REFLEXÕES ACERCA DOS PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E SUA CORRELAÇÃO COM A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9609

Palavras-chave:

Atenção Primária a Saúde, Cuidados de Enfermagem, Saúde pública, Violência contra a Mulher.

Resumo

Com altas taxas incidência e de morbimortalidade, como também com diversos danos causados a saúde individual e coletiva a Violência Contra a Mulher (VCM) constitui um importante problema de saúde pública no Brasil. Assim, este estudo objetiva refletir criticamente a aplicabilidade dos princípios da Política Nacional de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres (PNEVCM) dentro da atuação do Enfermeiro na APS. A análise crítico-reflexiva da atuação do enfermeiro possibilitou a identificação de categorias temáticas referentes a cada princípio, sendo eles: a) Igualdade e Respeito à diversidade; b) Equidade; c) Autonomia das mulheres; d) Laicidade do Estado; e) Universalidade das Políticas; f) Justiça Social; g) Transparência dos atos públicos; h) Participação e Controle Social. Nesse sentido, destaca-se o quanto foi inovador fazer essa correlação entre os princípios da política, assistência à saúde e a literatura científica. Logo, acredita-se que possa este estudo fomentar novas discussões e pesquisas acerca da problemática de enfrentamento da VCM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

FRANCISCA EVANGELISTA ALVES FEITOSA, Universidade Regional do Cariri - URCA

Bacharel em Enfermagem pela URCA

BEATRIZ DE CASTRO MAGALHÃES, Universidade Regional do Cariri - URCA

Bacharel em Enfermagem pela URCA e Mestranda pela URCA

PATRICIA PEREIRA TAVARES DE ALCANTARA, Universidade Regional do Cariri - URCA

Bacharel em Enfermagem pela URCA e Mestre em Desenvolvimento Regional Sustentável pela UFCA

Referências

Acosta, D. F., Gomes, V. L. O., Oliveira, D. C., Gomes, G. C., & Fonseca, A. D. (2017). Ethical and legal aspects in nursing care for victims of domestic violence. Texto Contexto Enferm, 26(3).

Amarijo, C. L., de Oliveira Gomes, V. L., Gomes, A. M. T., da Fonseca, A. D., & Silva, C. D. (2017). Representação social de profissionais de enfermagem acerca da violência doméstica contra a mulher: abordagem estrutural [Nursing personnel’s social representations of domestic violence against women: a structural approach]. Revista Enfermagem UERJ, 25, 23648.

Batista, K. B. C., Schraiber, L. B., & D’Oliveira, A. F. P. L. (2018). Gestores de saúde e o enfrentamento da violência de gênero contra as mulheres: as políticas públicas e sua implementação em São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34, e00140017.

Penha, L. M. (2013). LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Brasília: Secretaria Especial de.

Brasil. (2004). Portaria nº 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Brasil, C. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil Brasília. DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 20-22.

Brasil. (2013). Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, pp114.

Brasil. (2011). Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da República. Política Nacional de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres. Brasília (DF): Secretaria de Políticas para as Mulheres.

Cann, K. (2001). Violência doméstica: um levantamento comparativo dos níveis de detecção, conhecimento e atitudes em profissionais de saúde. Public Health, 115, (2), 89-95.

Cavalcanti, E. C. T., & de Oliveira, R. C. (2019). Políticas públicas de combate à violência de gênero: a rede de enfrentamento à violência contra as mulheres. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, 2(2).

Cordeiro, K. C. C., Santos, R. M., Gomes, N. P., Melo, D. S., Mota, R. S., & Couto, T. M. (2015). Formação profissional e notificação da violência contra a mulher. Revista Baiana de Enfermagem?, 29(3), 209-217.?

Cortes, L. F., de Mello Padoin, S. M., Vieira, L. B., Landerdahl, M. C., & Arboit, J. (2015). Cuidar mulheres em situação de violência: empoderamento da enfermagem em busca de equidade de gênero. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36, 77-84.

Garbin, C. A. S., Dias, I. D. A., Rovida, T. A. S., & Garbin, A. J. Í. (2015). Desaf?os do prof?ssional de saúde na notif?cação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Ciência & Saúde Coletiva, 20, 1879-1890.

Kim, J.; Motsei, M . (2002). "Mulheres gozam de punição": atitudes e experiências de violência baseada em gênero entre enfermeiras da APS na área rural da África do Sul. Ciências Sociais e Medicina, 54, (8), 1243-1254.

Lira, K. F. S., & de Barros, A. M. (2015). Violência contra as mulheres e o patriarcado: um estudo sobre o sertão de Pernambuco. Revista Ágora, (22), 275-297.

Marques, S. S., Riquinho, D. L., dos Santos, M. C., & Vieira, L. B. (2017). Estratégias para identificação e enfrentamento de situação de violência por parceiro íntimo em mulheres gestantes. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(3).

Menezes, P. R. D. M., Lima, I. D. S., Correia, C. M., Souza, S. S., Erdmann, A. L., & Gomes, N. P. (2014). Enfrentamento da violência contra a mulher: articulação intersetorial e atenção integral. Saúde e sociedade, 23, 778-786.

Nandi, A., Costa, T. J. & Silva, A. S. (2015). Políticas Públicas de atendimento a mulheres vítimas de violência: A LEI. Revista Políticas Públicas & Cidades, 2(1), 156-182.

Oliveira, P. P., da Fonseca Viegas, S. M., dos Santos, W. J., da Silveira, A. A., & Elias, S. C. (2015). Mulheres vítimas de violência doméstica: uma abordagem fenomenológica. Texto & Contexto Enfermagem, 24(1), 196-203.

Organização Pan-americana de Saúde. Organização Mundial de Saúde. (2012). Prevenção da violência sexual e da violência por parceiro íntimo contra a mulher: ação e produção de evidência.

Pinto, C. R. J. (2010). Feminismo, história e poder. Revista de Sociologia Política, 18, (36), 15-23.

Santos, C. R. (2016). Movimento Social no Enfrentamento da Violência contra a Mulher: a experiência de um grupo de trabalho em Salvador e Região Metropolitana/BA. Revista Feminismos, 4(1).

Gomes, M., Tavares, M. S., & Sardenberg, C. B. (2010). A aplicação da Lei Maria da Penha em foco. Salvador: NEIM/UFBA.

Silva, N. N. F., Leal, S. M. C., Trentin, D., de Oliveira Vargas, M. A., Vargas, C. P., & Vieira, L. B. (2017). Atuação dos enfermeiros da atenção básica a mulheres em situação de violência. Enfermagem em Foco, 8(3).

Sousa, A. R. D., Gomes, N. P., Estrela, F. M., Paixão, G. P. D. N., Pereira, Á., & Couto, T. M. (2018). Violência conjugal: discursos de mulheres e homens envolvidos em processo criminal. Escola Anna Nery, 22(1).

Vieira, R. H. G., Erdmann, A. L., & Andrade, S. R. D. (2013). Vacinação contra influenza: construção de um instrumento educativo para maior adesão dos profissionais de enfermagem. Texto & Contexto-Enfermagem, 22(3), 603-609.

Visetin, F. (2015) . A enfermagem na atenção primária ao cuidar de mulheres em situação de violência de gênero. Invest. educ. enferm., 33, (3), 556-564.

Zuchi, C. Z., Silva, E. B. D., Costa, M. C. D., Arboit, J., Fontana, D. G. R., Honnef, F., & Heisler, E. D. (2018). Violência contra as mulheres: concepções de profissionais da Estratégia Saúde da Família acerca da escuta. REME rev. min. enferm, e-e.

Downloads

Publicado

19/08/2020

Como Citar

FEITOSA, F. E. A., MAGALHÃES, B. D. C., & ALCANTARA, P. P. T. D. (2020). REFLEXÕES ACERCA DOS PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E SUA CORRELAÇÃO COM A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO. HOLOS, 5, 1–13. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9609

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)