EXÍLIO E HISTÓRIA: UMA PERSPECTIVA DO OFÍCIO DO HISTORIADOR A PARTIR DO ATLÂNTICO NEGRO

Autores

  • Marcos Vinícius Lustosa Queiroz Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.4866

Palavras-chave:

história, exílio, Atlântico Negro, modernidade, colonialidade

Resumo

O artigo pretende examinar a figura do “exilado” e suas respectivas contribuições para o ofício de historiador no regime de historicidade da modernidade. Para tanto, primeiramente e a partir das abordagens de Charles Baudelaire e da Paris do século XIX feitas por Walter Benjamin, serão analisadas as qualidades desse tempo histórico e os desafios que ele traz para a historiografia. Em um segundo momento, recuará e perceberá a categoria do “exílio” como inerente aos processos políticos e culturais do Atlântico Negro, bem como às perspectivas e às narrativas distintivas produzidas pela diáspora negra em seu trânsito pela modernidade-colonialidade. Espera-se, assim, que a exploração da ideia de “exílio”, ancorada nas experiências de negros e negras no mundo atlântico, forneça um arcabouço instrumental para se pensar a história e o historiador na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcos Vinícius Lustosa Queiroz, Universidade de Brasília

Bolsista de Doutorado Sanduíche na Facultad de Ciencias Humanas da Universidad Nacional de Colombia, Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias do Nascimento - CAPES. Doutorando em Direito pela Universidade de Brasília. Mestre em Direito pela Universidade de Brasília. Graduado em Direito pela Universidade de Brasília. É membro do Centro de Estudos em Desigualdade e Discriminação - CEDD/UnB, do Maré - Núcleo de Estudos e Pesquisa em Cultura Jurídica e Atlântico Negro, do Grupo de Pesquisa Desafios do Constitucionalismo e do Grupo de Investigación sobre Igualdad Racial, Diferencia Cultural, Conflictos Ambientales y Racismos en las Américas Negras - IDCARÁN.

Referências

Agamben, G., (2009), O que é o contemporâneo? e outros ensaios, Trad. Vinícius Nicastro Nonesko, Chapecó, Brasil: Argos.

Alcoff, L. M. (2016). Uma epistemologia para a próxima revolução. Revista Sociedade e Estado, Universidade de Brasília, 31(1), 129-143.

Bâ, A. H, (2010), A tradição viva. In: J. Ki-Zerbo (Ed.), História geral da África, I: metodologia e pré-história da África (pp. 167-212). Brasília, Brasil: UNESCO.

Bhabha, H. K., (2013), O local da cultura, Trad. Myriam Ávia Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves, Belo Horizonte, Brasil: Editora UFMG.

Benjamin, W., (1989), Charles Baudeleire: um lírico no auge do capitalismo, Trad. José Martins Barbosa, Hemerson Alves Baptista. São Paulo, Brasil: Brasiliense.

___________, (1987), Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura, Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo, Brasil: Brasiliense.

Bernardino-Costa, J., (2015), Saberes subalternos e decolonialidade: os sindicatos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Brasília, Brasil: Editora Universidade de Brasília.

Biko, S., (1990), Escrevo o que eu quero, Trad. Grupo Solidário São Domingos. São Paulo, Brasil: Editora Ática.

Carneiro, S., (2005), A construção do outro como não-ser como fundamento do ser, Tese de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de São Paulo, Brasil.

Certeau, M., (2011), História e psicanálise: entre ciência e ficção, Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira, Belo Horizonte, Brasil: Autêntica Editora.

Collins, P. H., (2009), Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment, Nova York, Estados Unidos: Routledge.

Connel, R. (2012). A iminente revolução na teoria social. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 27(80), 09-20.

Dubois, L. e Scott, J. (2010). Introduction. In. L. Dubois e J. Scott. Origins of the Black Atlantic. Nova York, Estados Unidos: Routledge.

Fanon, F., (2008), Pele negra, máscaras brancas, Trad. Renato da Silveira. Salvador, Brasil: EDUFBA.

Gilroy, P., (2012), O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência, Trad. Cid Knipel Moreira, São Paulo, Brasil: Editora 34.

Ginzburg, C., (1993), El juez y el historiador: consideraciones al margen del proceso Sofri, Trad. Alberto Clavería, Madri, Espanha: Anaya e Mario Muchnik.

___________, (2007), O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício, Trad. Rosa Freire d’Aguiar e Eduardo Brandão, São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Gumbrecht, H. U., (2015), Nosso amplo presente: o tempo e a cultura contemporânea, Trad. Ana Isabel Soares. São Paulo, Brasil: Editora Unesp.

Hall, S., (2013). Da diáspora: Identidades e mediações culturais, Organização Liv Sovik, Tradução Adelaine La Guardia Resende ... [et all], Belo Horizonte, Brasil: UFMG.

Hartog, F., (2015), Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo, Belo Horizonte, Brasil: Autêntica Editora.

Hoogs, B., (2015), Ain’t I a woman: black women and feminism. Nova York, Estados Unidos: Routledge.

Koselleck, R., (2014), Estratos do tempo: estudos sobre história, Trad. Markus Hediger. Rio de Janeiro, Brasil: Contraponto/PUC-Rio.

___________, (2006), Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos, Trad. Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida Pereira, Rio de Janeiro, Brasil: Contraponto/PUC-Rio.

Kracauer, S., (1995), History: the last things before the last. Completada após a morte por Paul Oskar Kristeller, Nova York, Estados Unidos: Oxford University Press.

Kristeva, J., (1994), Estrangeiros para nós mesmos, Trad. Maria Carlota Carvalho Gomes, Rio de Janeiro, Brasil: Rocco.

Lorde, A., (2007), Sister outsider. Nova York, Estados Unidos: Crossing Press.

Machado, C. E. J. (2006). Notas sobre Siegfried Kracauer, Walter Benjamin e a Paris do Segundo Império – pontos de contato. História, São Paulo, 25(02),48-63.

Mattos, H. (2007). Ciudadanía, racialización y memoria del cautiveiro en la Historia de Brasil. Trad. Francisco Ballén. In: C. M. Rosero-Labbé e L. C. Barcelo, Afro-reparaciones: Memorias de la Esclavitud y Justicia Reparativa para negros, afrocolombianos y raizales, Bogotá, Colombia: Universidad Nacional de Colombia, Facultad de Cienciais Humanas, Centro de Estudios Sociales (CES).

Mintz, S. W. e Price, R., (2003), O nascimento da cultura afro-americana: uma perspectiva antropológica. Rio de Janeiro, Brasil: Pallas/Universidade Candido Mendes.

Morrison, T. (2000). Living Memory: Meeting Toni Morrison. In: P. Gilroy. Small Acts. Londres, Inglaterra: Serpent’s Tail.

Oliveira, F. N. (2011). Modernidade, política e práxis negra no pensamento de Clóvis Moura. PLURAL, Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP, 18(1), 45-64.

Prost, A., (2008), Doze lições sobre a história, Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira, Belo Horizonte, Brasil: Autêntica Editora.

Queiroz, M. V. L., (2017), Constitucionalismo Brasileiro e o Atlântico Negro: a experiência constituinte de 1823 diante da Revolução Haitiana, Rio de Janeiro, Brasil: Lumen Juris.

Ramos, A. G., (1995), Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro, Brasil: Editora UFRJ.

Rancière, J. (2011). O conceito de anacronismo e a verdade do historiador. In: M. Salomon (org.), História, verdade e tempo, Chapecó, Brasil: Argos.

Rufer, M. (2010). La temporalidad como política: nación, formas de pasado y perspectiva poscoloniales. Memoria y Sociedad, Universidad Javeriana, Bogotá (Colombia), 14(28), 11-31.

Said, E. W., (2005), Representações do intelectual: as Conferências de Reith de 1993, Trad. Milton Hatoum, São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Spivak, G. C., (2010), Pode o subalterno falar?, Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa, Belo Horizonte, Brasil: Editora UFMG.

Downloads

Publicado

09/02/2018

Como Citar

Lustosa Queiroz, M. V. (2018). EXÍLIO E HISTÓRIA: UMA PERSPECTIVA DO OFÍCIO DO HISTORIADOR A PARTIR DO ATLÂNTICO NEGRO. HOLOS, 1, 246–258. https://doi.org/10.15628/holos.2018.4866

Edição

Seção

ARTIGOS