AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO PALEONTOLÓGICO COM INTERVENÇÃO EM ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO: UM ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO TOCANTINS

Autores

  • Laís Aguiar da Silveira Mendes Grupo de Mineralogia e Geoquímica Aplicada da Universidade Federal do Tocantins
  • Daniel de Freitas Nunes Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de Brasília – PPGE FE/UnB
  • Etiene Fabbrin Pires Laboratório de Paleobiologia – Universidade Federal do Tocantins, Campus de Porto Nacional

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.1991

Palavras-chave:

Educação, Paleontologia, Ensino de Biologia, Ensino por intervenção

Resumo

Este artigo apresenta os resultados obtidos a partir da aplicação de estratégias educativas voltadas à divulgação do conhecimento paleontológico e integração comunidade-meio científico em duas escolas da Rede Estadual de Ensino Médio de Porto Nacional (TO) desenvolvidas como parte do projeto institucional de extensão “Tecendo redes de saberes e experiências através do ensino de Paleontologia em escolas municipais e estaduais, no município de Porto Nacional, TO”.  A metodologia utilizada consistiu na aplicação de dois questionários aos estudantes, (no início e no final das atividades de intervenção), com a finalidade de diagnosticar e avaliar o nível de conhecimento sobre Paleontologia, bem como verificar a eficácia das atividades de intervenção no processo de ensino e aprendizagem. As atividades consistiram de palestra, oficina de réplicas de fósseis e visita aos Laboratórios do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Os estudantes de ambas as escolas demonstraram-se semelhante quanto ao nível de conhecimento a respeito de Paleontologia. Inicialmente foi possível constatar um baixo nível de conhecimento paleontológico por parte dos estudantes. A aplicação das atividades de intervenção pedagógica demonstrou-se eficaz na apropriação do conhecimento, visto que após essas atividades, percebeu-se uma mudança no nível de conhecimento dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Laís Aguiar da Silveira Mendes, Grupo de Mineralogia e Geoquímica Aplicada da Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Fundação Universidade Federal do Tocantins (2010) e mestrado em Ecologia de Ecótonos pela mesma instituição (2013). Atualmente é doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Geociências - Geoquímica e Petrologia da Universidade Federal do Pará, e faz parte do Grupo de Mineralogia e Geoquímica Aplicada da UFPA. Tem experiência na área de Paleobotânica, com ênfase em Palinologia, atuando principalmente nos seguintes temas: educação de ciências e biologia, palinologia, paleontologia, geologia.

Daniel de Freitas Nunes, Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de Brasília – PPGE FE/UnB

Graduado em Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal do Tocantins. Desenvolve pesquisa na área de história da educação com ênfase em classes populares e educação superior pública e formação inicial de professores.Tem experiência em avaliação institucional no que diz respeito à políticas de assistência estudantil. Mestrando em educação pela Universidade de Brasília (UnB), membro do Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Formação e Atuação de Professores/Pedagogos - GEPFAPe - UnB.

Etiene Fabbrin Pires, Laboratório de Paleobiologia – Universidade Federal do Tocantins, Campus de Porto Nacional

Possui Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2001), mestrado (2003), doutorado (2008) e pós-doutorado (2009) em Geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul . Atualmente é Professora Adjunto III da Universidade Federal do Tocantins, onde atua na Graduação (modalidades Bacharelado e Licenciatura) e na pós-graduação (Mestrado em Ecologia de Ecótonos). Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Paleontologia Estratigráfica, atuando principalmente nos seguintes temas: Paleobotânica, Paleoecologia e Paleoclimatologia, Ensino de Paleontologia. Também possui experiência na Formação de Professores, atuando no Programa PARFOR, onde ministra disciplinas de Estágio na Licenciatura.

Referências

AMBIENTAL CONSULTING. Apoio à Consolidação de UC de Proteção Integral no Estado do Tocantins. Justificativas e Fundamentações para Alteração dos Limites do Parque Estadual do Jalapão, TO. 2008. No endereço: areasprotegidas.to.gov.br; Acesso em: 20 de dezembro de 2010.

ARAÚJO JUNIOR, H. I.; PORPINO, K. O. Análise da abordagem do tema paleontologia nos livros didáticos de biologia. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, v.33, n.1, p.63-73, 2010.

BARROS, A. J. S.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de metodologia científica: um guia para a iniciação científica. 2. ed. São Paulo : Makron Books, 2000.

BORGES, T. Novos rumos para o Laboratório Escolar de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, SC, v.19, n. 3, p. 291-313, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Nacional de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEF, 1999.

CRESWELL, J.W. Educational research: Planning, conducting, and evaluating quantitative and qualitative research. 4.ed. Boston: Pearson, 2012.

COMÊNIO, J. A. Didática Magna: tratado da arte universal de ensinar tudo a todos. 4. ed. S/L: Fundação Calouste Gulbenkian, 1998. Cap. VII e XVI.

DANTAS, M. A. T.; ARAÚJO, M. I. O. Novas tecnologias no ensino de paleontologia: cd-rom sobre os fósseis de Sergipe. Revista Electrónica de Investigación em Educación em Ciencias, año 1, n.2, p.28-30. Deciembre de 2006.

DIAS-BRITO, D.; ROHN; R.; CASTRO, J.C.; DIAS, R.R.. & RÖSSLER, R. Floresta Petrificada do Tocantins Setentrional - O mais Exuberante e importante registro Florístico Tropical- Subtropical Permiano no Hemisfério Sul. In: Winge,M.; Schobbenhaus, C.; Berbert-Born, M.; Queiroz, E.T.; Campos, D.A.; Souza, C.R.G.; Fernandes, A.C.S. (Eds.) Sítios Geológicos E Paleontológicos Do Brasil 2007. Disponível em: http://sigep.cprm.gov.br/sitio104/sitio104.pdf. Acesso em 14 de dezembro de 2013.

GOULD, S.J. Nonmoral nature. Natural History, v. 91, p. 19-26, 1982.

GOULD, S.J. Nonoverlapping magisteria. Natural History, v. 106, p. 16-22, 1997.

MAYR, E. O desenvolvimento do pensamento biológico. Brasília: Editora UnB, 1998.

MEYER, D. & EL-HANI, C. N. Evolução: o sentido da Biologia. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

PINNA, M. Entendendo Darwin. Pesquisa Fapesp, v.38, n. 157, março de 2009, p. 38-39.

REIS, M. A. F. et al. Sistema multimídia educacional para o ensino de geociências: uma estratégia atual para a divulgação da paleontologia no ensino fundamental e médio. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, v.28, n.1, p.70-79, 2005.

ROUSSEAU, J. J. Emílio ou da Educação. 3.ed. São Paulo: Martins, 2004. Livro primeiro, p. 5-57.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 11.ed. Campinas: Autores Associados, 1996.

YIN, R. k. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2016-01-13

Como Citar

Mendes, L. A. da S., Nunes, D. de F., & Pires, E. F. (2016). AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO PALEONTOLÓGICO COM INTERVENÇÃO EM ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO: UM ESTUDO DE CASO NO ESTADO DO TOCANTINS. HOLOS, 8, 384–396. https://doi.org/10.15628/holos.2015.1991

Edição

Seção

ARTIGOS