DO PARADIGMA ASSISTENCIAL AO PARADIGMA DO DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA: A PERCEPÇAO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Marina Patricio Arruda, Izabel Cristina Feijó de Andrade, Shana Siqueira Bragaglia Machado

Resumo


Este artigo deriva de uma dissertação de mestrado que dentre outros objetivos buscou conhecer a percepção de professoras sobre um período histórico de transição entre paradigmas educacionais. Pesquisa de caráter qualitativo foi realizada num município de médio porte de RS; tendo como instrumento de pesquisa a história oral e análise de conteúdo para tratamento dos dados colhidos em contexto de afirmação do compromisso com o desenvolvimento integral das crianças. Compreendemos, ao final do estudo que a presença das professoras no interior das creches impulsionou fortemente a  transição  entre  o paradigma assistencial, um modelo construído historicamente nas instituições brasileiras e o paradigma de desenvolvimento integral das crianças. As professoras sentiram-se protagonistas de um tempo de mudanças. Além de cuidar, perceberam que outras dimensões acentuaram a complexidade da prática pedagógica na educação infantil como educar, brincar, interagir e associar.

Palavras-chave


Educação Infantil; Paradigma Assistencial; Paradigma do Desenvolvimento Integral da Criança; História Oral.

Texto completo:

PDF

Referências


Arruda, Marina, P. (2008) O Mediador de Emoções: (Re) significando a prática da mediação social. Pelotas: Livraria Mundial.

Andrade et all. (2018) EDUCAÇÃO PARA INTEIREZA E AMBIENTALIZAÇÃO CURRICULAR: DIÁLOGOS NECESSÁRIOS SOBRE MATRIZES CURRICULARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO. Revbea, São Paulo, V. 13, Nº 1: 240-261. disponivel em: http://www.sbecotur.org.br/revbea/index.php/revbea/article/view/5085/3401

Barbosa, I. G.; Magalhães, S. M. O. (2004) Método dialético: uma construção possível na pesquisa em educação da infância? Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, ano 4, n. 2, p. 47-58.

Bardin, L. (2011) Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BrasiL, Congresso Nacional. Lei 9.394, de 17 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Ferreira, M. M (org.) (2000). História Oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Fiocruz/Casa de Oswaldo Cruz/CPDOC, Fundação Getulio Vargas.

Heller, A. (2004) O Cotidiano e a História. São Paulo: Paz e Terra.

Kuhlmann, M. (2007) Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação.

Martinez, Cláudia M. S; Palhares, Marina S. (2007) A educação Infantil: uma questão para o debate. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; PALHARES, Marina Silveira. Educação Infantil Pós-LDB: rumos e desafios. 6.ed. Campinas: Autores Associados, p. 5-16.

Josso, M.C. (2004) Experiências de vida e formação. Trad. José Cláudio e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez.

Moita , M.C. (2007). Percursos de formação e de trans-formação. In: Nóvoa, António. Vidas de Professores. Portugal: Porto, p. 111-140.

Moraes, M. C. (2006). Torre, S. Pesquisando a partir do pensamento complexo: elementos para uma metodologia de desenvolvimento ecossistêmico. Revista Educação. PUCRS, no XXIX (1). Porto Alegre, p.145-172.

Morin E. (2003). Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituo Piaget.

______ (2005). Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Portelli, A. (2017) Um trabalho de relação: observações sobre a história oral. Revista Trilhas da História. Três Lagoas, v.7, nº13 jul-dez, p.182-195.

Santos, B.S. (2001) Dilemas do nosso tempo: globalização, multiculturalismo e conhecimento. Porto Alegre: UFRGS, Revista Educação & Realidade, V. 26, n. 1.

Werthein, J. (2000). A sociedade da informação e seus desafios. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, maio/ago. 2000. p. 71-77. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n2/a09v29n2.pdf Acesso em: 03/04/ 2017.

Wilber, K. (2006). Espiritualidade Integral – uma nova função para religião neste inicio de milênio. Trad. Cássia Nasser. 1. ed. São Paulo: Aleph.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.4384



 

HOLOS IN THE WORLD