CONTRIBUIÇÕES DOS ESTUDOS DO COTIDIANO À REFLEXÃO SOBRE SER/TORNAR-SE ESTUDANTE: PERTENCIMENTO E EXCLUSÃO NO ESPAÇO-TEMPO DA ESCOLA

Paula Almeida Castro, Marcio Rodrigo Vale Caetano, Treyce Ellen Silva Goulart, Amanda Motta Ângelo Castro

Resumo


Neste artigo, debateremos os sentidos produzidos em torno das vivências escolares por estudantes com dificuldades de leitura e escrita de uma escola pública do estado da Paraíba. Para tanto, foi utilizada a abordagem dos estudos do cotidiano para compreender os sentidos dos fazeres, deveres e saberes conduzidos/as pelos/as discentes em torno do processo de ser/tornar-se estudante. Os resultados apontam para a compreensão de que os processos de aprender e ensinar apresentam-se imbricados pela construção de sentidos à permanência na escola e sentimentos de pertença que não se encerram nos conteúdos disciplinares dispostos nos currículos. Dessa forma, é nossa intenção questionar os mecanismos sutis de exclusão escolar e, nesse sentido, refletir sobre o papel da escola em uma perspectiva inclusiva.


Palavras-chave


Estudos do cotidiano; Identidade; Exclusão

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, N. (2010). Sobre as razões das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: GARCIA, Regina Leite (Org.). Diálogos cotidianos (pp.67-80). Petrópolis, RJ/Brasil: FAPERJ-DP&A.

____. (2001). Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, I. B. de; ALVES, N. (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes (pp. 13-37). Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

BOURDIEU, P; CHAMPAGNE, P. (1998). Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, M. A; CATANI, A. (Org.). Escritos de Educação (pp. 217-228). Petrópolis, RJ: Vozes.

BRASIL (2016). Resolução No. 510, DE 07 DE ABRIL DE 2016. Brasília, Conselho Nacional de Saúde.

CAETANO, M. (2016). Performatividades reguladas: heteronormatividades, narrativas biográficas e educação. Curitiba, PR: Apprir.

CASTRO, P. A. de. (2016). Tornar-se aluno – identidade e pertencimento: perspectivas etnográficas. Campina Grande, PB: EDUEPB.

CERTEAU, M. (1994). A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

DELAMONT, S. (1987). Interacção na sala de aula. Lisboa, Portugal: Livros Horizonte.

DELORY-MOMBERGER. C. (2008). Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal, RN: EDUFRN.

DUBET, F. (2003). A escola e a exclusão. Cadernos de Pesquisa (119), 29-45.

FOUCAULT, M. (2001). Os Anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo, SP: Martins Fontes.

GARCIA, R. L. (2003). Método, métodos, contramétodos. São Paulo, SP: Cortez.

____. (2001). Reflexões sobre a responsabilidade social do pesquisador. In: MOREIRA, A. F. [et. al.] (Org.). Para quem pesquisamos. Para quem escrevemos: o impasse dos intelectuais (pp. 11-36). São Paulo: Cortez.

HALL, S. (2003). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

NAIFF, L. A. M.; SÁ, C. P. de; NAIFF, D. G. M. (2008). Preciso estudar para ser alguém: memória e representações sociais da educação escolar. Paidéia, 18 (39), 125-138.

OLIVEIRA, I. B. de. (2007). Aprendendo nos/dos/com os cotidianos a ver/ler/ouvir/sentir o mundo. Educação e Sociedade, 28(98), 47-72.

SARMENTO, M. J. (2002). Infância, exclusão social e educação como utopia realizável. Educação & Sociedade, 23(78), 265-283.

SENNA, L. A. G. (2008). Formação docente e educação inclusiva. Cadernos de Pesquisa, 38(133), 195-219.

SOUSA, C. P. de. (1999). Limites e possibilidades dos programas de aceleração de aprendizagem. Cadernos de Pesquisa, (108), 81-99.

STEINBERG, S.; KINCHELOE, J. (1997). Students as researchers: creating classrooms that matter. New York, Estados Unidos: Taylor Print on Dema.

VALLE, L. (1997). A escola imaginária. Rio de Janeiro, RJ: DP&A.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5257



 

HOLOS IN THE WORLD