FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ? LIMITES E AVANÇOS DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (2014-2024)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.4999

Palavras-chave:

Financiamento da educação, Fontes de recursos, PNE (2014-2024).

Resumo

O financiamento da educação tem respaldo na Constituição Federal de 1988, entre outras concernentes às fontes orçamentárias e de operação de crédito, principalmente, com os fundos contábeis. Dentre as várias legislações, citam-se: Emenda Constitucional nº 14/96, que imprimiu nova forma de redistribuição de recursos da União para os estados e municípios criando o Fundef; LDB, Lei nº 9.394/96; Emendas Constitucionais nº 53/2006 e nº 59/2009, responsáveis pela criação do Fundeb e pela ampliação do ensino obrigatório (4-17 anos), respectivamente e a Lei n. 13005/2014 que aprovou o Plano Nacional de Educação (2014-2024). Integram o PNE eixos temáticos dentre eles o financiamento da educação, especificamente, a meta 20 que amplia a percentagem de aplicação do Produto Interno Bruto – PIB, para 10%. O financiamento envolve os entes federados em regime de colaboração, e ação supletiva-redistributiva da União e dos Estados, estando, porém, condicionado à plena capacidade de atendimento e esforço fiscal dos entes federativos. O resultado da análise dos dados mostra que os recursos existentes são escassos para o fortalecimento da gestão e financiamento do PNE, sendo apresentados desafios para angariar novas fontes de recursos, bem como implementar a Lei 12.858/2013 que destina 75% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal para a educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABRAHÃO, Jorge. Financiamento e gasto público da educação básica no Brasil e comparações com alguns países da OCDE e América Latina. In: Políticas públicas de regulação: problemas e perspectivas da educação básica. Educação e Sociedade. Revista de Ciências da Educação. São Paulo: Cortez, CEDES. Vol. 26, N. Especial 92, 2005.

ARAÚJO FILHO, Heleno. PNE 2014-2024: desafios para a educação brasileira. Entrevista. Revista Retratos da Escola. CNTE. Brasília, vol. 8, n. 15, jul/dez/2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 1988, com alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2008.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos artigos 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, 2006a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc53.htm>. Acesso em: 23 maio 2011.

BRASIL. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação ? FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei no 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.fnde.gov.br/index.php/fundeb-legislacao>. Acesso em: 23 maio 2011.

BRASIL. Lei nº 11. 738, de 16 de Julho de 2008. Regulamenta a alínea "e" do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, que institui o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Disponível em: <http://www.diariodasleis.com.br/busca/exibelink.php?numlink=1-98-24-2008-07-16-11738> Acesso em: 23 maio 2011.

CABRAL NETO. Plano Nacional e Sistema Nacional de Educação: a difícil tarefa de conceber uma política de Estado. In: FRANÇA, Magna; MOMO Mariângela (Orgs.). Processo Democrático Participativo: a construção do PNE. Campinas: SP, Mercado de Letras, 2014.

CASTRO, Jorge Abrahão de; SADECK, Francisco. Financiamento do gasto em Educação das três esferas de governo em 2000. Brasília: Ipea, jun. 2003. (Texto para Discussão, n. 955).

CURY, Carlos Roberto Jamil. Federalismo político e educacional. In: FERREIRA, N. S. C (Org.). Políticas públicas e gestão da educação: polêmicas, fundamentos e análises. Brasília: Líber Livro Editora, 2006.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Planos Nacionais de Educação no Brasil. In: FERREIRA, Eliza Bartolozzi; FONSECA; Marília (Orgs.). Política e Planejamento Educacional no Brasil do século 21. Brasília: DF, Liber Livro, 2013.

DOURADO, Luís Fernandes. Financiamento da educação no Brasil: aportes teóricos e a construção de uma rede de pesquisadores. In: GOUVEIA, A.B.; SOUZA, A.R.; TAVARES, T.M. (Org.). Conversas sobre financiamento da educação no Brasil. Curitiba: UFPR, 2006. p. 27-40.

DOURADO, Luís Fernandes. PNE 2014-2024: desafios para a educação brasileira. Entrevista. Revista Retratos da Escola. CNTE. Brasília, vol. 8, n. 15, jul/dez/2014.

DUARTE, Marisa Ribeiro Teixeira. Regulação Sistêmica e a Política de Financiamento da Educação Básica. Educação e Sociedade, São Paulo, v. 26, 2005. N. Especial.

FARENZENA, Nalú. Diretrizes da política de financiamento da educação básica: continuidade e inflexões no ordenamento constitucional-legal (1987-1996). Porto Alegre: FACED: UFRGS, 2001.

FARENZENA, Nalú; ARAUJO, Emílio. Espaços de democratização na gestão financeira da educação. Porto Alegre: FACED: UFRGS, 2005.

MARTINS, Paulo de Sena. Política e Planejamento Educacional no Brasil do século 21. In: FERREIRA, Eliza Bartolozzi; FONSECA, Marília. (Orgs.). Política e Planejamento Educacional no Brasil do século 21. Brasília: DF, Liber Livro, 2013.

ROSSINHOLI, Romualdo P. de & ADRIÃO, Thereza. Gestão, financiamento e direito à educação: análise da LDB e da Constituição Federal. São Paulo: Xamã, 2001.

SAVIANI, Dermeval. PNE 2014-2024: desafios para a educação brasileira. Entrevista. Revista Retratos da Escola. CNTE. Brasília, vol. 8, n. 15, jul/dez/2014.

Downloads

Publicado

13/10/2016

Como Citar

França, M. (2016). FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ? LIMITES E AVANÇOS DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (2014-2024). HOLOS, 6, 188–198. https://doi.org/10.15628/holos.2016.4999

Edição

Seção

ARTIGOS