METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE CARDÁPIO SUSTENTÁVEL PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5428

Palavras-chave:

Unidade de Alimentação e Nutrição, Sustentabilidade, Cardápio saudável

Resumo

A elaboração de cardápios saudáveis sob a ótica da produção sustentável é uma tendência mundial entre gestores de serviços de alimentação. O objetivo do estudo foi elaborar uma ferramenta de avaliação para setor de alimentação coletiva, no que diz respeito à produção de refeições e cardápios sustentáveis. Utilizou-se como embasamento científico revisão de literatura nacional e internacional sobre sustentabilidade em serviços de alimentação, e elaborou-se um questionário de verificação. Este questionário foi aplicado em uma UAN institucional e constatou-se conformidade em 70,3% dos itens avaliados. Destacou-se o desenvolvimento de ações relacionadas a geração de resíduos sólidos e a oferta de variedade das escolhas alimentares, embora, não tenha sido realizada auditoria energética e as refeições não apresentarem adequação total quanto à qualidade nutricional. Diante da relevância e escassez de estudos com propostas de avaliação de cardápios sustentáveis que auxiliem gestores, alunos e professores para aplicação de práticas voltadas para a sustentabilidade, sobretudo visando o atendimento legal vigente, o questionário desenvolvido auxiliará estes profissionais para uma gestão contemporânea, facilitando a implantação de ações sustentáveis na produção de refeições. A relevância do tema e escassez de trabalhos que apresentem ferramentas que propiciem adoção de práticas sustentáveis na produção de refeições ressaltam a importância de mais estudos voltados para esta temática. O instrumento desenvolvido nesta pesquisa é de fácil aplicação e contempla as recomendações mundiais da Associação Americana de Nutricionistas, desta forma, almeja-se que seja utilizado por profissionais dos serviços de alimentação visando adoção de ações sustentáveis na produção de refeições. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Priscilla Moura Rolim, UFRN

Departamento de Nutrição - UFRN

Referências

ABERC. Associação Brasileira de Empresas de Refeições Coletivas. História e mercado. Disponível em: <http://www.aberc.com.br/mercadoreal.asp?IDMenu=21> Acesso em 16 de maio de 2013.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004: Resíduos Sólidos: Classificação. Rio de Janeiro, 2004.

ABREU, E. S., SPINELLI, M. G. N., PINTO, A. M. S. Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. 3.ed. [S. l.]: Editora Metha, 2009.

ADA. (2001). Position of the American Dietetic Association: dietetics professionals can implement practices to conserve natural resources and protect the environment. Journal of the American Dietetic Association, v. 101, n.10, p. 1221-1227.

ALMEIDA, J. L., SANTANA, K. B., MENEZES, M. B. C. Sustentabilidade em unidades de alimentação e nutrição. 8º encontro internacional de formação de professores, v.8 n.1, 2015.

ALVES, F. S. A organização da produção de unidades de alimentação e nutrição. 2005. 158 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Programa de Pós-graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

ARAÚJO-PINTO, M., PERES, F., MOREIRA, J. C. (2012). Utilização do modelo FPEEEA (OMS) para a análise dos riscos relacionados ao uso de agrotóxicos em atividades agrícolas do estado do Rio de Janeiro. Ciência e Saúde Coletiva, v.17, n.6, p.1543-1555.

BAHIA, G. D. Programa social cozinha Brasil e a contribuição para o desenvolvimento sustentável. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao IDP – Instituto Brasiliense de Direito Público, curso de Pós-Graduação lato sensu, nível de Especialização em Direito da Propriedade, Agronegócio e Desenvolvimento Sustentável, como pré-requisito para a obtenção do título de Especialista. Brasília, 2015.

BARRETO, S. M., PINHEIRO, A. R. O., SISHIERI, R., MONTEIRO, C. A.,BATISTA FILHO, M., SCHIMIDT, M. I., LOTUFO, P., ASSIS, A. M., GUIMARÃES, V., RECINE, E. G. I. G., VICTORA, C. G., COITINHO, D., PASSOS, V. M. (2005). A. Análise da Estratégia Global para Alimentação, Atividade Física e Saúde, da Organização Mundial da Saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.14, n.1, p. 41 – 68.

BARTHICHOTO, M., MATIAS, A. C. G., SPINELLI, M. G. N., ABREU, E. S. (2013). Responsabilidade ambiental: perfil das práticas de sustentabilidade desenvolvidas em unidades produtoras de refeições do bairro de higienópolis, município de São Paulo. Qualit@s Revista Eletrônica, v.14, n.1, p.1-12.

BRASIL. Ministério da Saúde. Inquérito Domiciliar sobre Comportamentos de Risco e Morbidade Referida de Doenças e Agravos não Transmissíveis: 15 capitais e Distrito Federal 2002-2003. Rio de Janeiro: INCA, 2004.

BURLINGAME, B., DERNINI, S. (2011). Sustainable diets: the Mediterranean diet as an example. Public Health Nutrition, v.14, n.12A, 2285-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 156 p.

Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução nº 380/2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, estabelece parâmetros numéricos de referência, por área de atuação, e dá outras providências. Brasília, 2005b.

Ministério da Educação. Resolução nº 38, de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE, Brasília, DF, 16 jul. 2009.

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos, 2010a.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. Instituto de Tecnologias de Alimentos. Brasil Food Trends 2020. São Paulo, 2010b.

CAVALLI, S. B. (2001). Segurança alimentar: a abordagem dos alimentos transgênicos. Revista de Nutrição, Campinas, v.14, p.41-46.

COLARES, L. G. T., FREITAS, C. M. (2007). Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cadernos de Saúde Pública, v.23, p.12,p. 3011-3020.

CRUZ, SANDRA A., OLIVEIRA, ÉDER C., OLIVEIRA, FERNANDO C. S. DE, GARCIA, PÂMELA S., KANEKO, MANUELA L. Q. A. (2011). Polímeros reciclados para contato com alimentos. Polímeros, v.21, n.4, p.340-345.

FERMENT, G., FERNANDES, G., AVANCI, J. (2010). Seminário sobre proteção da agrobiodiversidade e direito dos agricultores: Propostas para enfrentar a contaminação transgênica do milho. Brasília: MDA.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. International Scientific Symposium Biodiversity And Sustainable Diets United Against Hunger. Rome, 2010. Available from:http://www.fao.org/ag/humannutrition/2850618960efe4aed57af34e2dbb8dc578d465df8b.pdf

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (FAO). THE STATE OF FOOD AND AGRICULTURE. CLIMATE CHANGE, AGRICULTURE AND FOOD SECURITY. 2016.

GERALDO, A. P. G., BANDONI, D. H., JAIME, P. C. (2008). Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil. Rev Panam Salud Publica, São Paulo, v.23, n.1, p.19-25.

GORGULHO, B. M., LIPI, M., MARCHIONI, D. M. L. (2011). Qualidade nutricional das refeições servidas em uma unidade de alimentação e nutrição de uma indústria da região metropolitana de São Paulo. Revista de Nutrição, Campinas, v.24, n.3, p.463-472.

GOUVEIA, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão. Ciência e Saúde Coletiva, v.17, n.6, p.1503-1510.

HALL, K. D., GUO, J.; DORE, M., CHOW, C. C. (2009). The Progressive increase of food waste in America and its environmental impact. Plos One, USA, v.4, n.11, e7940, 2009.

HARMON, A. H., GERALD, B. L. (2007). Position of the American dietetic association: food and nutrition professionals can implement practices to conserve natural resources and support ecological sustainability. Journal of the American Dietetic Association, United States, v.107, n.6, p.1033-1043.

HELLER MCAK, G. A. (2015). Greenhouse Gas Emission Estimates of U.S. Dietary Choices and 1920 Food Loss. Journal of Industrial Ecology. v.19, n.3, p. 391–401.

KARAM, K. M., BARBOZA, L. M. V. (2010). Estudo de hábitos alimentares na educação de jovens e adultos. Portal da Secretaria da Educação do Paraná, 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 de out. 2016.

KRAUSE, R. W., BAHLS, A. A. D. S. M. (2013). Orientações gerais para uma gastronomia sustentável. Revista Turismo Visão e Ação, v.15, n.3, p.434–450.

LAMBERTS, R., TRIANA, M. A., FOSSATI, M., BATISTA, J. O. (2008). Sustentabilidade nas edificações: contexto internacional e algumas referências brasileiras na área. Laboratório de Eficiência Energética, UFSC.

LIMA, T. C. (2012). Sustentabilidade em Unidades de Alimentação: Estudo sobre um Restaurante de Cozinha Brasileira. Trabalho de projeto apresentado à Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril para a obtenção do grau de Mestre em Segurança e Qualidade Alimentar em Restauração. Estoril, Janeiro de 2012.

LIMA, P. F. C., LIMA, A. M. M., CASTRO, S. M. V., GOMES, M. V. C. N. (2015). O consumo de alimentos orgânicos na cidade de Manaus (AM): o comércio de produtos e a sustentabilidade do setor. Revista Verde, v.10, n.1, p.120-127.

MARTINS, A. M. (2015). Sustentabilidade ambiental em unidades de alimentação e nutrição coletivas de Santa Catarina. Dissertação submetida ao programa de Pós-Graduação em Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina para a obtenção do Grau de Mestre em Nutrição. Florianópolis, 2015.

MILLEN, B. et al. (2015). Food Sustainability and Safety. In: 2015–2020 Dietary Guidelines for Americans. Disponível em: https://health.gov/dietaryguidelines/2015/resources/2015-2020_Dietary_Guidelines.pdf

MORETTI, C. L. Aproveitamento de resíduos do processamento mínimo de frutas e hortaliças. São Paulo: EMBRAPA, 2006.

O’KANE, G. (2011). What is the real cost of our food? Implications for the environment, society and public health nutrition. Public Health Nutrition, v.15, n.2, p.268–276.

REAL, L. C. V., SCHNEIDER, S. (2011). O uso de programas públicos de alimentação na reaproximação do pequeno produtor com o consumidor: o caso do programa de alimentação escolar. Estudo & debate, v.18, n.2, p.57-79.

SANTOS, P. M. P. P., SANTOS, A. (2012). Produção de alimentos com responsabilidade socioambiental em Unidade de Alimentação e Nutrição. Nutrição em pauta, v.2, n.6, p. 1-5.

SANTOS, E. S. B., SILVA, E. M. R. (2006). Estratégias vivenciadas sobre educação ambiental por professores de 1ª à 4ª série do Ensino Fundamental I. 2006. 69 f. Monografia (Especialização em Ciências Ambientais), Fundação de Ensino Superior de Olinda, Olinda, 2006.

SESI. SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA. Cozinha Brasil. Disponível em: < http://www.sesirs.org.br/projetos_sesi.asp >. Acesso em: 19 maio 2013.

SILVA, C. A., ANDREOLI, C. V. (2010). Compostagem como alternativa a disposição final dos resíduos sólidos gerados na CEASA Curitiba/PR. Engenharia Ambiental, v.7, n.2, p. 27-40.

RIGOTTO, R. M., CARNEIRO, F. F., MARINHO, A. M. C. P., ROCHA, M. M., FERREIRA, M. J. M., PESSOA, V. M., TEIXEIRA, A. C. A., SILVA, M. L. V., BRAGA, L. Q. V., TEIXEIRA, M. M. (2012). O verde da economia no campo: desafios à pesquisa e às políticas públicas para a promoção da saúde no avanço da modernização agrícola. Ciência e Saúde Coletiva, v.17, n.6, p.1533-1542.

SOUZA, A. A., AZEVEDO, E., LIMA, E. E., SILVA, A. P. F. (2012). Alimentos orgânicos e saúde humana: estudo sobre as controvérsias. Rev Panam Salud Publica, v.31, n.6, p.513–7.

SOUZA, A. A., SILVA, A. P. F., AZEVEDO, E., RAMOS, M. O. (2015). Cardápios e sustentabilidade: ensaio sobre as diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Rev. Nutr., v.28, n.2, p.217-229.

TADDEI, J. A. DE A. C. et al. Nutrição em Saúde Pública. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.

TATÀNO, F., CARAMIELLO, C., PAOLINI, T., & TRIPOLONI, L. (2017). Generation and collection of restaurant waste: Characterization and evaluation at a case study in Italy. Waste Management, v.61, p. 423–442.

TILMAN, D., CLARCK, M. (2014). Global diets link environmental sustainability and human health. Nature. 2014. PMID: 25383533. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25383533.

TRICHES, R. M.; FROEHLICH, E.; SCHINEIDER, S. (2011). Relações de produção e consumo: a aquisição de produtos da agricultura familiar para o Programa de Alimentação Escolar no município de Dois Irmãos (RS). Rio Grande do Sul, 2011.

VEIROS, M. B.; PROENÇA, R. P. C. (2010). Princípios de sustentabilidade na produção de refeições. Nutrição em Pauta, São Paulo, p. 45-49.

VEIROS, M. B.; PROENÇA, R. P. C.; KENT-SMITH, L.; HERING, B.; SOUSA, A. A. (2006). How to analyse and develop healthy menus in foodservice. Journal of Foodservice, v.17, p.159–165.

UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME. Towards a green economy: pathways to sustainable development and poverty eradication. S. l.: Unep, 2011.

WALLACE, A. (2005). Creating a sustainable restaurant industry with the green restaurant association. 2005. 28f. Trabalho de conclusão de estágio- Environmental Systems/Earth Science, University of California, San Diego, 2005.

WANJEK, C. (2005). Food at work: workplace solutions for malnutrition, obesity and chronic diseases. Geneva: International Labour Office, 2005.

SHCHOLNIK, W. (2011). Qualidade, indicadores e sustentabilidade. J Bras Patol Med Lab, v.47, n3, p.198-199.

WHO. World Health Organization. WHA57.17. 57ª Assembleia Mundial de Saúde. Estratégia Global em Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde. Oitava sessão plenária, 22 de maio de 2004. The World Oral Health Report, 2003a.

ZANONI, M., FERMENT, G. (2011). Transgênicos para quem? Agricultura, Ciência e Sociedade. Brasília, MDA, 2011.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Mota, Êmily B. F., Bezerra, I. W. L., Seabra, L. M. J., Silva, G. C. B., & Rolim, P. M. (2017). METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE CARDÁPIO SUSTENTÁVEL PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. HOLOS, 4, 381–394. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5428

Edição

Seção

ARTIGOS