O NUTRICIONISTA ESCLARECIDO PARA A DEFESA DO DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO ADEQUADA: CONTRIBUIÇÕES KANTIANAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9425

Palavras-chave:

Alimentação, Direitos Humanos, Kant, Progresso, Esclarecimento.

Resumo

Este ensaio foi extraído da tese da autora e destaca algumas contribuições da filosofia política de Immanuel Kant ao debate atual sobre a efetivação do direito humano à alimentação adequada. O objetivo é delinear o papel do Nutricionista como agente do progresso moral da humanidade. Para tanto, relaciona os avanços jurídicos na garantia dos direitos humanos com a ideia kantiana de progresso para o melhor; em seguida, aborda a importância do esclarecimento, ancorado na ideia de liberdade de expressão do pensamento. Reconhece a atualidade do pensamento kantiano e o esclarecimento como uma estratégia relevante na formação do Nutricionista comprometido com a realização do direito humano à alimentação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

SÔNIA SOARES, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Nutricionista, doutora em ética, professora do Departamento de Nutrição/UFRN

Referências

Bobbio, Norberto. A era dos direitos. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

Brasil. Constituição (1988). Emenda Constitucional n. 64, de 04 de fevereiro de 2010. Altera o art. 6º da Constituição Federal, para introduzir a alimentação como direito social. Recuperado de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc64.htm>.

Brasil. 2006. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Recuperado de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11346.htm>.

Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3)/Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República - - ed. rev. - - Brasília: SEDH/PR, 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no

Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Série “Textos Básicos de Saúde”.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria n. 2715/2011. 2011a. Recuperado de: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2715_17_11_2011.html>.

CAISAN. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional. Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – PLANSAN 2016-2019. Brasília, DF: MDSA, CAISAN, 2017.

Carneiro, Fernando Ferreira et al. (Org.). Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015.

Comparato, Fábio Konder. Sentido e alcance do processo eleitoral no regime democrático. Estudos Avançados, v. 14, n. 38, p. 307-320, 2000.

Comparato, Fábio Konder. A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

Conceição, Jorge Vanderlei Costa da. Anthropologie transscendentalis: uma reorientação da teoria dos juízos em Kant. Kant e-Prints. Campinas, Série 2, v. 8, n. 2, p. 131-149 jul. – dez., 2013.

Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 5/2001. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de novembro de 2001. Seção 1, p. 39.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. CONSEA (Org.). Relatórios de Conferência. Recuperado de: <http://www4.planalto.gov.br/consea/eventos/conferencias>.

Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789). Recuperado de: <http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/dec1793.htm>.

Engesveen, Kaia. Proteção das crianças contra o marketing agressivo de alimentos e bebidas prejudiciais à saúde: O potencial de uma abordagem baseada nos direitos humanos. Noruega; 2005.

FAO. Guía para legislar sobre el derecho a la alimentación. Roma, 2010.

FAO, IFAD, UNICEF, WFP and WHO. 2017. The State of Food Security and Nutrition in the World 2017. Building resilience for peace and food security. Rome, FAO.

FAO. ONU. Declaração de Roma sobre a Segurança Alimentar Mundial, 1996. Recuperado de: <http://www.fao.org/docrep/003/w3613p/w3613p00.HTM>.

Ferment, Gilles, Melgarejo, Leonardo, Fernandes, Gabriel Bianconi, &

Ferraz, José Maria. Lavouras transgênicas – riscos e incertezas: mais de 750 estudos desprezados pelos órgãos reguladores de OGMs. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2015. 450p. (Nead debate; 26).

Ferry, Luc. Uma leitura das três críticas. Tradução Karina Jannini. 2. ed. Rio de Janeiro: Difel, 2010.

Freire, Paulo. Educação como prática da liberdade. 23ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

Gomes, Eduardo Granha Magalhães. Conselhos gestores de políticas públicas: aspectos teóricos sobre o potencial de controle social democrático e eficiente. Cad. EBAPE.BR, v. 13, nº 4, Artigo 12, Rio de Janeiro, Out./Dez. 2015.

Gomes, Fabio da Silva, Castro, Inês Rugani Ribeiro de, & Monteiro, Carlos Augusto. (2010). Publicidade de alimentos no Brasil: avanços e desafios. Ciência e Cultura, 62(4), 48-51. Retrieved January 19, 2020, from http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252010000400015&lng=en&tlng=pt.

Henriques, Patrícia, Sally, Enilce Oliveira, Burlandy, Luciene, & Beiler, Renata Mondino. (2012). Regulamentação da propaganda de alimentos infantis como estratégia para a promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 17(2), 481-490. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000200021.

Hinske, Norberto. Le idee portanti dell’illuminismo tedesco: tentativo di una tipologia. Tradução S. Fabbri Bertoletti. Annali della Scuola Normale Superiore di Pisa: Classe di Lettere e Filosofia, serie 3, v. 15, n. 3, p. 997-1.034, 1985.

Höffe, Otfried. Immanuel Kant. Tradução Christian Viktor Hamm & Valerio Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Hunt, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Instituto Internacional de Pesquisa sobre Políticas Alimentares. 2016. Relatório sobre a Nutrição Mundial 2016: da Promessa ao Impacto: Erradicar a Má Nutrição até 2030. Washington (EUA).

Kac, Gilberto, Sichieri, Rosely, & Gigante, Denise Petrucci (Org.). Epidemiologia Nutricional. Rio de Janeiro: Fiocruz/Atheneu, 2007.

Kant, Immanuel. Crítica da razão pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. 5ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985.

Kant, Immanuel. O conflito das faculdades. Tradução Artur Morão. Lisboa: 70, 1993. Coleção “Textos Filosóficos”.

Kant, Immanuel. Ideia de uma história universal com um propósito cosmopolita. Tradução Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: 70, 1995. Coleção “Textos filosóficos”.

Kant, Immanuel. Que significa orientar-se no pensamento. Tradução Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: 70, 1995a. Coleção “Textos filosóficos”.

Kant, Immanuel. Resposta à pergunta: “o que é o iluminismo?”. Tradução Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: 70, 1995b. Coleção “Textos filosóficos”.

Kant, Immanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: 70, 1995c. Coleção “Textos Filosóficos.

Kant, Immanuel. Ideia de uma história universal com um propósito cosmopolita. Tradução Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: 70, 1995d. Coleção “Textos filosóficos”.

Kant, Immanuel. Sobre a expressão corrente: Isto pode ser correto na teoria, mas nada vale na prática. Tradução Artur Morão. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Lisboa: 70, 1995e. Coleção “Textos filosóficos”.

Kant, Immanuel. Antropologia de um ponto de vista pragmático. Tradução Clélia Aparecida Martins. São Paulo: Iluminuras, 2006.

Kant, Immanuel. Metafísica dos Costumes. Tradução Clélia Aparecida Martins (primeira parte); Bruno Nadal Diego Kosbiau; Monique Hulshor (segunda parte). Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista, SP: Universitária São Francisco, 2013.

Klein, Joel Thiago. Kant sobre o progresso na história. Ethic@ - Florianópolis v.12, n.1, p. 67 – 100, jun. 2013.

Laffer, Celso. A ONU e os Direitos humanos. Estudos Avançados 9 (25), 1995.

Macor, Laura Anna. L’accezione kantiana de Bestimmung des Menschen e la sua prima ricezione (1784-1793). Kant e-Prints. Campinas, Série 2, v. 3, n. 2, p. 211-222, jul-dez, 2008.

Marini, Giuliano. Considerazioni su storia pronosticante ed entusiasmo. In: Bertani, Conrado; Pranteda, Maria Antonietta (Org.). Kant e il conflitto delle facoltà: ermeneutica, progresso storico, medicina. Bologna: Il Mulino, 2003, p. 213-229.

Nadal, Bruno. Progresso e moral na filosofia da história de Kant. 2011. 306 f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Filosofia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

Nour, Soraya. Os cosmopolitas. Kant e os “temas kantianos” em relações internacionais. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 25, nº 1, janeiro/junho 2003, p. 7-16.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Assembléia Geral das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Recuperado de: <http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf>.

ONU. Declaração Universal sobre Erradicação da Fome e Desnutrição, 1974. Recuperado de: <http://www.legislacion.bvsalud.org/php/level.php?lang=pt&component=37&item=5>.

ONU. Alto Comissariado de Direitos Humanos. Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Comentário Geral n. 12: Direito Humano à Alimentação Adequada, 1999. Recuperado de: <http://pfdc.pgr.mpf.mp.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/publicacoes/alimentacao-adequada/Comentario%20Geral%20No%2012.pdf>.

ONU. Declaração e os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio,2000. Recuperado de: <https://nacoesunidas.org/tema/odm/>.

ONU. Declaração de Viena e Programa de Ação, 1993. Recuperado de: <http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/viena/viena.html>.

ONU. Agenda do Desenvolvimento Sustentável, 2015. Recuperado de: <https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/>.

ONU. FAO. Diretrizes voluntárias para a realização progressiva do direito humano à realização adequada no contexto da segurança alimentar nacional. Roma, 2005.

Perez, Daniel Omar. Os significados da história em Kant. Philosophica, 28, Lisboa, 2006, p. 67-107.

Pinzani, Alessandro. Costretti alla libertà? Sulla filosofia della storia kantiana e sul concetto di autonomia in essa implicito. In: PINZANI, Alessandro; MONETI, Maria. Diritto, politica e moralità in Kant. Milano: Mondadori, 2004, p. 37-49.

Schmidt, James. What counts as an Answer to the question “what is enlightenment”. Talk for the Philosophy Department, Boston University, 2011. Recuperado de: <http://www.academia.edu/3751155/What_Counts_as_an_Answer_to_the_Question_What_is_Enlightenment_>.

Soares, Sônia. Ética da alimentação: porque devemos, segundo Kant, escolher uma alimentação adequada e saudável. 268 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte; Universidade Federal da Paraíba; Universidade Federal de Pernambuco. Natal, 2015

Ternay, Henri D´aviou de. Kant e a revolução francesa. Síntese: Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v. 16, n. 47, p.13-28, 1989. Recuperado de: <http://faje.edu.br/periodicos/index.php/Sintese/article/view/1756/2083>.

Vieira, Antônio. Sermão da visitação de Nossa Senhora. Recuperado de: <http://www.literaturabrasileira.ufsc.br/_documents/0006-02072.html>.

Wendhaysen, Águeda. O duplo sentido do controle social: (des) caminhos da participação em saúde. Itajaí: UNIVALI, 2002.

Wood, Allen. Kant. Tradução de Delamar Volpato Dutra. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Downloads

Publicado

19/08/2020

Como Citar

SOARES, S. (2020). O NUTRICIONISTA ESCLARECIDO PARA A DEFESA DO DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO ADEQUADA: CONTRIBUIÇÕES KANTIANAS. HOLOS, 5, 1–17. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9425

Edição

Seção

ARTIGOS