DESAFIOS E DISPARIDADES DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE MINAS E ENGENHARIA METALÚRGICA DA UEMG/ UNIDADE JOÃO MONLEVADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.6383

Palavras-chave:

ensino, engenharia, engenharia de minas, pesquisa, crescimento

Resumo

A formação do engenheiro no Brasil está crescendo de forma significativa e, com isso, a necessidade de realizar pesquisas se torna cada vez mais importante para os estudantes. O mercado da mineração e metalurgia passa por altos e baixos, por isso é sempre enriquecedor trabalhar com projetos, seja ele de pesquisa ou de extensão, pois é uma forma de aprender a trabalhar, de estudar e de crescer profissionalmente. Atentando-se às disparidades apresentadas pelos dois cursos estudados, no que diz respeito à participação em projetos de pesquisa, os resultados mostraram o maior engajamento de discentes dos cursos de Engenharia de Minas em detrimento dos de Engenharia Metalúrgica. Entretanto, essa parcela ainda é baixa considerando-se o número total de alunos dos cursos estudados. Adicionalmente, a melhor divulgação e o maior envolvimento dos professores nos projetos, foram identificados como os principais desafios recorrentes ao acesso à iniciação científica pelos alunos da referida instituição de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Júnia Soares Alexandrino, UEMG/João Monlevade

Professora e coordenadora do curso de engenharia de minas da uemg/joão monlevade.
Doutora em tecnologia mineral

Telma Ellen Drumond Ferreira, UEMG/João Monlevade

Professora e coordenadora de pós graduação na UEMG/João Monlevade

Kelly Cristina Ferreira, UEMG/João Monlevade

Professora e coordenadora do curso de engenharia de metalurgica da uemg/joão monlevade.
Mestre

Geraldo Alves Torres, UEMG/João Monlevade

Professor de Estatística da UEMG e coordenador do laboratorio de Tratamento de Minérios.

Filipe Mattos Gonçalves, UEMG/João Monlevade.

Graduado  em Engenharia de Minas. Mestrando

Referências

Bastos, F., Martins, F., Alves, M., Terra, M., Lemos, C. S. (2010). A importância da iniciação científica para os alunos de graduação em Biomedicina. Revista Eletrônica Novo Enfoque, Rio de Janeiro, v. 11, n. 11, pp. 61- 66.

Bazzo, A. W. (1998). Ciência, tecnologia e sociedade e o contexto da educação tecnológica. Florianópolis: Editora da USP. Documento disponível na internet: < www. campus-oei.org/salactsi/bazzo02.htm> Acesso em 01/11/2016.

Conselho Nacional de Educação – CNE/CES. Resolução Nº 11 de 11 de março de 2002. Seção 1. Brasília, pp. 32.

Gomes, M. A. D. J., Gonçalves, M. D. F., Menin, P. A. H. (2004) A necessidade da iniciação científica para alunos de instituições de ensino superior particulares: a possibilidade de acesso crítico ao conhecimento como pretensão à excelência. In: Reunião Anual da associação nacional de pós-graduação e pesquisa em educação – ANPEd Caxambu. Petrópolis: Vozes, pp.222.

Simão, L. M., Guedes, M.C., Rodrigues, M.M.P. (1996). O papel da iniciação cientifica para a formação em pesquisa na pós-graduação. In: Simpósio de Pesquisa e Intercâmbio científico da associação nacional de pesquisa e pós-graduação e Psicologia – ANPPEP, Rio de Janeiro. Anais, pp. 111-113.

Tonini, A. M. (2007). Universidade Federal de Minas Gerais. “Ensino de Engenharia: as atividades acadêmicas complementares na formação do engenheiro”. [Tese de Doutorado]. Faculdade de Educação, Belo Horizonte.

Downloads

Publicado

05/12/2017

Como Citar

Alexandrino, J. S., Ferreira, T. E. D., Ferreira, K. C., Torres, G. A., & Gonçalves, F. M. (2017). DESAFIOS E DISPARIDADES DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE MINAS E ENGENHARIA METALÚRGICA DA UEMG/ UNIDADE JOÃO MONLEVADE. HOLOS, 6, 256–261. https://doi.org/10.15628/holos.2017.6383

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)