ALIMENTOS ORGÂNICOS NO BRASIL: uma revisão de literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9619

Palavras-chave:

Alimentos orgânicos, Brasil, Revisão de literatura.

Resumo

Esta é uma revisão em torno dos Alimentos Orgânicos no Brasil, motivada pela importância econômica, das tendências mercadológicas, de saúde, ambiental e de sustentabilidade relacionada a esses produtos. Os artigos utilizados para a fundamentação desse estudo foram selecionados a partir dos resultados de pesquisas no portal BVS Brasil, no portal SciELO, e no Portal de Periódicos da CAPES/MEC. A partir dos critérios de inclusão, chegou-se a oito manuscritos que levaram a discussões sobre a disponibilidade domiciliar de alimentos orgânicos no Brasil, a diversificação dos seus canais comerciais, a sensibilidade dos consumidores, assim como sua utilização no PNAE. Dos estudos selecionados, quatro foram realizados em conjunto com Centros Colaboradores em Alimentação e Nutrição Escolar, três utilizaram microdados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF/IBGE), e um último conduziu uma pesquisa de marketing em uma associação de agricultores familiares. Alguns fatores relacionados à disponibilidade de alimentos orgânicos foram o número de moradores por domicílio, renda per capita e escolaridade. As altas elasticidades-renda indicaram tais produtos como bens superiores ou de luxo, mas viu-se também forte fidelidade dos consumidores já habituados. Alguns dos canais de comercialização mais importantes foram a venda direta e os mercados institucionais, como o PNAE. Na alimentação escolar, relatou-se a utilização de tais alimentos pela preocupação com a saúde e formação de hábitos saudáveis, já algumas das maiores dificuldades foram a falta de certificação, limitações na variedade, e preços elevados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bruno Jonatan de Sousa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN

Graduado em Nutrição pelo UNI-RN (2015). Mestrando em Nutrição (PPGNUT/UFRN). Especialista em Ciência e Tecnologia de Alimentos pelo IFRN (2021). Especialista em Ensino e Aprendizagem de Inglês como Língua Estrangeira pela UFRN (2017).

Thaís Bezerra Veríssimo Miguel, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN

Graduada em Engenharia de Alimentos pela UFRN (2017). Mestranda em Engenharia Química (PPGEQ/UFRN). Especialista em Ciência e Tecnologia de Alimentos pelo IFRN (2021).

Saint Clair Lira Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN

Graduado em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido-UFERSA (1999) e em Ciências Biológicas pela UFRN (2016); Especialista em Extensão Rural para o Desenvolvimento Sustentável (EMATER / UFERSA / MDA - 2007); Mestrado (2005) e Doutorado (2010) em Agronomia/Fitotecnia-UFERSA. Professor de Agronomia e Alimentos Agroecológicos do Instituro Federal do RN, Campus Curais Novos.

Referências

Borsato, A. V. (2015). Sistema de produção agrícola de base ecológica. Nunes, R. R. & Rezende, M. O. O. (Org.). Recurso Solo: Propriedades e Usos. São Carlos: Editora Cubo, 2015. p. 499-523. Acessado em: 27/12/2019. Disponível em: alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/1033980/1/Capitulo16.pdf

Brasil. (2003). Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 dez. 2003 a. Seção 1, p. 8. Acessado em: 05/10/2019. Disponível em: planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.831.htm

Brasil. (2007). Decreto nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 dez. 2007. Seção 1, p. 2. Acessado em: 05/10/2019. Disponível em: planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6323.htm

Brasil. (2009). Instrução Normativa Conjunta nº 18, de 28 de maio de 2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 maio 2009 b. Seção 1, p. 15-16. Acessado em: 05/10/2019. Disponível em: iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/agroecologia/legislacao/n18.pdf

Brasil. (2009a). Lei nº 11.947, de 16 de Junho de 2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 jun. 2009. Acessado em: 05/10/2019. Disponível em: planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11947.htm

Brasil. (2012). Decreto N. 7.794, de 20 de agosto de 2012. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Acessado em: 05/10/2019. Disponível em: agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/legislacao/portugues/decreto-no-07-794-de-20-de-agosto-de-2012.pdf/view

Brasil. (2013). Poder Legislativo. Resolução nº 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Diário Oficial da União 2013; 18 jun. Acessado em 07/11/2019. Disponível em: fnde.gov.br/index.php/centrais-de-conteudos/publicacoes/category/197-resolucao-pdf?download=8436:versao-pdf

Brasil. (2014). Instrução Normativa N. 18, de 20 de junho de 2014. Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Gabinete do Ministro. Acessado em: 05/10/2019. Disponível em: agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/arquivos-organicos/legislacao/

portugues/instrucao-normativa-no-18-de-20-de-junho-de-2014.pdf/view

Buzin, E. J. W. K. (2016). Mercado De Produtos Orgânicos Em Goiânia: Venda Direta. Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO – Brasil. Acessado em: 27/10/2019. Disponível em: repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/6022

Castellani, A. L. A., Trentini, T., Nishida, W., Rossi, C. E., Costa, L. C. F., & Vasconcelos, F. A. G. (2017). Purchase of family farm and organic foods by the Brazilian School Food Program in Santa Catarina state, Brazil. Rev. Nutri., Campinas, 30(5):651-662, set./out., 2017. DOI: 10.1590/1678-98652017000500010

Fantini, A., Rover, O. J., Chiodo, E., & Assing, L. (2018). Agroturismo e Circuitos Curtos de Comercialização de Alimentos Orgânicos na Associação “Acolhida na Colônia” – SC/Brasil. RESR, Piracicaba-SP, Vol. 56, Nº 03, p. 517-534, Jul./Set. 2018 – Impressa em Outubro de 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1234-56781806-94790560310

Ferreira, A. S., & Coelho, A. B. (2017). O Papel dos Preços e do Dispêndio no Consumo de Alimentos Orgânicos e Convencionais no Brasil. RESR, Piracicaba-SP, Vol. 55, Nº 04, p. 625-640, Out/Dez 2017 – Impressa em Dezembro de 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1234-56781806-94790550401

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Microdados da POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares). Rio de Janeiro.

Machado, L. S., Rockett, F. C., Pires, G. C., Corrêa, R. S., & Oliveira, A. B. A. (2018). Alimentos orgânicos e/ou agroecológicos na alimentação escolar em municípios do Rio Grande do Sul, Brasil. Demetra. 13(1); 101-115. DOI: 10.12957/demetra.2018.30699

Mooz, E. D., & Silva, M. V. (2014). Disponibilidade de alimentos orgânicos no Brasil: caracterização sociodemográfica das famílias consumidoras. Higiene Alimentar – Vol. 28 – nº 234/235 – jul/agosto/2014. Acessado em: 27/10/2019. Disponível em: higienealimentar.com.br/wp-content/uploads/2019/07/REVISTA-236-237-1.pdf

Oliveira, F. C. R., & Hoffmann, R. (2015). Consumo de alimentos orgânicos e de produtos light ou diet no Brasil: fatores condicionantes e elasticidades-renda. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, 22(1):541-557. DOI: 10.20396/san.v22i1.8641571

Penteado, S. R. (2000). Introdução à agricultura orgânica – normas e técnicas de cultivo. Campinas: Grafimagem. 113p.

Santos, C. F., Siqueira, E. S., Araújo, I. T. & Maia, Z. M. G. (2014a). A agroecologia como perspectiva de sustentabilidade na agricultura familiar. Ambiente & Sociedade, 17(2), 33-52. DOI: 10.1590/S1414-753X2014000200004

Santos, F., Fernandes, P. F., Rockett, F. C., & Oliveira, A. B. A. (2014). Avaliação da inserção de alimentos orgânicos provenientes da agricultura familiar na alimentação escolar, em municípios dos territórios rurais do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 19(5):1429-1436. DOI: 10.1590/1413-81232014195.14982013

Silverio, G. A., & Sousa, A. A. (2014). Organic foods from family farms in the National School Food Program: Perspectives of social actors from Santa Catarina, Brazil. Rev. Nutr., Campinas, 27(3):289-300, maio/jun., DOI: 10.1590/1415-52732014000300003

Souza, M. C. M. (2003). Aspectos institucionais do sistema agroindustrial de produtos orgânicos. Informações Econômicas, v. 33, n. 3, p. 7-16. Acessado em: 05/12/2019. Disponível em: iea.sp.gov.br/ftpiea/ie/2003/TEC1-MAR-2003.pdf

Thorsøe, M. & Noe, E. (2016). Cultivating Market Relations – Diversification in the Danish Organic Production Sector Following Market Expansion. Sociologia Ruralis, v. 56, n. 3, jul. 2016. Acessado em: 07/11/2019. Disponível em: onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/soru.12086

Downloads

Publicado

2021-08-06

Como Citar

Sousa, B. J. de, Miguel, T. B. V., & Santos, S. C. L. (2021). ALIMENTOS ORGÂNICOS NO BRASIL: uma revisão de literatura. HOLOS, 4, 1–16. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9619

Edição

Seção

ARTIGOS