NO TEAR DA MEMÓRIA, TRAVESSIAS DE HISTÓRIA DA LUTA DO CAMPO NO CORDEL: EDUCAR A JUVENTUDE EM DIREITOS HUMANOS

Patrícia Cristina de Aragão Araújo, Gildivan Francisco das Neves

Resumo


A luta e resistência popular pela terra é um marco na historicidade da sociedade brasileira. Pensar o campo é vislumbrar na sua contextura ações populares e dos movimentos sociais que lutaram pela terra, pelo direito social e político de pertencimento ao território rural. O objetivo geral deste trabalho é refletir sobre a luta pela terra e as resistências dos povos do campo no cordel, pelo viés dos direitos humanos na perspectiva de educar o jovem do campo sobre a memória histórica deste espaço social. Nossa proposta é mostrar que é possível educar a juventude do campo, através dos cordéis, estes vistos como espaço de educar que ao serem utilizados na educação escolar, como conteúdo de aprendizagem desenvolvem discussões sobre a educação do campo, tendo como eixos norteadores a memória e escrita do campo contidas nos folhetos.  O cordel, como constituinte de uma memória social nordestina e brasileira, traz marcas de produções de poetas populares, que nos textos poéticos, elaboraram suas visões do campo e compuseram uma escrita sobre o trajeto de homens e mulheres e a epopeia de suas experiências em comuns. Educar os jovens do campo a partir da memória e história dos povos do campo na escrita dos cordéis possibilita o diálogo de saberes e valores construídos no conhecimento vivencial dos poetas populares, é ensinar uma história, cuja narrativa se torna importante no aprendizado da juventude, educando pela valorização social, cultural e política com enfoque nos direitos humanos. 

 

PALAVRAS-CHAVE: Juventude, Cordel, Memória, Educação do Campo, Direitos humanos


Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, M. Cordel da reforma agrária. nov/2007. Recuperado de http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=cordel&pagfis=87743

CANDAU, V.M., PAULO, I., AMORIM, V., SACAVINO, S., ANDRADE, M., LUCENDI, Maria da Conceição. (Org.). (2013). Educação em direitos humanos e formação de professores(as). São Paulo: Cortez.

DAYRELL, J., MOREIRA, M.I.C., STENGEL, M. (Org.). (2011). Juventude contemporânea: um mosaico de possibilidade. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas.

DAYREL, J., CARRANO, P. (2014). Introdução: por que ler este livro? In DAYREL, J., CARRANO, P., & MAIA, C.L. (Org.), Juventude e ensino médio. Belo Horizonte: Editora UFMG.

FREIRE, P. (2002). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. (23a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GINZBURG, Carlo. (1990). Mitos, emblemas, sinais: morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras.

GINZBURG, Carlo. (2007). O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. (R. Freire d’Aguiar, E. Brandão, Trad.). São Paulo: Companhia das Letras.

HALBWACHS, M. (1990). A memória coletiva. São Paulo: Edições Vértice.

MEDEIROS, L. S. (1989). História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: Fase.

MUNARIM, Antonio. (2012). Educação no campo: contextos e desafios desta política pública. Olhar de professor, Ponta Grossa, 15(1): 77-89.

PIRES, A. M. (2012). Educação do campo como direito humano. São Paulo: Cortez.

PAIS, J. M. (1990). A construção sociológica da juventude: alguns contributos. Análise Social, vol.XXV, (105-106), (1º, 2º), 139-165.

SOUZA, M. A. (2008, set./dez.). Educação do campo: políticas, práticas pedagógicas e produção cientifica. Revista Educação Sociedade. Campinas, vol. 29, n.105, 1089-1111.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5769



 

HOLOS IN THE WORLD