FATORES SOCIOAMBIENTAIS INFLUENCIADOS PELA SECA NA CONSERVAÇÃO DA CAATINGA

Marcelo Alves Maurício da Silva, Maria Núbia Medeiros de Araújo Frutuoso, Sofia Suely Ferreira Brandão Rodrigues, Rejane Jurema Mansur Cutódio Nogueira

Resumo


A caatinga ocupa a maior parte da região semiárida do Brasil, encontrada exclusivamente no território brasileiro e por sua extensão está entre as mais importantes florestas secas do mundo. As estiagens recorrentes e os anos de degradação ambiental tornaram a região pouco desenvolvida e com problemas socioeconômicos acentuados. O objetivo do presente trabalho foi apresentar uma síntese socioeconômica e política sobre a seca do semiárido nordestino enfatizando o bioma da região. Para tanto foram considerados critérios relacionados à conservação da caatinga e a educação contextualizada, aliados à convivência com o semiárido, fatores necessários para promoção de mudanças substanciais na estrutura social. A metodologia adotada foi uma análise bibliográfica sobre a seca e a conservação do bioma em questão com foco para a educação e o desenvolvimento sustentável. Identificou-se a necessidade de incentivos à agricultura e melhoria dos indicadores sociais, para um aproveitamento maior de parte do potencial produtivo da região semiárida brasileira. A caatinga ocupa a maior parte da região semiárida do Brasil, encontrada exclusivamente no território brasileiro e por sua extensão está entre as mais importantes florestas secas do mundo. As estiagens recorrentes e os anos de degradação ambiental tornaram a região pouco desenvolvida e com problemas socioeconômicos acentuados. O objetivo do presente trabalho foi apresentar uma síntese socioeconômica e política sobre a seca do semiárido nordestino enfatizando o bioma da região. Para tanto foram considerados critérios relacionados à conservação da caatinga e a educação contextualizada, aliados à convivência com o semiárido, fatores necessários para promoção de mudanças substanciais na estrutura social. A metodologia adotada foi uma análise bibliográfica sobre a seca e a conservação do bioma em questão com foco para a educação e o desenvolvimento sustentável. Identificou-se a necessidade de incentivos à agricultura e melhoria dos indicadores sociais, para um aproveitamento maior de parte do potencial produtivo da região semiárida brasileira. 


Palavras-chave


degradação ambiental; semiárido; educação; conservação; desenvolvimento sustentável

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. Sertões e sertanejos: uma geografia humana sofrida. Revista Eletrônica Estudos Avançados, São Paulo, v. 13, n. 36, p. 7-59, mai./ago. 1999.

AB’SÁBER, A. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

ALBUQUERQUE, U. P.; ARAÚJO, E. L.; EL-DEIR, A. C. A.; LIMA, A. L. A.; SOUTO, A.; BEZERRA, B. M.; FERRAZ, E. M. N.; FREIRE, E. M. X.; SAMPAIO, E. V. S. B.; LAS-CASAS, F. M. G.; MOURA, G. J. B.; PEREIRA, G. A.; MELO, J. G.; RAMOS, M. A.; RODAL, M. J. N.; SCHIEL, N.; LYRA-NEVES, R. M.; ALVES, R. R. N.; AZEVEDO-JÚNIOR, S. M.; JÚNIOR, W. R. T.; SEVERI, W. Caatinga Revisited: Ecology and Conservation of an Important Seasonal Dry Forest. The Scientific World Journal, Academic Editores, 2012.

AMPARO, P. P. Os desafios a uma política nacional de desenvolvimento regional no Brasil. Revista Interações (Campo Grande), v. 15, n. 1, p. 175-192, 2014.

ARAÚJO, C. S. F.; SOUSA, A. N. Estudo do processo de desertificação na caatinga: uma proposta de educação ambiental. Revista Ciência & Educação, Campina Grande, v. 17, n. 4, p. 975-986, 2011.

ARAÚJO, M. D. Análise da vegetação de caatinga no Núcleo de Desertificação do Seridó Ocidental da Paraíba: Sítio Água Fria, São José do Sabugi. Monografia da Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Ciências e Tecnologia, 2015.

ATLAS BRASIL. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2010. Disponível em: < http://www.pnud.org.br/atlas/ranking/Ranking-IDHM-Municipios-2010.aspx > Acesso em: 20 dez. 2013.

AZEVEDO, D. C. F. Água: importância e gestão no semiárido nordestino. Revista POLÊMICA, v. 11, n. 1, p. 74-81, 2012.

BILAR, A. B. C.; CARVALHO, R. C. O.; GALVÍNCIO, J. D.; DE SOUZA, W. M. Mudanças climáticas e migrações: reflexões acerca dos deslocamentos de nordestinos e haitianos no território brasileiro. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 8, n. 6, p. 1673-1691, 2015.

BRASIL. 1a. Conferência Nacional de Desenvolvimento Regional. Documento de referência. Brasília: Secretaria de Desenvolvimento Regional/MI, 2012. 28p.

BRASIL – Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente e educação. Brasília: SEF, 1998. Disponível em: Acesso em: 26 jan. 2014.

BRASIL – Observatório da Seca. Portal Brasil, 2013. Disponível em: Acesso em: 29 dez. 2013.

BRASIL – Ministério da Integração Nacional. Secretaria de Desenvolvimento Regional – Documento de Referência. 2012. Disponível em:

Acesso em: 16 fev. 2014.

BRASIL – Ministério da Integração Nacional. Dados sobre estiagem no semiárido. 2012.Disponívelaaem:aa Acesso em: 28 dez. 2013.

BRASIL – Ministério do Meio Ambiente. Monitoramento do desmatamento nos biomas brasileiros por satélite. Acordo de cooperação técnica MMA/IBAMA. Brasília, 2011. Disponível em: < www.mma.gov.br > Acesso em: 03 jan. 2013.

BRASIL – Ministério do Meio Ambiente. Sustentabilidade e Repartição dos Benefícios da Biodiversidade. Elaboração de estratégia para captação de recursos para a conservação sustentável do Bioma Caatinga. Secretaria de Biodiversidade e florestas, 2008. Disponível em: Acesso em: 08 mar. 2014.

BRASIL – Presidência da Republica. LEI Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996. Disponível em: Acesso em: 22 jan. 2014.

BRASILEIRO, R. S. Alternativas de desenvolvimento sustentável no semiárido nordestino: da degradação à conservação. Revista Scientia Plena, v. 5, n. 5, p. 1-12, 2009.

BAPTISTA, N.Q.; CAMPOS, C.H. A convivência com o Semiárido e suas potencialidades. In: CONTI, I.L.; SCHROEDER, E.O. (Organizadores). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Fundação de Apoio a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto Ambiental Brasil Sustentável, Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, Brasília, 2013.

CIRILO, J. A. Políticas públicas de recursos hídricos para o semi-árido. Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 22, n. 63, p. 61-82, 2008.

DURKHEIM, E. Educação e Sociologia. Rio de Janeiro/Petrópolis: Editora Vozes, 2011. 132p.

FALCÃO, R.C.; FALCÃO, R. M. No meio do Sertão: Experiência da Escola Bom Jesus dos Passos com a metodologia da Educação Contextualizada com o semi-árido. Revista Fórum Identidades, v. 4, n. 2, p. 111-120, jul./dez. 2008.

FÉLIX, K.K.F; SILVA, R.A.; SOUZA, M.J.J.B.; OLIVEIRA, A.B.B. Práticas Sustentáveis para se Conviver no Semiárido. Anais do II Encontro de Gestão Social do Programa de Gestão Social – GESPET, Mossoró/RN, 2012.

FIGUEIREDO, S. G. Quixadá e a implantação do IFCE: contribuições socioeconômicas, culturais e educacionais na perspectiva da comunidade. 149 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro - SP, 2012.

FREIRE, P. Educação e mudança. Coleção Educação e Comunicação. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2008.

GASPAR, L. Patrimônio imaterial de Pernambuco. Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2014.

HALAL, C. Y. Ecopedagogia: uma nova educação. Revista de Educação, v. 12, n. 14, p. 87-103, 2015.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Caracterização do público potencial do Pronaf B na região Nordeste e no Estado de Minas Gerais: uma análise baseada nos dados do Censo Agropecuário 2006. Relatório de Pesquisa Subprojeto 6 do Projeto de Cooperação Técnica IPEA/PGDR 2010/2011. Brasília, 2013.

LEAL, I. R.; SILVA, J. M.; TABARELLI, M.; LACHER JR.; T. E. Mudando o curso da conservação da biodiversidade na Caatinga do Nordeste do Brasil. Revista Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 139-146, jul. 2005.

LUCENA, F. G. Recursos hídricos no território: os conflitos socioambientais por acesso à água no município de São José do Egito, Sertão do Pajeú-PE. Dissertação (Mestrado em Serviço Social)-Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

MARINHO, J. C. B.; SILVA, J. A.; FERREIRA, M. Health education as a transversal proposal: an analysis of the national curriculum guidelines and certain teaching conceptions. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 22, n. 2, p. 429-444, 2015.

OLIVEIRA, D. A.; ABREU MOREIRA, P.; MELO JÚNIOR, A. F.; PIMENTA, M. A. S. Potencial da biodiversidade vegetal da Região Norte do Estado de Minas Gerais. Unimontes Científica, v. 8, n. 1, p. 23-34, 2015.

PEREIRA, E. S. Educação Contextualizada e Convivência com o Semiárido: lutas, conquistas e desafios. In: CONTI, I.L.; SCHROEDER, E.O. (Organizadores). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Fundação de Apoio a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto Ambiental Brasil Sustentável, Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, Brasília, 2013.

REBOUÇAS, A. C. Água na Região Nordeste: desperdício e escassez. Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 29, p. 127-154, 1997.

REBOUÇAS, A. C. Uso inteligente da água. Escrituras Editora e Distribuidora de Livros Ltda., 2015.

RÊGO, A. H. Os sertões e os desertos: o combate à desertificação. Brasília: Funag, 2012, 204p.

RIEGELHAUPT, E. M.; PAREYN, F. G. C.; GARIGLIO, M. A. O manejo florestal como ferramenta para o uso sustentável e conservação da caatinga. In: GARIGLIO, M. A.; SAMPAIO, E. V. S.; CESTARO, L. A.; KAGEYAMA, P. Y. (Organizadores). Uso Sustentável e Conservação dos Recursos Florestais da Caatinga. Brasília: Serviço Florestal Brasileiro, 2010. Disponível em: < www.mma.gov.br > Acesso em: 08. nov. 2013.

RODRIGUES, C. A. O. O desafio de garantir acesso à água para todos e as estratégias para dirimir conflitos de usos dos recursos hídricos: um estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Parnaíba. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização)-Centro Universitário de Brasília – UniCEUB, Brasília, 2016.

SANTOS, C. F.; ALMEIDA, C. M.; BARRETO, M. O. A educação escolar no semiárido brasileiro: crítica ao princípio da convivência e do desenvolvimento sustentável na formação humana. Revista Facevv, Vila Velha, n.6, p.17-30, jan./jun. 2011.

SCHACHT, G. L. A presença de formações relictuais de vegetação em apucarana (PR); A formação de araucária (Araucaria angustifolia). Revista GeoAmazônia, v. 2, n. 4, p. 108-121, 2015.

SCHISTEK, H. O Semiárido Brasileiro: uma região mal compreendida. In: CONTI, I.L.; SCHROEDER, E. O. (Organizadores). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Fundação de Apoio a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto Ambiental Brasil Sustentável, Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, Brasília, 2013.

SILVA, R. M. A. Entre dois paradigmas: combate à seca e convivência com o semi-árido. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v.18, n.1/2, p. 361-385, jan./dez. 2003.

SILVA, R. M. A. Entre o combate à seca e a convivência com o semi-árido: políticas públicas e transição paradigmática. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 38, n. 3, jul./set., p. 466-485, 2007.

SOUZA, I. P. F. Educação Contextualizada no Semiárido Brasileiro: questões pouco evidenciadas. Revista Educação no Semiárido, p.1-15, 2010.

SOUZA, B. I. D.; ARTIGAS, R. C.; LIMA, E. R. V. D. The Caatinga and desertification. Mercator (Fortaleza), v. 14, n. 1, p. 131-150, 2015.

SOUSA, M. L. M.; NASCIMENTO, F. R. Estudos geoambientais de bacias hidrográficas em áreas suscetíveis à desertificação no Nordeste do Brasil. Cuadernos de Geografia: Revista Colombiana de Geografia, v. 24, n. 1, p. 13-27, 2015.

VASCONCELOS, G. O. S. Educação em Agroecologia: questões para convivência com o semiárido. Cadernos de Agroecologia, v. 8, n. 2, p. 1-4, nov. 2013.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2016.4175



 

HOLOS IN THE WORLD