PERCEPÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO SOBRE ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DE CETÁCEOS, FORTALEZA-CE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.7696

Palavras-chave:

Curso, Cetacea, Formação de professores, Formação discente, Percepção ambiental

Resumo

Cetáceos são mamíferos aquáticos que habitam boa parte do globo, e que tornaram-se ameaçadas devido a ações como caças ilegais, poluição e turismo. Com isso, objetivou-se avaliar a percepção de alunos de graduação sobre Ecologia e Conservação de Cetáceos. O trabalho foi desenvolvido junto a 32 alunos de graduação que participaram do curso de Ecologia e Conservação de Cetáceos, realizado na Universidade Estadual do Ceará, em março/2017, onde no período de inscrição, os alunos responderam um questionário e assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Obteve-se alunos de diferentes instituições, cursos e semestres. Sobre os Cetáceos, que animais pertencem ao grupo: baleia (100%), golfinho (87,5%) e boto (68,8%); principal ameaça: lixo químico e industrial nos oceanos (93,8%) e caça (87,5%); sociedade como a que mais protege e mais causa danos. Muitos alunos já possuíam conhecimento prévio sobre o assunto, e notou-se o grande interesse no curso, pois estes são pouco ofertados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcos Adelino Almeida Filho, Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação, Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA, Mossoró-RN

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Especialista em Planejamento e Gestão Ambiental (2019) e Graduado em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas (2018) pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Membro do Laboratório de Ecologia e Comportamento Animal (LECA/UFERSA). Colaborador do Museu de História Natural do Ceará Professor Dias da Rocha. Membro do Grupo de Discussão em Herpetologia (GDH/UECE).

Josiany Costa de Souza, Programa de Pós-Graduação em Biologia de Fungos, Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Recife-PE

Doutoranda em Biologia de Fungos pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Tecnologia e Gestão Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará (IFCE), Especialista em Planejamento e Gestão Ambiental pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e Graduada em Ciências Biológicas (UECE). Tem experiência na área de Educação Ambiental, Consultoria, Microbiologia, com ênfase em Micologia com identificação e taxonomia de fungos anemófilos, Empresa Júnior e Ensino de Biologia.

Aline Ariela Passos Lisbôa Pereira, Universidade Estadual do Ceará – UECE, Fortaleza-CE

Bióloga pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), Especialista em Perícia e Auditoria Ambiental pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER), Especialização em andamento em Planejamento e Gestão Ambiental (UECE). Atua como consultora ambiental, em estudos de Monitoramento e Levantamento de Fauna com ênfase em aves e mamíferos, Diagnósticos Socioambientais e outros estudos para Licenciamentos Ambientais de empreendimentos.

Maria Aryadine Venancio Bezerra, Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Médica, Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza-CE

Mestre em Microbiologia Médica pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Bruno Edson-Chaves, Programa de Pós-Graduação em Botânica, Universidade de São Paulo – USP, São Paulo-SP; Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu - FECLI, Universidade Estadual do Ceará, Iguatu-CE

Doutorando em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Botânica pela Universidade de Brasília (UnB). Graduado em Ciências Biológicas (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professor de Botânica (Assistente Nível D) pela Universidade Estadual do Ceará na Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu - FECLI, Campus Humberto Teixeira. Atua principalmente na área de Anatomia Vegetal, como foco em Poales/Poaceae. Tem experiência na área de etnobotânica, arborização urbana e ensino de Biologia/Botânica.

Referências

Barbieri, E., Marquez, H. L., Campolim, M. B., & Salvarani, P. I. (2014). Avaliação dos impactos ambientais e socioeconômicos da aquicultura na região estuarina-lagunar de Cananéia, São Paulo, Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada, 14(3), 385-398.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Beneditto, A. P. M., Siciliano, S. & Ramos, R. M. A. (2010). Cetáceos: Introdução à Biologia e a Metodologia Básica para o Desenvolvimento de Estudos. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública.

Brasil, C. C., Oliveira, P. R. S. & Vasconcelos, A. P. S. M. (2017). Perfil e trajetória profissional dos egressos de residência multiprofissional: trabalho e formação em saúde. Sanare, 16(1), 60-66.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2018). Lixo no Mar. Disponível em: http://www.mma.gov.br/gestao-territorial/gerenciamento-costeiro/a-zona-costeira-e-seus-m%C3%BAltiplos-usos/zona-costeira-e-oceanos

Campos, A. F. & Batinga, V. T. S. (2017). Eventos científicos promovidos pelo curso de Licenciatura em Química da Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Revista Debates em Ensino de Química, 3(1), 171-174.

Castro, P. & Huber, M. E. (2012). Biologia Marinha (8.ª ed.). São Paulo: AMGH Editora Ltda.

Cram-Q. (2018). Os mamíferos marinhos. Disponível em: http://cramq.socpvs.org/educacao/informacao-de-animais-marinhos/informacao-mamiferos-marinhos/

Di Lorio, L. & Clark, C. W. (2010). Exposure to seismic survey alters blue whale acoustic communication. Biology Letters, 6(1), 51-54.

Fernandes, M. C., Silva, L. M. S., Machado, A. L. G. & Moreira, T. M. M. (2012). Universidade e a extensão universitária: a visão dos moradores das comunidades circunvizinhas. Educação em Revista, 28(4), 169-19.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4.ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gomes, D. & Serraglio, H. Z. (2017). A responsabilidade civil decorrente do uso e da produção de agrotóxicos no Brasil. Revista Direito Ambiental e Sociedade, 7(2), 297-315.

Goncalves, C. I. S., Nova, R. S. & Vasconcelos, J. P. S. (2013). Impactos Ambientais da Indústria do Petróleo em Produção Offshore. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO E GÁS, 7, 2013, Aracajú. Anais... Aracajú – Sergipe, 2013.

Hetherington, J., Leous, J., Anziano, J., Brockett, D., Cherson, A., Dean, E. … Reilly, K. (2005). The Marine Debris Research, Prevention and Reduction Act: A Policy Analysis. New York: Columbia University.

Hora, H. R. M., Monteiro, G. T. R. & Arica, J. (2010). Confiabilidade em Questionários para Qualidade: Um estudo com o Coeficiente Alfa de Cronbach. Produto & Produção, 11(2), 85-103.

ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (2018). O Instituto. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/

Iucn. (2012). Red List of Threatened Species. Disponível em: www.iucnredlist.org

Jambeck, J. R., Geyer, R., Wilcox, C., Siegler, T. R., Perryman, M., Andrady, A. … Law, K. L. (2015). Plastic waste inputs from land into the ocean. Science, 347(6223), 768–771.

Júnior, E. F. O. & Souza, M. I. S. (2012). Os impactos decorrentes da ação antrópica na nascente do Rio Piauí – Riachão do Dantas/SE. Revista Eletrônica da Faculdade José Augusto Vieira, 5(7), 1-17.

Labomar – Instituto de Ciências do Mar. (2018). Histórico. Disponível em: http://www.labomar.ufc.br/sobre-o-labomar/historico/

Leite, S. P., Silva, C. R. & Henriques, L. C. (2011). Impactos Ambientais Ocasionados pela Agropecuária no Complexo Aluízio Campos. Revista Brasileira de Informações Científicas, 2(2), 58-64.

Lodi, L. & Borobia, M. (2013). Baleias, Botos e Golfinhos do Brasil: Guia de Identificação. Rio de Janeiro: Technical Books.

Lourençato, L. F. (2010). Potencial de contaminação de águas superficiais por agrotóxicos na microbacia hidrográfica do Campestre, Colombo, PR. 2010. 48f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) – Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Luna, I. N., Bardagi, M. P., Gaikoski, M. M. & Melo, F. S. (2014). Empresas juniores como espaço de desenvolvimento de carreira na graduação: reflexões a partir de uma experiência de estágio. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 14(4), 441-451.

Machado, C, J. S., Vilani, R. M., Franco, M. G. & Lemos, S. D. C. (2013). Legislação ambienta/l e degradação ambiental do solo pela atividade petrolífera no Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 28, 41-55.

Matias, J. L. N. & Oliveira, C. M. A. (2017). Santuário e a proteção das baleias: caça predatória e a preservação ambiental. Revista Brasileira de Direito Ambiental, 13(3), 93-117.

Monteiro-Filho, E. L. A., Oliveira, L. V., Monteiro, K. D. K. A., Fila, G. F., Quito, L. & Godoy, D. F. (2013). Guia Ilustrado de Mamíferos Marinhos do Brasil – Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC) (1.ª ed.). São Paulo: Laborgraf.

Morais, M. C. & Coriolano, A. C. F. (2016). Biorremediação, uma alternativa na utilização em áreas degradadas pela indústria petrolífera. Holos, 7, 133-150.

O’shea, T. J. & Odell, D. K. (2008). Large-scale marine ecosystem changes and the conservation of marine mammals. Journal of Mammalogy, 89(3), 529-533.

Oliveira, G. V., Palomé, L., Carvalho, R. M., Gouveia, T. G., Alonso, M. K., Santos, M. G. L. ... Dias, M. C. (2016). Monitoramento da coleta seletiva de resíduos e produção de sabão no Instituto Verde Vida, Região do Rio Aribiri – Vila Velhas-ES. Revista Guará, 5, 89-100.

Oliveira, J. V., Ramos, A. C. A., Teixeira, K. Q., Peres, M. G. & Carvalho, W. O. (2013). Percepção dos alunos de Ensino Médio sobre Educação Ambiental, em Tefé (AM). Revista Brasileira de Educação Ambiental, 8(1), 130-138.

Pacheco, C. (2010). Ação civil pública do Instituto Sea Shepherd Brasil contra massacre de golfinhos no Amapá. Ano 5, 7, 331-351.

Pacheco, E. & Silva, H. P. (2006). Compromissos epistemológicos do conceito de percepção ambiental. Seminário de áreas protegidas e inclusão social. In: SEMINÁRIO ÁREAS PROTEGIDAS E INCLUSÃO SOCIAL, 2, 2006, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2006. 1 CD-ROM.

Pacheco, G. R. C. (2016). Consequência dos resíduos sólidos presentes nos oceanos para os animais marinhos. 2016. 32 f. Monografia (MBA em Gestão Ambiental) – Programa de Educação Continuada em Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

Paglia, A. P., Fonseca, G. A. B., Rylands, A. B., Herrmann, G., Aguiar, L. M. S., Chiarello, A. G. ... Patton, J. L. (2012). Lista anotada dos mamíferos do Brasil (2.ª ed.). Arlington: Conservation International, Occasional Paper.

Paz, J. R. L., Santos, M. V. P., Silva, W. P., Moreira, A. L. C. & Santana, C. C. (2014). A importância da organização de eventos acadêmicos na formação do biólogo: iniciativa do Biovertentes. Em extensão, 13(1), 51-60.

Pedrini, A. G., Andrade-Costa, E. & Ghilardi, N. P. (2010). Percepção ambiental de crianças e pré-adolescentes em vulnerabilidade social para projetos de educação ambiental. Ciência & Educação, 16(1), 163-179.

Pereira, R. C. & Gomes, A. S. (2009). Biologia Marinha (2.ª ed.). Rio de Janeiro: Interciência.

Perrin, W. F., Würsig, B. & Thewissen, J. G. M. (2009). Encyclopedia of Marine Mammals (2ª. ed.). USA: Academic Press.

Rocha-Campos, C. C. & Câmara, I. G. (2011). Plano de Ação para Conservação dos Mamíferos Aquáticos: Grandes Cetáceos e Pinípedes. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Sakata, M. C. G., Silva, A. M., Riccio, E. L. & Capobianco, M. L. (2013). Construção do Observatório USP CONTECSI: Análise da dinâmica científica e impacto nacional e internacional de um congresso acadêmico. Prisma.com, 20, 1-41.

Santos, P. V. (2012). Impactos ambientais causados pela perfuração em busca do petróleo. Caderno de Graduação-Ciências Exatas e Tecnológicas-UNIT, 1(1), 153-163.

Sousa, I. S., Souza, J. M., Silva, N. C. & Neves, M. A. (2016). Sistema Transversal de Ensino-Aprendizagem, um desafio no planejamento reflexivo do Ensino de Botânica. Areté – Revista Amazônica de Ensino de Ciências, 9(20), 176–183.

Tamar. (2018). Lixo x animais marinhos. Disponível em: http://tamar.org.br/interna.php?cod=315

Tavares, R. V., Cavalcante, A. F. B. A., Oliveira, J. L. S. & Silva, E. (2016). A temática ambiental no semiárido: concepções de estudantes do Ensino Médio de Ouro Velho, Paraíba. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO, 1, 2016, Campina Grande. Anais... Campina Grande – Paraíba, 2016.

Vidal, M. D. (2011). Botos e turistas em risco. Ciência Hoje, 47(281), 73-75.

Wilson, D. E. & Mittermeier, R. A. (2014) Handbook of the Mammals of the World (4.ª ed.). Barcelona: Lynx Edicions.

Wordclouds. (2018). Free online Wordcloud generator. Disponível em: https://www.wordclouds.com/

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

Almeida Filho, M. A., de Souza, J. C., Pereira, A. A. P. L., Bezerra, M. A. V., & Edson-Chaves, B. (2021). PERCEPÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO SOBRE ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DE CETÁCEOS, FORTALEZA-CE. HOLOS, 8, 1–16. https://doi.org/10.15628/holos.2021.7696

Edição

Seção

ARTIGOS