AS RELAÇÕES PATRIARCAIS DE GÊNERO NA FAMÍLIA: INFLUÊNCIA DA MÍDIA TELEVISIVA

Patricia Pereira Tavares de Alcantara, Camila Lopes Peixoto, Adriana Maria Simião da Silva

Resumo


O presente estudo tem como objetivo a reflexão sobre as relações patriarcais de gênero refletidas na família através da mídia televisiva. Partindo do pressuposto de que estas relações encontram-se naturalizadas na sociedade. Sua origem é retrógrada, remota ao surgimento da propriedade privada e da monogamia, como bases de sustentação do sistema patriarcal (Saffioti, 2004). Este sistema organiza as relações de opressão-exploração das mulheres, instituindo papéis sociais e sexuais a serem cumpridos por ambos os sexos. Estes papéis são reproduzidos em todos os segmentos sociais, inclusive nos meios de comunicação, em especial a televisão, fonte de acessibilidade em massa (Engels, 2007). O estudo fora realizado numa abordagem bibliográfica, com o intuito de reflexão e conhecimento para uma possível transformação da realidade e visibilidade das relações patriarcais de gênero. 


Palavras-chave


Patriarcado, Gênero, Papéis Sociais; Mídia Televisiva

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA. J. P. de. (2010). As multifaces do Patriarcado: uma análise das relações de gênero nas famílias homoafetivas. Recife: O Autor.

AVELAR. M. de F. (2010). Mídia e construção de identidades sociais. In: Gênero, educação, trabalho e mídia. São Paulo: Ícone.

BEAUVOIR, S. de. (1967). O segundo sexo 2: A experiência vivida. 2ªed., tradução Sergio Milliet. Difusão Européia do Livro, São Paulo.

BELELI, I. (2010). Mulheres e relações de gênero: poder simbólico, mídia e arte. In: Gênero, educação, trabalho e mídia. São Paulo: Ícone.

BOURDIEU, P. (2003). A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 3ª ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

BRABO, T. S. A. M. (2010). Movimento feminista e mídia encontros e desencontros. In: Gênero, educação, trabalho e mídia. São Paulo: Ícone.

COULANGES, F. de. (1961). A cidade antiga. São Paulo: Editora das Américas.

ENGELS, F. (2007). A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Tradução de Leandro Konder. 17ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

LISBOA, T. K. (2010). Gênero, feminismo e Serviço Social: encontros e desencontros ao longo da história da profissão. Rev. katálysis [online]. vol.13, n.1.

LOURO, G. (1997). Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes.

MINAYO, M. C. S. (1996). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 5ª ed., Petrópolis: Vozes.

MORAES, M. (2002). Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A.

MORENO, R. (2007). A mulher na tv. Folha feminista. Boletim da SOF na luta feminista. Junho 2007. nº 64.

SAFFIOTI, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo. Editora Fundação Perseu Abramo.

________. (1987). O poder do macho. 3 ed. São Paulo: Moderna.

SILVA, S. G. da. (2010). Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicol. cienc. prof. [online]. vol.30, n.3, pp. 556-571.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5436



 

HOLOS IN THE WORLD