“AO CORRER DA PENA”: EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO PENSAMENTO DO INTELECTUAL FRANCISCO LINS

Daise Silva dos Santos

Resumo


Compreender o pensamento de Francisco Lins (1866-1933) quanto à educação profissional é o objetivo deste trabalho. O assunto foi tratado em crônicas do intelectual mineiro, hoje relegado ao esquecimento, mas que outrora destacou-se nas esferas em que atuou. Debruço-me nesta investigação sobre essas produções a fim de entender as ideias que desenvolveu sobre o tema da educação profissional. Trabalho com a perspectiva de Roger Chartier (1990) de que a compreensão de qualquer texto depende da maneira como chega ao leitor. Desse modo, busco entender o uso, a materialidade e o suporte em que os textos circularam. A partir da análise, percebo que, em um primeiro momento, o interesse do educador era tratar o ensino profissional-agrícola, engajado nas ideias do movimento ruralista, que pregava uma formação para o trabalho e o desenvolvimento do país, considerando-o como "essencialmente agrícola". Posteriormente, inserido no contexto de reformas educativas dos anos 1920, influenciado pelas ideias escolanovistas, pensa a educação profissional associada ao ensino prático das instituições primárias, visando à identificação de aptidões e orientação profissional. Nessa formulação, os professores teriam um papel fundamental, sendo a formação desses profissionais também tratada em seus textos.

Palavras-chave


Viagens, Escola Nova, Institut Jean-Jacques Rousseau, crônicas, História da Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


Castilho, M. de S. (2013). “O amigo incondicional de todos os governos”: a trajetória de João Lage em O Paiz nos primeiros anos da República. [Apresentação de comunicação Oral]. In IX Encontro Nacional de História da Mídia (1-13). Ouro Preto. http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/9o-encontro-2013/artigos/gt-historia-do-jornalismo/201co-amigo-incondicional-de-todos-os-governos201d-a-trajetoria-de-joao-lage-em-o-paiz-nos-primeiros-anos-da-republica.

Christo, M. de C. V. (1994). A “Europa dos pobre”: Juiz de Fora na Belle-Époque mineira. EDUFJF.

Barbosa, M. 2007. História cultural da imprensa: Brasil, 1900-2000. Mauad X.

Chalhoub, S. et al. (2005). Apresentação. In S. Chalhoub et al.. (Ed.), História em Cousas Miúdas: capítulo de História Social da crônica no Brasil. 11-22. Editora Unicamp.

Chartier, R. (1990). A História Cultural: entre práticas e representações. DIFEL.

Dias, A. (2014). Entre laranjas e letras: processos de escolarização no distrito-sede de Nova Iguaçu (1916-1950). Quarter: Faperj.

Esteves, A. (1915). Álbum do Município de Juiz de Fora. Imprensa Oficial do Estado de Minas.

Kappel, M. N. (2019). Literatos, Jornalistas e Inspetores de ensino: Perspectivas modernizadoras para a cidade de Juiz de Fora (1896-1910). [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro]. Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE-UFRJ). https://ppge.educacao.ufrj.br/teses2019/tMarilia%20Neto%20Kappel.pdf.

Lins, F. Cem annos depois, Revista do Ensino, No. 23, out. 1927. http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/.

Lins, F. Escolas Infantis, O Paiz, 15/11/ 1924, 4. http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

Lins, F. Grupos escolares, O Paiz, 23/11/1924, 5. http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

Lins, F. Um novo Gymnasio, O Paiz, 27/12/1924, 4. http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

Lins, F. Ensino Profissional V. Correio de Minas, 20/12/1896, 1. http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

Lins, F. Cartas da Roça, O Pharol, 21 de setembro de 1892, 1. http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx.

Lins, F. Orientação Profissional. Minas Geraes, 28/06/1930, 6.

Mario Mendes Campos. Discurso de Posse na cadeira No. 19 da AML. Revista da Academia Mineira de Letras. Volume XV, 1934.

Nagle, J. (1974). Educação e sociedade na Primeira República. EPU.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2020.11347



 

HOLOS IN THE WORLD