DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO EXPOSTO A ALTAS TEMPERATURAS PELO MÉTODO DE VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DE ONDAS ULTRASSÔNICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9904

Palavras-chave:

Concreto, Situação de incêndio, Ensaio não destrutivo, Resistência à compressão.

Resumo

Situações de incêndios nas edificações são consideradas ações excepcionais mas, quando acontecem, em qualquer fase da vida útil, causam inevitavelmente danos severos ou, no mínimo, redução nas propriedades mecânicas dos materiais estruturais como, por exemplo, na resistência à compressão do concreto. Neste contexto, as estruturas podem ser investigadas quanto a sua integridade pós-incêndio utilizando ensaios destrutivos ou não destrutivos. A primeira técnica, onde há a extração de corpo de prova da estrutura que já foi danificada devido as altas temperaturas, o método pode ser ainda mais prejudicial. Por esta razão, este trabalho tem como objetivo abordar a utilização de um método não destrutivo para a determinação da resistência do concreto, tema importante na área de diagnóstico estrutural, extraindo informações por meio da correlação dos resultados do método da velocidade de propagação de ondas ultrassônicas com os resultados de ensaios em prensa hidráulica de rompimento de corpos de prova de concreto. Para tanto, foram expostas amostras de concretos de diferentes classes, com idades de 7, 21 e 28 dias, a diversos patamares de temperatura, resfriados lentamente e bruscamente (submersos em água), para ensaio da velocidade de propagação das ondas ultrassônicas, com posterior ensaio destrutivo à compressão.  Os resultados obtidos demonstram que o método não destrutivo é bastante adequado, permitindo sua utilização em situações de análise de resistência residual à compressão do concreto quanto exposto a situações de incêndio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leandro Vanalli, Universidade Estadual de Maringá - UEM Centro de Tecnologia - CTC

Departamento de Tecnologia - DTC Centro de Tecnologia - CTC Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil - PCV Doutorado em Engenharia de Estruturas - EESC/USP

Camila Forigo, Centro Universitário Assis Gurgacz - Cascavel/PR.

Engenharia Civil - UTFPR-2014

Mestre em Engenharia Civil - UEM 2017

Yuri Danilo Lopes, FIP - Faculdade de Iporã - Engenharia Civil.

Engenheiro Civil - Unipar 2014

Mestre em Engenharia Civil - UEM 2016

Referências

Alva, G. M. S. (2000). Sobre o Projeto de Edifícios em Estrutura Mista Aço-Concreto. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Estruturas) - Universidade de São Paulo, São Carlos.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2007). ABNT NBR 5739: Ensaio de Compressão de corpos de Prova Cilíndricos de Concreto. Rio de Janeiro.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2012). ABNT NBR 7212: Execução de Concreto Dosado em Central. Rio de Janeiro, 2012.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2013). ABNT NBR 8802: Concreto endurecido – Determinação da Velocidade de Propagação da Onda Ultrassônica: Método de Ensaio. Rio de Janeiro, 2013.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2014). ABNT NBR 6118: Projeto de Estruturas de Concreto – Procedimento. Rio de Janeiro.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2015). ABNT NBR 5738: Moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto. Rio de Janeiro.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2015). ABNT NBR 12655: Concreto de cimento Portland – Preparo, controle e recebimento. Rio de Janeiro.

Bungey, J. H. (2006). The Testing of Concrete in Structures. 4. ed. Londres: Taylor & Francis.

Chies, J. A. (2014). Ensaios Não Destrutivos em Concreto: Detecção de Falhas no Interior de Estruturas de Concreto com o Uso de Ultrassom. Dissertação Mestre em Engenharia – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre.

Chung, H.W, Law, K. S. (1986). Diagnosing in Situ Concrete by ultrasonic Pulse Technique. Concrete International (10), v. 5, p. 42 – 49.

Costa, C. N.; Silva, V. P. (2002). Estruturas de concreto armado em situação de incêndio. In: Anais do XXX Jornadas Sul-americanas de Engenharia Estrutural, Brasília.

Cuoghi, R. S. (2006). Aspectos de Análise de Risco das Estruturas de Concreto em Situação de Incêndio. 239 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Forigo C. (2017). Determinação da resistência à compressão em concretos expostos a altas temperaturas por meio de ensaios não destrutivos. 221 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Lima, R. C. A; Caetano, L. F; Silva Filho, L. C. P. (2004). Mapeamento de concretos aquecidos por meio de ondas ultrassônicas. In: XXXI Jornadas Sud-Americanas de Ingenieria Estructural, 2004, Mendoza.

Lima, R. C. A. (2005). Investigação do Comportamento de Concretos em Temperaturas Elevadas. 257f. Tese (Doutorado em Engenharia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Machado, M. D. (2005). Curvas de correlação para caracterizar concretos usados no Rio de Janeiro por meio de ensaios não destrutivos. Dissertação (Mestrado em Ciências em Engenharia Civil) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Malhotra V. M; Carino N. J. (2004). Nondestructive Testing of Concrete. 2. ed. London: American Society for Testing and Materials.

Mohamedbhai, G. T. G. (1986). Effect of exposure time and rates of heating and cooling on residual strength of heated concrete. Magazine of Concrete Research, v. 38, n. 136, p. 151 – 158, September.

Moreira, A. M. M. (2013). Verificação de seções retangulares de concreto armado submetidas à flexão oblíqua composta em situação de incêndio. 125 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Estruturas) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Oliveira, T. A. C. P. (2006). Gerenciamento de riscos de incêndio: Avaliação do impacto em estruturas de concreto armado através de uma análise experimental de vigas isostáticas. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Recife.

Phoon, K. K.; Wee, T. H.; Loi, C. S. (1999). Development of statistical quality assurance criterion for concrete using ultrasonic pulse velocity method, ACI Materials Journal, p.568–574, set./out.

Rilem. NDT 1: Testing of concrete by the ultrasonic pulse method. 1972.

Silva, A. C. P. (2003). Gerenciamento de riscos de incêndio em espaços urbanos históricos: uma avaliação com enfoque na percepção do usuário. 203f. (Dissertação de Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Silva, D. S. (2009). Propriedades mecânicas residuais após incêndio de concretos usados na construção civil na grande Florianópolis. 102f. Dissertação (Mestrado Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Souza, U. E. L. (1996). Incêndio em edifícios: Conceitos básicos. Revista CIPA, São Paulo, v.17, n.203, p.99-105.

Souza. A. A. A.; MORENO JR. A. L. (2010). Efeito de altas temperaturas na resistência à compressão, resistência à tração e módulo de deformação do concreto. Revista IBRACON de Estruturas e Materiais (3), São Paulo, n. 4, p. 432-448.

Wendt, S. C. (2006). Análise da mudança de cor em concretos submetidos a altas temperaturas como indicativo de temperaturas alcançadas e da degradação térmica. 188 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Downloads

Publicado

08/12/2021

Como Citar

Vanalli, L., Forigo, C., & Lopes, Y. D. (2021). DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO EXPOSTO A ALTAS TEMPERATURAS PELO MÉTODO DE VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DE ONDAS ULTRASSÔNICAS. HOLOS, 7, 1–20. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9904

Edição

Seção

ARTIGOS