Influência de métodos de cálculo do TRRF na verificação de edifícios em situação de incêndio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.10412

Palavras-chave:

Segurança Estrutural, Incêndio, Parede de Concreto, TRRF.

Resumo

Faz-se necessário, para realizar a verificação de estruturas de concreto em situação de incêndio, conhecer o Tempo Requerido de Resistência ao Fogo (TRRF) dos elementos estruturais. Tanto a ABNT NBR 14432 (2001) quanto a ABNT NBR 15200 (2012) permitem a determinação deste pelo Método Tabular (MT) ou pelo Método do Tempo Equivalente (MTE). Apesar de ambos serem aceitos, comumente encontrarmos no meio técnico e científico, discussões e aplicações do MT, sendo este o que conduz com frequência aos maiores valores de TRRFs. A aplicação de métodos que conduzam a TRRFs menores se justifica por conduzir a estruturas mais econômicas, tendo em vista que os métodos de verificação de estruturas em condição de incêndio se pautam nestes, para definir as dimensões mínimas dos elementos estruturais. Sendo assim, a presente pesquisa objetivou avaliar a influência da aplicação dos resultados dos dois métodos de determinação de TRRF na verificação de um edifício residencial multifamiliar de paredes de concreto. Inicialmente, foram calculados os TRRFs pelos dois métodos e, posteriormente, realizada a verificação da edificação segundo as especificações da ABNT NBR 15200 (2012). A adoção do MTE garantiu uma redução de 12,5% de consumo de concreto, evidenciando a importância da aplicação do mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tarniê Vilela Nunes Marques, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Graduado em Engenharia Civil pela Universidade de Uberaba (2013), Especialista em: Estruturas de Concreto e Fundações (INBEC-2018) e Docência do Ensino Superior (UNIUBE-2015). Mestre em Engenharia Civil (UFSCar-2019 - Área de Concentração: Estruturas e Geotecnia - Linha de Pesquisa: Otimização estrutural por meio de Inteligência Artificial). Experiência docente em cursos de Graduação e Pós-Graduação em Engenharia Civil e experiência com projetos de fundações, estruturas de concreto, alvenaria estrutural e paredes de concreto. 

Thiago Damasceno Silva, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade de Uberaba (2013) e mestrado em Engenharia Civil, área de concentração Estruturas e Construção Civil, pela Universidade Federal de Uberlândia (2016). Atualmente é doutorando em Estruturas e Construção Civil pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e professor na Universidade de Uberaba (UNIUBE). Áreas de interesse e atuação: arcos, instabilidade estrutural, método dos resíduos ponderados, método dos elementos finitos, estruturas de madeira e aço.

Fernando Júnior Resende Mascarenhas, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PPGECiv), do Departamento de Engenharia Civil (DECiv) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Atualmente, é aluno de Doutorado em Engenharia Civil. Mestre em Engenharia de Estruturas (Engenharia Civil) pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com bolsa de estudos CAPES, em 2019. Engenheiro Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em 2016, com bolsa de estudos do PROUNI. Participou de dois períodos sanduíches com Bolsa de Estudos, durante a Graduação. Primeiro, ex-aluno do Programa Ciências sem Fronteiras (CsF), financiado pela CAPES e estudou na University of Toronto, no Canadá, durante 16 meses, entre setembro de 2013 e dezembro de 2014. Segundo, ex-aluno do Emerging Leaders in America Program (ELAP), financiado pelo CBIE e fez pesquisa na Memorial University of Newfoundland, no Canadá, durante 5 meses, entre janeiro e maio de 2016. Ambos os períodos de intercâmbio totalizaram 21 meses (1 ano e 9 meses). Atuou como monitor de 9 (nove) disciplinas durante a Graduação e de 2 (duas) disciplinas durante o Mestrado, bem como participou, no Brasil e no Canadá, de Projetos de Iniciação Científica. Possui 2 capítulos de livro publicados em inglês; 7 artigos, 4 em inglês e 3 em português, em periódicos e 15 artigos publicados em inglês e português em anais de congressos nacionais e internacionais. Além disso, é sócio da SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA (SBPC) desde outubro de 2019.

João Carlos dos Santos Canhada, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

Graduado em Engenharia Civil pela UNOESTE (2017), período sanduíche na Universidad de Santiago de Compostela - Campus Lugo, Espanha (2016). Mestrando no Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais (UNESP FCT, Campus de Presidente Prudente), bolsista CAPES - PROEX. Curso de formação científica PIBIC/CNPq/UNOESTE (2016). Atuou como pesquisador no laboratório de materiais de construção civil da UNOESTE com bolsa tipo PIBIC/CNPq, desenvolvendo atividades de pesquisa na área de materiais de construção civil. Monitor durante dois semestres de Hidráulica l e ll. Estágio na área de estruturas, desenvolvendo cálculos de fundações superficiais e profundas.

André Luis Christoforo, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


Possui Pós-Doutorados em Estatística, em Engenharia de Materiais e em Engenharia de Estruturas pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Ilha Solteira e de Rio Claro, Pós-Doutorado em Engenharia de Estruturas pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), da Universidade de São Paulo (USP) e Pós-Doutorado em Engenharia e Ciência de Materiais pela Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos FZEA/USP. Doutor e Mestre em Engenharia de Estruturas pela EESC/USP, Especialista em Matemática Aplicada pela UNESP de Rio Claro e graduado em Engenharia Civil Pela Universidade de Franca (UNIFRAN). É professor Adjunto do Departamento de Engenharia Civil (DECiv) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PPGECiv) da mesma universidade. É autor-coautor em mais de 400 artigos publicados em periódicos com política editorial bem definida, em mais de 200 trabalhos completos publicados em anais de eventos nacionais e internacionais, participação em mais de 30 eventos científicos nacionais e internacionais, autor-coautor em mais de 25 livros (Mecânica dos Sólidos, Métodos Numéricos, Madeira, Estruturas de Madeira - Pontes, Painéis a Base de Madeira, Materiais Compósitos a Base de Resíduos Lignoceluósicos), revisor em mais de 30 periódicos, editor da área de Construções Rurais e Ambiência da Revista Engenharia Agrícola (EAgri - SBEA) e membro do corpo editorial da revista Construindo. Coordena projetos de pesquisa em desenvolvimento com empresas (Sindusmad, Greenplac, Kehl polímeros, STWood, Imperveg, Vale do Cedro: Madeiras Termotratadas), é colaborador em vários projetos de pesquisa independentes e financiados por agências de fomento à pesquisa (CNPq, FAPESP), e possui forte colaboração em pesquisa com a Universidade de Coimbra (UC). Homenageado com o seu nome no Centro Acadêmico do curso de Engenharia Civil da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT / Sinop / MT). Foi professor Interino na UNEMAT e posteriormente professor Visitante nessa mesma instituição, ministrando aulas de disciplinas diversas para o curso de Engenharia Civil. Foi concursado na vaga de Álgebra Linear, Cálculo Diferencial e Integral e Geometria Analítica da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT / Sinop / MT), concursado na área de Resistência dos Materiais no Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ / MG) e concursado na vaga de Mecânica das Estruturas no Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde leciona atualmente, orientando alunos de graduação e de pós-graduação (Mestrado e Doutorado - PPGECiv) com supervisões de estágios de pós-doutorados. Organizou vários eventos técnico-científicos, dentre eles o Encontro Regional de Matemática Aplicada e Computacional (ERMAC), patrocinado pela Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional (SBMAC) e o Congresso Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial (CONEMI), financiado pela Federação Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial (FENEMI). Membro da Comissão de Estudo de Estruturas de Madeiras (ABNT/CE-02:126.10) do Comitê Brasileiro da Construção Civil (ABNT/CB-02): Ensaio de caracterização de peças estruturais de madeira, e membro da diretoria do Instituto Brasileiro da Madeira e das Estruturas de Madeira (IBRAMEM). Atua na modelagem de estruturas de madeira (estruturas mistas; em situação de incêndio) e de materiais compósitos para aplicações diversas, em estruturas de madeira, na caracterização da madeira, na fabricação e na caracterização de produtos engenheirados a base de madeira e de resíduos lignocelulósicos (MLC, PPH, MDP, MDF, OSB, LVL, etc..) e na modelagem estatística. 

Roberto Chust Carvalho, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1973), mestrado em Engenharia de Estruturas- SÃO CARLOS pela Universidade de São Paulo (1985) e doutorado em Engenharia de Estruturas São Carlos pela Universidade de São Paulo (1994). Trabalhou nos escritorios Dolfim engenharia, Walter Pfeil e Engenheiros Associados no Rio de Janeiro. Atualmente é professor Senior, aposentado como titular, da Universidade Federal de São Carlos e ligado ao departamento de Engenharia Civil. Além disso, é Coordenador da Especialização em Estruturas de Concreto e Fundações do INBEC UNIP. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Estruturas de Concreto, atuando principalmente nos seguintes temas: concreto armado e protendido, estruturas pré-moldadas, projeto e análise de estruturas, pontes e lajes alveolares protendidas . É co-Autor de dois livros Cálculo e Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado volumes 1 e 2. O primeiro se encontra na quarta edição e o segundo na primeira edição e segunda reimpressão. É autor do livro Estruturas em concreto Protendido que se  encontra na segunda edição. Trabalha fortemente no ensino do concreto armado e protendido desenvolvendo junto com seu grupo de pesquisas de ferramentas para o uso nas disciplinas de concreto armado como pode ser visto em www.deciv.ufscar.br/calco. Atualmente é coordenador do curso de pós graduação "Lato Senso" Estruturas de Concreto Armado do INBEC (instituto Brasileiro de Ensino Continuado) e UNIP (Universidade Paulista). Foi professor de Engenharia nas escolas da UFRRJ- Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro- da Instituição Moura Lacerda -Ribeirão Preto- Escola de Engenharia de Araraquara, Escola de Engenharia de Passos.e Faculdade de Engenharia Civil da UNICAMP (Universidade de Campinas). 

Referências

Araújo, J. M. (2014). Curso de Concreto Armado (Vol. 2). Rio Grande: Dunas.

ABNT NBR 6118, de 29 de maio de 2014. Projetos de estruturas de concreto: Procedimento. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

ABNT NBR 10636, de 30 de março de 1989. Paredes divisórias sem função estrutural: determinação da resistência ao fogo: método de ensaio. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

ABNT NBR 14432, de 30 de novembro de 2001. Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de edificações - Procedimento. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

ABNT NBR 15200, de 26 de abril de 2012. Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

ABNT NBR 16055, de 10 de abril de 2012. Parede de concreto moldada no local para a construção de edificações – Requisitos e procedimentos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Bolina, F. L, Prager, G. L., Rodrigues, E., &Tutikian, B. F. (2015) Avaliação da resistência ao fogo de paredes maciças de concreto armado. Ambiente Construído, 4(15), p.291-305. Recuperado de

https://doi.org/10.1590/s1678-86212015000400051

ECS EN 1992-1-2, de 8 de julho de 2004. Eurocode 2: design of concrete structures – part 1.2: general rules – structural fire design. Brussels: European Committee for Standardization.

ISO 834-1, 30 de setembro de 1999. Fire-resistance tests: elements of building construction: part 1: general requirements. Genebra: International Organization for Standardization.

Kodur, V. K. R., & Dwaikat, M. B. (2011). Design equation for predicting fire resistance of reinforced concrete beams. Engineering Structures, 33(2), 602-614. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.engstruct.2010.11.019

Kodur, V. K. R., Yu., B., & Solhmirzaei, R. (2017). A simplified approach for predicting temperatures in insulated RC members exposed to standard fire. Fire Safety Journal, 92, 80-90. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.firesaf.2017.05.018

Munhoz, G. S., Agustini, M., Scoz, L. M. O., & Gelatti, F. (2018, setembro). Análise da ABNT NBR 15200:2012 para um edifício de 40 pavimentos em situação de incêndio estrutural. Anais do Congresso Brasileiro do Concreto, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 60.

Silva, V. P. (2008). Sobre o coeficiente do Método do Tempo Equivalente para a determinação do Tempo Requerido de Resistência ao Fogo das estruturas. Minerva: Pesquisa e Tecnologia, 3(5), 315-321. Recuperado de http://www.fipai.org.br/Minerva%2005(03)%2011.pdf

Silva, V. P. (2016). Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio conforme ABNT NBR 15200 (2 ed.). São Paulo: Blucher.

Silva, V. P., Costa, C. N., & Melão, A. R. (2017). Procedure for decreasing the required time for fire resistance of the multistory buildings. Revista Ibracon de Estruturas e Materiais, 10(5), 1141-1162. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s1983-41952017000500011

Downloads

Publicado

15/06/2021

Como Citar

Marques, T. V. N., Silva, T. D., Mascarenhas, F. J. R., Canhada, J. C. dos S., Christoforo, A. L., & Carvalho, R. C. (2021). Influência de métodos de cálculo do TRRF na verificação de edifícios em situação de incêndio. HOLOS, 1, 1–15. https://doi.org/10.15628/holos.2021.10412

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)