IMPACTOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS EM ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO CAETANO DO SUL (SP)

Alessandra Preto Bitante, Ana Cristina de Faria, Marcos Antonio Gaspar, José Valentin Iglesias Pascual, Denis Donaire

Resumo


O objetivo deste estudo é verificar a percepção dos professores sobre o impacto do uso da tecnologia da informação e comunicação (TIC) na aprendizagem dos alunos do Ensino Fundamental. Esta é uma pesquisa qualitativa descritiva feita por meio de estudo de caso único em uma escola de Ensino Fundamental de São Caetano do Sul (SP), tendo sido aplicado questionário semi-estruturado junto a doze professores. Os principais resultados evidenciaram que as ferramentas de TIC introduzidas possibilitaram a consulta, pesquisa e produção de informações, viabilização de comunicação e intercâmbio dessas informações entre os participantes (gestão escolar, professores e alunos), além de permitir o desenvolvimento das disciplinas e projetos. Paradoxalmente, embora a utilização de ferramentas de TIC seja grande, a maior parte dos professores (91,7%) pesquisados não possui formação especializada, o que causa, na opinião dos respondentes, a subutilização das ferramentas.

Palavras-chave


Comunicação, Educação, Gestão Pública. Tecnologia da Informação e Comunicação

Texto completo:

PDF

Referências


Abicalil, C. A. (2013). Sistema nacional de educação: os arranjos na cooperação, parceria e cobiça sobre o fundo público na educação básica. Educação Social, 34 (124), 803-828.

Acevedo, J. A. D. A. (2001). La formación Del profesorado de enseñanza secundarias para La educación CTS: una cuestión problemática, 2001. Recuperado de: . Acesso em: 20 jun. 2014.

Acevedo, J. A. D. A., Alonso, Á. V., & Massanero, M. A. (2004). Progresos em La evaluación de actitudes relacionadas com La ciencia mediante El cuestionario de opiniones, 2004. Recuperado de: . Acesso em: 20 jun. 2014.

Auler, D. (2002). Interações entre ciência-tecnologia-sociedade no contexto da formação de professores de ciências. Florianópolis: UFSC.

Azevedo, J. M. L. (2009). Programas federais para a gestão da educação básica: continuidade e mudanças. RBPAE, 25 (2), 211-231, Maio/Ago.

Barbosa, M. S. S. (2004). O papel da escola: obstáculos e desafios para uma educação transformadora. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições.

Barreto, A. M. R. F. (2003). A educação infantil no contexto das políticas públicas. Revista Brasileira de Educação, 24, 53-65.

Barroso, J. (2001). Das reformas globais às mudanças locais. Anais... In: XX Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Educação, Salvador.

Bazzo, W. A. (1998). Ciência, tecnologia e sociedade: e o contexto da educação tecnológica. Florianópolis: UFSC.

Bazzo, W. A., & Colombo, C. R. (2001). Educação tecnológica contextualizada: ferramenta essencial para o desenvolvimento social brasileiro. Revista de Ensino de Engenharia, 20 (1), 9-16.

Brasil. (2015). Plano Nacional de Educação – PNE. Ministério da Educação. Brasília: Inep, 2015. Recuperado de: . Acesso em: 21 jun. 2015.

Burbules, N.C, & Callister, T.A. (2008). Educación: riesgos y promesas de lãs nuevas tecnologías de La información. Buenos Aires: Granica.

Carvalho, E. J. G. (2009). Reestruturação produtiva, reforma administrativa do estado e gestão da educação. Educação Social, 30 (109), 1139-1166, Set./Dez.

Cavagnoli, I. (2009). Inovação organizacional. Gestão e Inovação. Recuperado de: . Acesso em: 19 jun. 2014.

Chávez, P. (1995). Seminario Taller Internacional de innovaciones educativas. Revista Latino americana de Innovaciones Educativas, 7 (20), 11-71.

Ciranda - Central de Notícias dos Direitos da Infância e Adolescência. 2013. Novas tecnologias já podem ser usadas em sala de aula. Disponível em: http://ciranda.org.br/novas-tecnologias-ja-podem-ser-usadas-nas-salas-de-aula/ Acesso em: 13 nov. 2014.

Cerezo, J. A. L. (2002). Ciência, tecnologia e sociedade: o estado da arte na Europa e nos Estados Unidos. In: SANTOS, L. W. (Org.). Ciência, tecnologia e sociedade: o desafio da interação. Londrina: IAPAR.

CONAE – Conferência Nacional de Educação. (2010). Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: o Plano Nacional de Educação, diretrizes e estratégias. Documento Final. Brasília. Recuperado de: . Acesso em: 24 ago. 2014.

Cruz, S. M. S. C. S. (2001). Aprendizagem centrada em eventos: uma experiência com enfoque ciência, tecnologia e sociedade no ensino fundamental. Florianópolis: UFSC.

Cysneiros, P. G. (2000). Novas tecnologias no cotidiano da escola. Anais... In: 23ª ANPEd, Caxambu.

Dourado, L. F. (2007). Políticas e gestão da educação básica no Brasil: limites e perspectivas. Educação Social, 28 (100), 921-946.

Drucker, P. (2000). A nova sociedade das organizações. In: HOWARD, R. (Org.) Aprendizado organizacional. Rio de Janeiro: Campus.

FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Apresentação (2014). Recuperado de: . Acesso em 21 de jun. 2014.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4a Ed. São Paulo: Atlas.

Gouveia, A. B., & Pelona, A. (2010). Recursos do FNDE e sua importância nos municípios da Região Metropolitana de Curitiba. Revista Eletrônica Política e Gestão Educacional, 9, 1-14.

Gouveia, A. B., & Souza, A. R. (2010). Perspectivas e desafios no debate sobre financiamento e gestão da educação: da CONAE a um novo PNE. Educação Social, 31 (112), 789-807.

Imbernón, F. (2000). A educação no século XXI. Porto Alegre: ARTMED.

INESC - Instituto de Estudos Socioeconômico. Criança e adolescente no parlamento. (2012). Recuperado de: . Acesso em: 20 jun. 2014.

ITS – Instituto de Tecnologia Social. (2004). Caderno de Debates - Tecnologia social no Brasil. São Paulo.

Jacobi, P., & Pinho, J.A. (2006). Inovação no campo da gestão pública: novos desafios, novos patamares. Rio de Janeiro: FGV.

Jenkins, H. (2008). Cultura da convergência. São Paulo: Aleph.

Kramer, S., & Nunes, M. F. (2007). Gestão pública, formação e identidade de profissionais de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, 37 (131), 423-454.

Koepsel, R. (2003). CTS no Ensino Médio: aproximando a escola da sociedade. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Leal, M. C. E, & Gouvêa, G. (2001). Uma visão comparada do ensino em ciência, tecnologia e sociedade na escola e em um museu de ciência. Ciência & Educação, 7 (1), 67-84.

Medina, M., & Sanmartín, J. (1990). El programa tecnología, ciencia, natureza y sociedad. In: MEDINA, M. (Org.). Ciencia, tecnología y sociedad: estudos interdisciplinares em La universidad, em La educación y em la gestión pública. Barcelona: Anthropos.

Mitrulis, E. (2002). Ensaios de inovação no ensino médio. Cadernos de Pesquisa, 116, 217-244.

Mortimer, E. F., & Santos, W. L. P. (2000). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 2 (2), 133-162.

Oliveira, C. B. E. (2005). Ensino fundamental: papel do professor, motivação e estimulação no contexto escolar. Brasília.

Oliveira, D.A. (2000). Educação básica: gestão do trabalho e da pobreza. Petrópolis: Vozes.

Peroni, V. M. V., Oliveira, R. T. C., & Fernandes, M. D. E. (2009). Estado e terceiro setor: as novas regulações entre o público e o privado na gestão da educação básica brasileira. Educação Social, 30 (108), 761-778.

Pinheiro, N.A.M. (2004). Uma experiência matemática sob o enfoque CTS: subsídios para discussões. Revista Perspectiva, 28, p. 33-49.

Pinheiro, N.A.M. (2005). Educação crítico-reflexiva para um ensino médio científico tecnológico: a contribuição do enfoque CTS para o ensino aprendizagem do conhecimento matemático. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica). Universidade Federal de Santa Cartarina, Florianópolis.

Pinheiro, N.A.M.; Silveira, R. M. C. F., & Bazzo, W. A. (2007). Ciência, tecnologia e sociedade: a relevância do enfoque CTS para o contexto do ensino médio. Ciência & Educação, 13 (1), 71-84.

Pinheiro, T. (2009). Tecnologia na aula. Revista Nova Escola, ed. 228. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2014.

Pino, I. R. (2008). As TIC na formação à distância: reflexões contemporâneas. Retratos da Escola, 2 (2-3), 109-120.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. (2010). Ranking IDH municípios 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2014.

Portal Aprender São Caetano. Aprimora ensino fundamental. São Caetano do Sul: PMSCS. (2014). Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2014.

Prensky, M. (2010). O papel da tecnologia no ensino e na sala de aula. Conjectura, 15 (2).

Rodrigues, I., & Barbieri, J. C. (2008). A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. RAP – Revista de Administração Pública, 42 (6), 1069-1094.

Rodrigues, G. S. S. C, & Colesanti, M. T. de M. (2008). Educação ambiental e as novas tecnologias de informação e comunicação. Sociedade & Natureza, 20 (1), 51-66.

Santos, G. M. C., & Barros, D. M. V. (2008). Escola de tempo integral: a informática como princípio educativo. Revista Iberoamericana de Educación, 46 (8), 1-11.

Sanz, M. A., Mortalla, T. D., & Gómez, Y. H. (1996). Ciencia, tecnología y sociedad. Madrid: Noesis.

Schumpeter, J. A. (1984). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar.

Selwyn, N. (2008). O uso das TIC na educação e a promoção de inclusão social: uma perspectiva crítica do Reino Unido. Educação Social, 29 (104), 815-850.

Senge, P. (1996). Conduzindo organizações voltadas para o aprendizado: o destemido, o poderoso e o invisível. In: Hesselbein, F., Goldsmith, M., & Beckhard, R. (Orgs.). O líder do futuro. São Paulo: Futur.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2004). Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. Chichester: John Wiley&Sons Ltd.

Tortajada, J. F. T., & Peláez, A. L. (1997). Ciencia, tecnología y sociedad. Madrid: Sistema.

Zuin, A. A. S. (2010). O plano nacional de educação e as tecnologias da informação e comunicação. Educação Social, 31 (112), 961-980.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2016.2876



 

HOLOS IN THE WORLD