). Ciência e Existência: Problemas filosóficos da pesquisa científica. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Saul, A. & Silva, A. (2014). A matriz de pensamento de Paulo Freire: Um crivo de denúncia anúncio de concepções e práticas curriculares. Revista e-Curriculum. São Paulo, 12(3), pp. 2064-2080.

Saviani, D. (2018). Escola e democracia (44a. ed). Campinas, SP: Autores Associados.

Saviani, D. (2013). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações (11a. ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

Saviani, D. (2010). Trabalho didático e história da educação: Enfoque histórico-pedagógico. Brito, S. H. A., Lombardi, J. C., Centeno, C. V., Saviani, D. (Orgs.). A organização do trabalho didático na história da educação. Campinas, SP: Autores Associados.

Saviani, N. (1998). Saber escolar, currículo e didática. Problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico. Campinas, SP: Autores Associados.

SILVA, A.V.M. Neotecnicismo - a Retomada do Tecnicismo em Novas Bases. In: Rev. Ens. Educ. Cienc. Human., Londrina, v. 19, n.1, p. 10-16, 2018

Teixeira, A. (1968). A educação e o mundo moderno: Educação no Brasil. Recuperado de: http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/eng/livro5/chama_cap1.html

Torres, R. & Corullón, M. (2000). Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. O Banco Mundial e as políticas educacionais (2a. ed.). São Paulo: Cortez.

Valdemarin, V. T. (2004). Estudando as lições de coisas. Campinas, SP: Autores Associados.

Young, M. (2011). O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: O argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, 16(48).

Downloads

Publicado

2021-12-07

Como Citar

PEREIRA, R. D. S., ALVES, D. J., ALVARES, D. M., & SOUSA, F. R. D. (2021). MATERIAL DIDÁTICO CARIOCA E SUAS RELAÇÕES COM A BNCC: a teoria é uma coisa e a prática pode não ser outra?. HOLOS, 8, 1–20. https://doi.org/10.15628/holos.2021.13201

Edição

Seção

Dossiê - Pedagogia Histórico-crítica: ciência, currículo e didática