O LÓCUS DA SENSIBILIDADE NO FENÔMENO ÉTICO: REFLEXÕES A PARTIR DE KANT E LEVINAS.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.2578

Palavras-chave:

Sensibilidade, Ética, Kant, Levinas, Educação

Resumo

O presenteartigo é fruto das reflexões e pesquisas realizadas no GEPEES – Grupo de Pesquisa Ética, Educação e Sociedade, desenvolvidas na UNESP (Campi Assis e Marília). Por meio de estudo exploratório, pretende-se problematizar duas vozes contrastantes em relação ao lócus da sensibilidade no fenômeno ético, não para compará-las, mas para destacar o contraste e metodologicamente sustentarmos uma fricção de suas propostas para mantermos as diferenças. Para este trabalho, não nos interessa os resultados em termos de saber se Kant é mais verdadeiro do que Levinas ou vice-versa, mas alimentarmos um debate que visa resgatar e problematizar o elemento da sensibilidade (tais como o corpo, as paixões, os afetos) na tradição filosófica em geral e no discurso ético, em particular. Se para Kant a ação ética prescinde da sensibilidade. Para Levinas, a ação ética ocorre no encontro sensível com a alteridade, através da fruição, daaproximação e da vulnerabilidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Genivaldo de Souza Santos, IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO - Campus Birigui

Pós-doutorando em Educação pela UNESP - Universidade Estadual Paulista, Campus de Marília. Professor de Filosofia e Filosofia da Educação do IFSP - Instituto de Educação de São Paulo - Campus Birigui.

Éliton Dias da Silva, Secretaria de Estado de Educação do Estado de São Paulo

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da UNESP - Universidade Estadual Paulista, Docente de Filosofia da Escola de tempo integral da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Referências

ANDRADE, R.C.L. Formação Moral e Educação: um estudo a partir da filosofia prática de Kant. 192f. (Tese de doutorado – Educação) – Universidade Estadual Paulista, 2013.

CARVALHO, A. B. Razão e Paixão: Necessidade e contingência na construção da vida ética. Conjectura, v. 17, n. 1, p. 199-217, jan./abr. 2012.

GADAMER, H.-G. O problema da consciência histórica. Trad.: Paulo Cesar Duque Estrada. Fundação Getúlio Vargas Ed.: Rio de Janeiro, 1996.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Trad. e notas de Fernando Costa Mattos. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2012a.

___________. Resposta à pergunta: Que é esclarecimento? (Auflkarung) Trad. Floriano de Souza Fernandes. In: KANT, I. Textos Seletos. 8ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012b, p. 63-71.

___________. Começo conjctural da história humana. Trad. Edmilson Menezes. São Paulo, SP: Editora Unesp, 2010.

LEVINAS. E. Totalidade e Infinito. Trad. José Pinto Ribeiro. Lisboa: Ediçoes 70, 1980.

___________. Linguagem e Proximidade. In: Descobrindo a existência com Husserl e Heidegger. Lisboa: Inst. Piaget, 1998.

MATEO, M.S. Razón y sensibilidad em la ética de Kant. Tucuman (Argentina): 1981.

MIRANDA, J.V.A. A sensibilidade ética em Emmanuel Levinas. Kínesis, Vol. III, n° 06, p. 170-183, Dez. 2011.

PEREIRA, J.A. Crítica de Levinas ao sujeito moral de Kant. Polymatheia, Vol. IV, nº 5, p.99-111, 2009.

Downloads

Publicado

12/11/2016

Como Citar

Santos, G. de S., & da Silva, Éliton D. (2016). O LÓCUS DA SENSIBILIDADE NO FENÔMENO ÉTICO: REFLEXÕES A PARTIR DE KANT E LEVINAS. HOLOS, 7, 281–289. https://doi.org/10.15628/holos.2016.2578

Edição

Seção

ARTIGOS