TRABALHO, EDUCAÇÃO E AMBIENTE EM PLENO NEODESENVOLVIMENTISMO: TECENDO CONCEITOS E CONTRADIÇÕES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2020.11609

Resumo

Este artigo segue no caminho de constituir uma Educação Ambiental Crítica, assentada nos referencias teóricos da área de Trabalho-Educação, no contexto do neodesenvolvimentismo. Nosso pressuposto é que aspectos do projeto neodesenvolvimentista se distanciam do desenvolvimentismo clássico porque são incorporadas novas pautas e outras são dispensadas, como a inclusão da preocupação com o meio ambiente com a relativização da industrialização. Neste percurso encontramos contradições como o estímulo ao consumismo, proporcionado pela política de inclusão via consumo de massas, associado a uma educação ambiental preocupada apenas com o final do processo de produção das mercadorias. No fim, este trabalho contribui para o fomento de uma educação endereçada a transformar a realidade socioambiental e crítica do sistema do capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BASTOS, P. P. Z. A economia política do novo-desenvolvimentismo e do social desenvolvimentismo. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, n. Especial, p. 779-810, dez. 2012.

BOFF, Leonardo; Sustentabilidade: o que é: o que não é. 1. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BOMFIM, A. M. O (Sub) Desenvolvimento (In)Sustentável: A Questão Ambiental nos países periféricos latino-americanos. In: Trabalho Necessário, Rio de Janeiro, ano 8, n. 10. Rio de Janeiro, UFF, 2010.

______. Educação Ambiental (EA) para além do capital: Estudos e apontamentos para a EA sob a perspectiva do trabalho. Trabalho Necessário. Ed. Especial. ano 9, p. 1-20, 2011.ISSN: 1808 - 799X

______. A Questão Ambiental Diante do Paradoxo de Lula; Ampliando a reflexão-ação do Educador ambiental. In: ROÇAS, Giselle; ANJOS, Maylta Brandão dos. Reflexões Sobre a Prática e a Teoria da Educação Ambiental. Editora Publit, Rio de Janeiro, RJ. 2014.

______. Que fazer diante da Legislação Ambiental e Outros Textos Ambientais?: Alguns apontamentos aos Educadores. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 13, n. 2, p. 067-083, 2013.

BRAZILIAN JOURNAL of Political Economy. Ten theses on new developmentalism. Brazilian Journal of Political Economy. vol. 32, nº 2 (127), pp. 336-339, April-June/2012 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rep/v32n2/v32n2a11.pdf. Acesso em 25 novembro de 2020.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Do ISEB e da CEPAL à Teoria da Dependência. Intelectuais e Política no Brasil, p. 201–232, 2005.

______. Empresários, O Governo do PT e o Desenvolvimentismo. Revista de Sociologia e Política, v. 21, n. 47, P. 21–29, 2013.

CARVALHO, G. Dilma deixou a desejar no diálogo com a sociedade, diz ministro. [entrevista concedida a] João Fellet. BBC Brasil, Brasília, 2014. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/11/141108_entrevista_gilberto_jf_fd. Acesso em: 24 nov. 2020.

CARVALHO, L. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018.

CHESNAIS, F.; SERFATI, C. “Ecologia” e condições físicas de reprodução social: alguns fios condutores marxistas. Crítica Marxista. n° 16. São Paulo: Editora Boitempo, 2003.

DOWBOR, L. A Era do Capital Improdutivo: a nova arquitetura do poder, sob dominação financeira, sequestro da democracia e destruição do planeta. 2.ed. São Paulo: Autonomia Literária, 2017.

FONSECA, P. C. D. Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil. Revista Pesquisa & Debate. São Paulo, Volume 15, n. 2 (26), pp. 225-256, 2004.

______. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. In: DATHEIN, R. Desenvolvimentismo: o conceito, as bases teóricas, as políticas. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. Ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 2011.

GONÇALVES, R. Governo Lula e o Nacional-Desenvolvimentismo ás Avessas. Revista soc. Bras. Economia política, São Paulo, nº 31, p. 5-30, fevereiro 2012.

GUDYNAS, E. Estado Compensador y Nuevos Extractivismos. Nueva Sociedad, n. 237. 2012

GUIMARÃES, M. A formação de Educadores Ambientais. 8. Ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

HAFFNER, J. A. H. A Cepal e a Industrialização Brasileira (1950- 1961). 1. ed. Porto Alegre: EDPUCRS. 2002.

HARVEY, D. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 26.ed. São Paulo: Loyola, 2017.

LAYRARGUES, P. P. O Cinismo da Reciclagem: O significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. p. 179-219. São Paulo: Cortez. 2002.

LIMA, G. F. C. O discurso da sustentabilidade e suas implicações para a educação. Ambiente e Sociedade, Campinas, v. 6, n. 2, jul.-dez. 2003.

______; LAYRARGUES, P. P. Mapeando as macro-tendências político-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. VI Encontro Pesquisa em Educação Ambiental. Ribeirão Preto, set. 2011.

LOWY, M. Crise ecológica, crise capitalista, crise de civilização: A alternativa ecossocialista. Caderno CRH, v. 26, n. 67, p. 79–86, 2013.

______. Ecossocialismo e planejamento democrático Crítica Marxista, n. 28, p. 35-50, 2009.

______. A Alternativa Ecossocialista. In: Crise Hídrica em Debate/ Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Comissão Especial sobre o Colapso Hídrico. Rio de Janeiro: Editora NPC, 2016. ISBN: 978-85-63004-22-2

MERCADANTE, A. As Bases do Novo Desenvolvimentismo no Brasil: Análise do Governo Lula (2003-2010). Tese de Doutorado apresentada ao Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas UNICAMP, p. 356, 2010.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. 2. Ed. São Paulo, SP: Boi Tempo. 2008.

_______. Para além do capital. Campinas/SP: Boitempo, 2002.

OLIVEIRA. T. S. A Dimensão Ambiental na Educação Neodesenvolvimentista: um percurso teórico até a sua materialização. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências. Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências (Propec). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. 2019.

PAULANI, L. M. A inserção da economia brasileira no cenário mundial: uma reflexão sobre a situação atual à luz da história. Boletim de Economia e Política Internacional, Brasília: Ipea, v. 10, p. 89-102, 2012.

______. A experiência brasileira entre 2003 e 2014: Neodesenvolvimentismo? Cadernos do Desenvolvimento, v. 12, n. 20, p. 135–155, 2017.

POCHMANN, M. Desafios do desenvolvimento brasileiro. Educação & Sociedade, v. 34, n. 124, p. 705–722, 2013.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

PREBISCH, R. O Desenvolvimento Econômico da América Latina e Alguns de seus Problemas Principais. CEPAL, Boletin económico de América Latina, v. VII, p. 71–136, 1962.

SAMPAIO JR, P. A. Desenvolvimentismo e Neodesenvolvimentismo: Tragédia e Farsa. SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE, SÃO PAULO, N. 112, P. 672-688, OUT./DEZ. 2012

SICSÚ, J.; PAULA, L. F.; MICHEL, R. POR QUE NOVO-DESENVOLVIMENTISMO? REVISTA DE ECONOMIA POLÍTICA, VOL. 27, N.4, P. 507-524, 2007.

SILVEIRA, F. G. O Trabalho Agrícola no Boom do Agronegócio e na Expansão das Políticas Para a Pequena Agricultura. in: Mercado de Trabalho: Conjuntura e Análise. n. 63, P. 27-38, 2017.

Downloads

Publicado

18/12/2020

Como Citar

OLIVEIRA, T. da S.; BOMFIM, A. M. do. TRABALHO, EDUCAÇÃO E AMBIENTE EM PLENO NEODESENVOLVIMENTISMO: TECENDO CONCEITOS E CONTRADIÇÕES. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 19, p. e11609, 2020. DOI: 10.15628/rbept.2020.11609. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/11609. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ - Trabalho-Educação: possibilidades investigativas na pós-graduação stricto sensu