O GENOCÍDIO INDÍGENA NO BRASIL: O COVID-19 e a Herança Colonial

Autores

Palavras-chave:

Direitos Humanos Ocidentais. Genocídio Indígena. Democracia Ocidental. Não Universalização dos Direitos Humanos. Indígenas e COVID-19

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados de uma investigação que trata de uma crítica nos termos da teoria decolonial à problemática dos direitos humanos universais e da democracia ocidental na proteção dos povos indígenas brasileiros durante o período inicial da pandemia de COVID-19 no Brasil. Para tanto, utilizou-se de uma ampla revisão bibliográfica a respeito dos temas direitos humanos, democracia, colonialidade do ser e colonialidade de gênero, bem como uma análise qualitativa de dados coletados por meio de organismos de defesa dos povos indígenas e jornais especializados no assunto. Os resultados apontam para uma debilidade nos direitos humanos universais e na democracia ocidental em serem efetivos no que tange a minorias étnicas presentes em um Estado amplamente heterogêneo como o Brasil. Por fim, esta pesquisa buscou apontar a importância dos estudos periféricos voltados para o entendimento da realidade periférica em detrimento da realidade do centro/ocidente, uma vez que fornece evidências da dificuldade de encaixe da realidade do Sul global em aparatos burocráticos de legislação pensados para populações do Norte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Daniel Conte, Universidade Feevale

Daniel Conte é Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq e Coordenador do Programa de Pós-graduação em Processos e Manifestações Culturais da Universidade Feevale. Doutor em Literatura Brasileira, Portuguesa e Luso-africana e Mestre em Literatura Comparada pela UFRGS. Professor permanente e pesquisador da Universidade Feevale, atuando no PPG em Processos e Manifestações Culturais e no Mestrado Profissional em Indústria Criativa. E professor Visitante no PPG-Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na linha de pesquisa Pós-colonialismo e identidades e lidera, juntamente com o Dr. Ricardo Postal, o grupo SUTRA - Subalternidades, Transculturalidade e Perspectivas Decoloniais do CNPq.

Thaís Vieira de Paula, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestra e Bacharela em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Pesquisa, prioritariamente, gênero e feminismos com ênfase em movimentos indígenas, direitos humanos, religião e organizações internacionais, trabalhando a questão da mulher indígena e da mulher periférica, a partir das lentes da teoria decolonial, da teoria feminista decolonial e do pós-colonialismo. 

Referências

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). (n.d). Emergência Indígena: plano de enfrentamento da Covid-19 no Brasil. https://apiboficial.org/emergenciaindigena/

Conselho Indigenista Missionário (CIMI). (2020a). MPF Cobre Informações sobre Prevenção do Novo Coronavírus em Povos Indígenas de Comunidades Tradicionais. cimi.org.br/2020/03/mpf-cobra-informacoes-sobre-prevencao-novo-coronavirus-povos-indigenas-comunidades-tradicionais-am/

Conselho Indigenista Missionário (CIMI). (2020b). Nota de Repúdio a Portaria da Funai que possibilita Contato com Povos Isolados. cimi.org.br/2020/03/nota-repudio-portaria-funai-possibilita-contato-povos-indigenas-isolados/

Conselho Indigenista Missionário (CIMI). (2020c). Indígenas Temes Proliferação de Coronavírus com Entrada Ilegal de Evangélicos na TI Vale do Javari. https://cimi.org.br/2020/03/indigenas-temem-proliferacao-de-coronavirus-com-entrada-ilegal-de-evangelicos-na-ti-vale-do-javari/

Conselho Indigenista Missionário (CIMI). (2020d). Arcebispo de Porto Velho e Presidente do CIMI, Dom Roque Paloschi Alerta para a Indiferença do Governo Diante dos Povos Indígenas. https://cimi.org.br/2020/03/arcebispo-de-porto-velho-e-presidente-do-cimi-dom-roque-paloschi-alerta-para-indiferenca-do-governo-diante-dos-povos-indigenas/

Conselho Indigenista Missionário (CIMI). (2020e). Em meio a Pandemia Grileiros Invasores se Aproximam da Aldeia Karipuna. https://cimi.org.br/2020/04/em-meio-pandemia-grileiros-invasores-aproximam-aldeia-karipuna/

Conselho Indigenista Missionário (CIMI). (2020f). Levantamento Mostra Aldeias em Quarentena com Dificuldades Alimentares e Sanitárias além da Morosidade do Governo. https://cimi.org.br/2020/04/levantamento-mostra-aldeias-em-quarentena-dificuldades-alimentares-e-sanitarias-alem-da-morosidade-do-governo/

CovidVisualizer. (2020). Covid-19: Click on a country or territory to see cases, deaths, and recoverys. https://www.covidvisualizer.com/

Dahl, R. A. (2001). Sobre a Democracia. (Beatriz Sidou Trad.). Universidade de Brasília.

Dahl, R. A. (1989). Um prefácio à Teoria Democrática. Jorge Zahar.

Fundação Nacional do Índio (Funai). (2020). Instrução Normativa Nº 9, de 16 de abril de 2020. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/instrucao-normativa-n-9-de-16-de-abril-de-2020-253343033

Herrerías, J. (2016). Ciudadanía y democracia en la sociedad actual globalizada y comunicada. Holos, 5, 46-51. https://doi.org/10.15628/holos.2016.4728

Maldonado-Torres, N. (2007). Sobre la colonialidad del ser: Contribuciones al desarrollo de un concepto. In Castro-Gomez, S. Y Grosfoguel, Ramon (Eds.), El giro Decolonial: Reflexiones para

una diversidad epstémica más allá del capitalismo global. pp. 127-167. Lesco-Pensar-Siglo del Hombre.

Mendonça, R., & Cardoso, F. (2018). Alteridade, o Outro e a Apresentação da Noção de Subjetividade em Emmanuel Levinas. HOLOS, 3, 395-412. https://doi.org/10.15628/holos.2018.5618

O’Donnell, G., & Wolfson, L. (1993). Acerca del estado, la democratización y algunos problemas conceptuales: Una perspectiva latinoamericana con referencias a paises poscomunistas. Desarrollo Económico, 33(130), 163–184. https://doi.org/10.2307/3467251

Organização Internacional do Trabalho (OIT). (1989). Convenção Nº 169 Sobre Povos Indígenas e Tribais. http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Convencao_169_OIT.pdf

Organização das Nações Unidas (ONU). (1948). Declaração universal dos direitos humanos. http://www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php.

Piovesan, F. (2012). Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. Saraiva.

Piovesan, F. (2013). Direitos Humanos e Justiça Internacional. Saraiva.

Portal da Transparência. (2021). Fundação Nacional do Índio. http://www.portaldatransparencia.gov.br/orgaos/30202-fundacao-nacional-do-indio

Tribunal Penal Internacional. (1998). Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional.

Santos, B. S. (1997). Uma Concepção Multicultural de Direitos Humanos. Lua Nova: Revista de Cultura e Política [online], 1 (39), 105-124. https://doi.org/10.1590/S0102-64451997000100007.

Santos, B. S. (2012). Derecho y Emancipación. Corte Consitucional para el Período de Transición. Centro de Estudios y Difusion del Derecho Constitucional.

Santos, B. S., & Chauí, M. (2014). Direitos Humanos, Democracia e Desenvolvimento. Cortez

Downloads

Publicado

07/01/2022

Como Citar

Conte, D., & Paula, T. V. de. (2022). O GENOCÍDIO INDÍGENA NO BRASIL: O COVID-19 e a Herança Colonial. HOLOS, 2. Recuperado de https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/11583

Edição

Seção

ARTIGOS