CONTRAPONTOS DA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA À CONCEPÇÃO DE MUNDO NEOLIBERAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.13199

Palavras-chave:

Pedagogia histórico-crítica, neoliberalismo, educação escolar

Resumo

O estudo discute contrapontos entre a Pedagogia Histórico-Crítica (PHC) e a concepção de mundo neoliberal, a partir das suas implicações nos conteúdos escolares. O procedimento metodológico utilizado é o de revisão de literatura em livros e artigos publicados em periódicos eletrônicos. Como resultados, constatou-se que a intensificação do neoliberalismo tem conferido à educação uma lógica ininterrupta de concorrência como regra fulcral das relações sociais. Em vista disso, é patente seu atravessamento na organização e seleção dos conteúdos escolares, resultando em um movimento de enxugamento das matérias e/ou conteúdos disciplinares considerados não úteis à sua lógica. Em contraponto, a PHC reafirma seu posicionamento mais abrangente na seleção dos conteúdos considerados “clássicos” para a formação escolar, no sentido de que estes possam fomentar a compreensão e o desenvolvimento de um ser social, entrecruzando produção e reprodução social e cultural como ferramenta de construção da humanização alcançada até o presente. Assim, infere-se a relevância e o potencial crítico que a PHC carrega para subsidiar os processos pedagógicos e as práticas escolares como contributo à formação de uma nova sociabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adão Rogério Xavier Silva, Universidade Federal do Acre (Ufac)

Licenciado em História (2014), Graduado em Ciências Sociais (2021) e Mestre em Educação (2019) pela Universidade Federal do Acre (Ufac). Cursando Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia (PGEDA) Associação Plena em Rede (EDUCANORTE), pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Pesquisador membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política Educacional, Gestão e Financiamento da Educação (Nupgefe) da Universidade Federal do Acre (Ufac).

Mark Clark Assen de Carvalho, Universidade Federal do Acre (Ufac)

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), com Estágio Pós-Doutoral realizado na UFPA. Professor Titular do Centro de Educação, Letras e Artes da UFA; Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFAC e do Doutorado em Educação da Rede Educanorte/UFPA.

Referências

Brasil. (2016) Medida provisória Nº 746/2016, de 22 de setembro de 2016. Institui a política de fomento à implementação de escolas de ensino médio em tempo integral. Recuperado em 03 de julho, 2021, de https://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/126992

Brasil. (2017) Lei Nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Institui a política de fomento à implementação de escolas de ensino médio em tempo integral. Diário Oficial da União, 17 fev.

Colares, A. A., Colares, M. L. I. S., Gonçalves, T. O., & Leao, J. P. P. (2011) O professor-pesquisador-reflexivo: debate acerca da formação de sua prática. Olhar de Professor (UEPG. Impresso), v. 14, p. 151-156.

Colares, M. L. I. S., Fonseca, A. D., & Colares, A. A. (2021) Educação no processo de transformação social: refletindo sobre a prática docente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, p. 1-15.

Cury, C. R. J. (2019) Homeschooling ou educação no lar. Educação em Revista (Online), v. 35, p. 1-8.

Duarte, N. (2015) A importância da concepção de mundo para a educação escolar: porque a pedagogia histórico-crítica não endossa o silêncio de Wittgenstein. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 1, p. 8-25.

Duarte, N. (2016) Os Conteúdos Escolares e a Ressurreição dos Mortos. 1. ed. Campinas: Autores Associados.

Freitas, S. C., & Figueira, F. L. G. (2020) Neoliberalismo, Educação e a Lei 9.394/1996. Holos (Online), v. 7, p. 1-16.

Goergen, P. (2021) Educação na atualidade: novas perspectivas. Revista Exitus, v. 11, p. 01-24.

Krawczyk, N., & Ferretti, C. J. (2017) Flexibilizar para quê? Meias verdades da “reforma”. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 33-44.

Laval, C. (2019) A Escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo.

Laval, C., & Dardot, P. (2016) A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo.

Lemme, P. (2015) Manifesto dos inspetores de ensino do Estado do Rio de Janeiro ao magistério e à sociedade fluminenses. Germinal: Marxismo e Educação em Debate. v. 7, n. 2, p. 311-336.

Lima, M. R., Lombardi, J. C., & Dominschek, D. L. (2020) A Pedagogia histórico-crítica no âmbito da educação brasileira: do senso comum à práxis revolucionária na educação. Revista HISTEDBR On-line, v. 1, p. 1-17.

Markus, G. (1974) Teoria do conhecimento no jovem Marx. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Nussbaum, M. C. (2015) Sem fins lucrativos: por que a democracia precisa das humanidades. São. Paulo: WMF Martins Fontes.

Oliveira, R. L. P. de, & Barbosa, L. M. R. (2017) O neoliberalismo como um dos fundamentos da educação domiciliar. Pro-Posições (Unicamp), v. 28, p. 193-212.

Paulo Netto, J., & Braz, M. (2006) Economia Política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez.

Rossato, R. (2008) Práxis. In: Streck, D. R., Redin, E., & Zitkoski, J. J. (org.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica.

Saviani, D. (2011) Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados.

Saviani, D. (2019) Pedagogia histórico-crítica, quadragésimo ano: novas aproximações. [Livro eletrônico]: Campinas, SP: Autores Associados.

Downloads

Publicado

2021-12-07

Como Citar

Xavier Silva, A. R., & Assen de Carvalho, M. C. (2021). CONTRAPONTOS DA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA À CONCEPÇÃO DE MUNDO NEOLIBERAL. HOLOS, 8, 1–14. https://doi.org/10.15628/holos.2021.13199

Edição

Seção

Dossiê - Pedagogia Histórico-crítica: ciência, currículo e didática