GÊNERO E SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA E NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: LIMITES E POSSIBILIDADES

Bianca Salazar Guizzo, Daniela Ripoll

Resumo


A partir da perspectiva teórica dos Estudos Culturais e dos Estudos de Gênero, o artigo objetiva analisar e problematizar as maneiras como as questões de gênero e de sexualidade têm sido abordadas na Educação Básica e em cursos de formação de professores. Foram analisadas algumas situações vivenciadas pelas autoras ao longo da pesquisa: um encontro presencial com turmas de 5° ano de uma escola da rede pública do Rio Grande do Sul, para a discussão de perguntas relacionadas a gênero e sexualidade; entrevistas com as professoras regentes destas turmas; a participação em uma comissão do Programa Nacional do Livro Didático voltada para a análise de livros didáticos de Ensino Médio e, por fim, algumas atividades voltadas à formação de professores no Ensino Superior. Conclui-se que, na Escola Básica, as formas de viver/explorar o corpo e a sexualidade trabalhadas dentro da escola continuam ligadas a questões biológicas e de saúde. Professores e professoras tendem a apoiar-se nessas abordagens mais “científicas” que, de certa forma, restringem a questão da sexualidade à reprodução e reiteram a heteronormatividade. Há pequenos avanços com relação às temáticas de gênero e sexualidade nos livros didáticos analisados, mas há, também, alguns retrocessos que contribuem para a perpetuação de situações de preconceito e de exclusão. Quando instados a pensar sobre tais aspectos e a analisar criticamente como alguns materiais tradicionalmente utilizados nas salas de aula da educação básica constroem determinadas representações sexualizadas e generificadas, os professores em formação encontram, em geral, muitas dificuldades.


Palavras-chave


Estudos Culturais; educação contemporânea; gênero; sexualidade

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio Parte III – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: DF, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf, acesso em 05/10/2013.

BRASIL. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN+. Brasília: DF, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Cien ciasNatureza.pdf, acesso em 05/10/2013.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: DF, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992:diretri zes-para-a-educacao-basica, acesso em 30/09/2013.

COSTA, M. Quem são? Que querem? Que fazer com eles? Eis que chegam às nossas escolas as crianças e os jovens do século XXI. In: MOREIRA, Antônio; ALVES, Maria Palmira; GARCIA, Regina (Orgs.). Currículo, cotidiano, e tecnologias. Araraquara: Junqueira& Marin, 2006.

DEAN, M. Governmentality. Power and rule in modern society.London, Thousand Oaks, New Delhi: Sage Publications, 1999.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. 12 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

GIDDENS, A. Modernidade e Identidade.Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

GREEN, B. e BIGUM, C. Alienígenas na sala de aula. In: SILVA, Tomaz Tadeu. Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em sala de aula.8 ed. RJ:Vozes, 2009.

HARAWAY, D. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. CadernosPagu, n. 22, 2004, p. 201-246.

LOURO, G. Gênero, Sexualidade e Educação:uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

_____.Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LUHMANN, N. El concepto de riesgo. In: BERIAIN, J. (comp.). Las consecuencias perversas de la modernidad. Modernidad, contingencia y riesgo. Barcelona: Anthropos, 1996.

LUPTON, D. Risk. London/New York: Routledge, 1999.

NELKIN, D. Communicating technological risk: The social construction of risk perception.Annu. Rev. Public Health, v.10, 1989, p. 95-113.

NELSON, C.; TREICHLER; P.; GROSSBERG, l. Estudos Culturais: uma introdução. In: SILVA, T.T. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Uma introdução aos Estudos Culturais em Educação. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

SANTOS, L. H. S. Incorporando “outras” representações culturais de corpo na sala de aula. In: OLIVEIRA, D. L. (Org.). Ciências nas salas de aula.2ª Edição. Porto Alegre: Mediação, 1998.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre: FACED/UFRGS, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995, p. 71-99.

WEEKS, J. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999, p. 35-82.

WILLIS, S. Cotidiano: para começo de conversa. Rio de Janeiro: Graal/Paz e Terra, 1997.

WORTMANN, M.L.C. Análises culturais – um modo de lidar com histórias que interessam à educação. In: COSTA, M. (Org.) Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2015.2945



 

HOLOS IN THE WORLD